Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Restos são uma alimentação saudável

Quando era menino, aí pelos lados da Ramada Alta, no Porto, havia uma carroça que fazia o circuito dos tascos (não sei se de alguma casa também) para recolher a lavadura. A carroça despedia um cheiro inconfundível, dos bidões sem tampa cheios daqueles restos de comida que fariam, primeiro, as delícias de alguns recos a cevar e, depois, por porco nédio interposto, de amantes do cozido à portuguesa - não sei se estão a seguir o fio do raciocínio.

 

O moço que conduzia - ia dizer pilotava - a carroça puxada por uma mula esgrouviada e fogosa rejeitou o meu pedido para dar uma volta no bólide, desprezando a coragem que me tinha custado a reunir para lho fazer - um grande desgosto numa vida pontilhada deles.

 

Não circulam hoje carroças nas cidades; e o equivalente actual, que seria o tractor com um reboque, não recolhe restos de comida - isso ofenderia decerto uma meia-dúzia de directivas devidamente transpostas para o relicário do asneirol doméstico, comummente designado por Diário da República, bem como o ministro da pasta (sim, existe um ministro para o Ambiente, que Deus lhe perdoe a ele e tenha piedade de nós).

 

Mas restos de comida continua a haver e são pelos vistos um problema. Porcos também há, amantes de cozido e orelheira idem, e clientes dispostos a pagar mais para poderem usufruir de produtos com sabor de outros tempos não serão muitos mas existem e, com tempo e em podendo experimentar e comparar, seriam mais.

 

O que existe cada vez menos é liberdade: não se pode andar de carroça, nem recolher lavadura, nem criar e vender porcos sem licença, nem abatê-los à maneira tradicional, nem comer nada que não tenha um selo de garantia e um prazo de validade, estabelecidos ambos por parasitas, interesseiros e benfeitores do povo ignaro.

 

Pois doravante não poderá cada um servir-se e descobrir depois que, afinal, não tem apetite ou a coisa não lhe sabe bem: cozinhaste e trouxeste para a mesa? Tens que comer. Não porque, como dantes se dizia às crianças com fastio, há muitos meninos a morrer de fome no mundo; mas por causa do efeito de estufa.

 

É este mundo que estamos lentamente a construir: os pais educavam os filhos segundo os valores e interesses que achavam apropriados, baseados nas suas crenças, conhecimentos e experiência de adultos, e se os meninos transgredissem arriscavam açoites, hoje ilegais; agora o Estado educa-nos a todos e os interditos e respectivos açoites são cada vez em maior número - porque o cidadão é menino toda a vida. 

publicado por José Meireles Graça às 12:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter