Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2016

Renzi jogou bem

slow_it_down.gif

 

Renzi fez a jogada da sua vida.Aquela que o legitima. E sim, porque ele tinha falta de legitimidade ao nunca ter sido eleito primeiro-ministro de Itália.

Para se entender a necessidade da reforma, que versava vários aspectos, não apenas o prémio de maioria, é preciso olhar para os 60 governos italianos em 70 anos de república. 70 anos de fragmentação multipolar partidária em que a governabilidade foi sempre uma miragem.

Com o Euro, a Itália enfrenta o maior desafio económico-estatal da sua história recente. O país da inflação e desvalorização crónica deve viver em equilíbrio orçamental e reduzir a sua dívida com imprescindível saldo orçamental suficiente. Ora, o sistema partidário impede qualquer reforma num país que todas as semanas anuncia novas reformas.

Renzi é apoiado pela juventude liberal pragmática do centro. A juventude que leu "Il liberismo è di sinistra" e que acredita que a Itália precisa de se modernizar liberalizando uma sociedade desde sempre dominada pelos mais velhos, pela esquerda oriunda do velho comunismo italiano, e pela hierarquia católica mais retrógrada.

Fazer eleições agora é mais difícil do que não as fazer. O mais provável é que a nomenclatura do velho PD se organize em torno de uma figura consensual e protele ao máximo o voto. Entretanto, o PIB a crescer 1%, com estabilidade política, estagnação e crescimento zero a 15 anos, 8 bancos à beira da resolução, crise na segurança social e na organização do Estado tremendamente burocrático, irão deteriorando cada vez mais a situação até ao ponto insustentável.

Então, quando as inevitáveis eleições tornarem evidente que o futuro irá pertencer ao Movimentos 5 Estrelas e à Liga Norte (nem os qualifico) o PD entrará em agonia e, ou Renzi é escolhido, como reserva única do PD para reformar, ou Renzi funda novo partido e será mais um para o pântano.

De duas coisas podem ter a certeza: a Itália 'boa' está com Renzi e a Itália má está contra Renzi.

Pena que a lição de maturidade para Renzi tenha sido tão cara. Poderia ter lançado o referendo sem o tornar numa guerra de vai ou racha. Mas, sem quebrar, também não seriam possíveis as reformas.

Fez bem e rachou. Quanto à Itália? Está aí para se ir partindo segura e inexoravelmente. 

 

publicado por João Pereira da Silva às 17:38
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...
O jornalismo cairá, por cá, como vai caindo por lá...
O conselho que costumo oferecer aos meus correspon...
Não percebo a admiração. O jornalixo cá do burgo m...
Sim, tem razão, é a frustração de quem pagou a últ...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter