Domingo, 27 de Março de 2016

Que sera, sera

Um banco, toda a gente sabia o que era: um lugar onde, mediante uma recompensa, as pessoas que têm poupanças as depositam. O banqueiro emprestava os depósitos a quem tinha uma ideia para os fazer frutificar, mediante um preço, sendo este constituído pelo que era pago de recompensa ao depositante mais o que custava o pessoal do banco e restantes despesas de funcionamento, mais uma pequena margem - que era o lucro do banqueiro.

 

Claro que o banco serve para uma infinidade de outras coisas (como transferir dinheiro com segurança de um lado para o outro do mundo ou pagar comodamente serviços, ou converter umas moedas noutras, por exemplo). Mas, no essencial, há alguém que investe no capital, alguém que deposita o que lhe sobra ou poupa e alguém que utiliza o depositado.

 

Não foi sempre assim: as primeiras casas bancárias (os Medici, os Fugger) começaram por emprestar o seu capital a taxas de juro altíssimas, sobretudo a reis e imperadores, com garantia sobre rendas feudais ou do Estado. E ainda hoje a constituição de um banco requer um determinado capital, cujo montante elevado faz com que a iniciativa seja acessível a muito poucas pessoas e instituições.

 

Parece que a tentação de emprestar mais do que os fundos disponíveis esteve presente desde muito cedo. E hoje é um facto assente (que os depositantes não ignoram) que se houver uma corrida aos depósitos, ao mesmo tempo, banco nenhum detém os fundos necessários para reembolsar os credores.

 

Todo o sistema repousa assim na confiança - confiança de que quem deve vai pagar, não vai haver corrida ao levantamento dos depósitos e que, se houver, pelo menos uma parte do dinheirinho estará garantida - pelo Estado, pelo banco central, por fundos de garantia, pelo camandro.

 

Tudo isto é relativamente simples e, por o ser, deve rejeitar-se a ideia de que os arcanos do negócio bancário são uma coisa complicadíssima cuja regulação deve ser deixada a bancários, especialistas e políticos - porque a regulação em concreto exige conhecimentos especializados, sem dúvida, mas os interesses que se visam proteger são um assunto de toda a gente e não de uma coutada de iluminados.

 

Os banqueiros (sobretudo porque a espécie praticamente desapareceu, sendo substituída por bancários) têm dado, em toda a parte, abundantes provas de que privilegiam os lucros a curto-prazo, sobre os quais se baseiam os seus prémios de gestão, e não a viabilidade das instituições que dirigem; os especialistas concordam na divergência tanto sobre as causas dos problemas como sobre a sua solução, pelo que os estudos soi-disant científicos são na realidade teses que só convertem, em geral, os convertidos; e os políticos têm quase sempre pesadas responsabilidades na origem do mal porque o grau de intervencionismo do Estado na actividade bancária, como regulador, como tomador de financiamentos, como decisor arbitrário sobre a moeda e os investimentos, mesmo privados, que se podem fazer, falseia quase completamente, e de há muito, o funcionamento do mercado.

 

De resto, falar de mercado na actividade bancária é uma anedota triste: os bancos competiam até há pouco entre si no tráfico de influências para a conquista de negócios seguros que envolviam garantias públicas; no financiamento alucinado de actividades de futuro duvidoso, como a construção civil, à boleia da ideia peregrina de que as garantias reais sobre os empréstimos e o privilégio fiscal de que o serviço da dívida gozava bastavam para não se gerar uma bolha; na especulação financeira; e na publicidade acéfala para incentivar o consumo a crédito. Para o resto, que era a economia sustentável, ficavam as migalhas, e a competição não era dos bancos entre si, era dos clientes para o crédito escasso e proibitivo.

 

Esta loucura colectiva acabou mal, como se sabe, e estamos no rescaldo: os bancos estão falidos, a economia não cresce, os escândalos sucedem-se, o regulador emite opiniões, circulares, regulamentos e asneiras, e no país cresce o desejo de entregar a gestão desta merda ao estrangeiro, e a certeza de que quem nesta matéria esgrime argumentos nacionalistas (centros de decisão nacional e outras tretas) nem é desinteressado, nem tem credenciais, nem dinheiro, nem garante que, uma vez salvo o tal centro das garras do capital estrangeiro, não vá a correr empandeirar o bem, precisamente, ao estrangeiro - se houver mais-valias que possa embolsar.

 

Mas, curiosa história: eu compro o discurso a estes patriotas, apesar deles, porque não acho que gestores estrangeiros sejam melhores; não creio que os restos da independência, por serem débeis e cada vez menos, se devam alienar; e porque sou a favor da concorrência de estrangeiros em Portugal com portugueses - não sou a favor da concorrência de estrangeiros sem portugueses. Talvez haja alguma justiça histórica em transformarmo-nos, definitivamente, numa colónia, mas não me parece que o eleitor comum, se perguntado e de olhos abertos, votasse a favor de o país evoluir na Europa para o estatuto que S. Tomé teve antes da independência, e Ceuta tem agora.

 

Estamos num caco, do qual aliás ninguém reconhece a paternidade. Mas o resto da Europa não está propriamente a respirar saúde; tanto que o senhor Draghi, apavorado com o medo da deflacção, a economia que teima em não crescer, o desemprego que não baixa, as mulheres que não têm filhos, os milhões de imigrantes que batem à porta e querem emprego, resolveu acabar com os bancos.

 

Acabar sim. Porque se o banco, para se financiar, paga zero de juros, não precisa do depositante para nada, e este deixa de ter qualquer incentivo para poupar. E se o mesmo banco é apenas um balcão que empresta dinheiro que o BCE inventou, feito de ar e vento, toda a economia passa a ser de ar e vento, e o banco uma delegação do BCE com a missão de administrar correntes de ar. Que se espere neste contexto investimento que não seja especulativo, um Estado que se reforme e despesa pública que não seja manutenção de clientelas ou elefantes brancos, para mim, releva de loucura - uma loucura que se espera passageira.

 

Pois este louco, acolitado pelo seu empregado que "governa" o Banco de Portugal, foi agora convidado pelo presidente Marcelo para vir expor coisas ao Conselho de Estado, e aceitou.

 

Fez muito bem - um maluco, quando é expansivo, precisa de plateias. E a plateia é de estalo: temos frei Anacleto Louçã, que provavelmente achará que, se a coisa não resultar, o melhor mesmo é o BCE pagar para emprestar dinheiro, através da CGD, à economia real; Domingos Abrantes, que declarará, enquanto esfrega as mãos por baixo da mesa (estes capitalistas estão a torcer a corda com que se hão-se enforcar) que os bancos devem todos ser nacionalizados, porque assim a banca poderá prosseguir actividades nobres e produtivas, sem o pecado do lucro privado; Costa que, em chegando a sua vez, rebrilhará de satisfação enquanto expectora as suas conhecidas opiniões sobre competividade, a Conxituição, o pugresso, a reversão da austeridade e a descrispação; Soares que, se se conseguir manter acordado, lembrará que sempre disse que o dinheiro não é problema - faz-se; e Marcelo, que encerrará a reunião histórica com palavras oportunas e sentidas, realçando o afecto que o liga a Draghi, e que este decerto terá em conta moderando o impulso do BCE para diluir nos gigantones espanhóis as banquetas portuguesas e os seus problemas - os quais bancos espanhóis, recorde-se, foram saneados com mais fundos públicos do que os que a troica destinou à totalidade do último resgate português.

 

Nada disto interessa muito. É como dizem as canções: Que sera, sera.; When the Going Gets Tough, The Tough Get Going.

publicado por José Meireles Graça às 19:15
link do post | comentar
4 comentários:
De Apache a 28 de Março de 2016 às 01:20
Excelente texto.
De Tiro ao Alvo a 28 de Março de 2016 às 14:53
Bem observado, caro Meireles Graça. Julgando-o não banqueiro e não bancário, vê-se que conhece o sistema, como se estivesse por dentro.
Não o disse, mas creio que concordará que o dinheiro, hoje, não tem pátria, não tem cor e não tem cheiro. E assim sendo, parece-me um bocado bizantinice discutir qual deve ser a nacionalidade dos donos dos Bancos, que Portugal vai vender - entenda-se qual o governo de Portugal, qualquer que ele seja, vai vender. A condição essencial é que o comprador tenha dinheiro, sendo secundário a sua nacionalidade, sendo certo que, em Portugal, parece não haver capitais bastantes para uma compra desta dimensão.
(Lembremos a história do Totta, em que o Catroga não quis aceitar os espanhóis do Banesto como donos, entregando-o quase de borla ao Champalimaud, para este, pouco tempo depois, o vender, com muitíssimo lucro, aos espanhóis do Santander. A força de quem passa cheques é muito grande, como reconheceu, agora, aquele nosso ex-governante).
O que mais importa, penso eu, é que a regulação do sector seja forte e que se mantenha na mão do BdP, com este a ser administrado por gestores independentes, escolhidos entre os nossos mais competentes, nomeados, por exemplo, com os votos de dois terços dos nossos deputados, o mais possível despidos de camisolas partidárias.
Gostava que o Meireles Graça elaborasse sobre a minha sugestão. Fico aguardando.
De José Meireles Graça a 28 de Março de 2016 às 19:52
A julgar pelo que se passou no Banif, Tiro, não é de vender que estamos a falar mas de dar. E parece-me ingenuidade aceitar que a nacionalidade não conte para nós, quando conta para todos os outros. Quanto à supervisão, qualquer que seja a forma de nomeação, sou um descrente: o sistema, todo ele, está viciado de raiz, e o vício começa na UE. Hei-de elaborar sobre tudo isto, se calhar, quando as coisas estiverem mais podres. Agora não vale a pena, porque seria ventilar opiniões de um extraterrestre.
De Tiro ao Alvo a 28 de Março de 2016 às 21:43
Também considero que a "entrega" do BANIF ao Santander, nas condições conhecidas, foi um verdadeiro crime.
Mas tenho como certo que os investidores alemães ou espanhóis (ou chineses, ou brasileiros), tal como eventuais investidores portugueses, o que pretendem é obter bons resultados. Eu, o que desejo é que o façam de forma competente, correcta e leal, no total respeito das nossas leis e não em negócios ruinosos (quando não por baixo da mesa...), como aconteceu durante os últimos anos com a gestão da CGD, p.e., muito nossa, como sabe, bastando lembrar o que aconteceu no BCP e os financiamentos para operações especulativas, envolvendo os figurões que o caro Meireles bem conhece, com os prejuízos que estamos a pagar e iremos pagar durante muitos anos.
Concluo, todavia, concordando consigo, caro Meireles Graça: penso que qualquer dia temos que voltar ao tema, quando as coisas estiverem mais podres, como também me parece que vai acontecer.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter