Quarta-feira, 14 de Junho de 2017

Ronaldismos

Desde sempre que gosto de ver os jogos da Selecção Nacional. Além destes, um ou outro entre países terceiros, por ocasião do Campeonato do Mundo, sobretudo os do Brasil porque aquela gente tende a jogar bonito, e por ocasião do Campeonato da Europa, sobretudo os da Alemanha porque aquela gente tende a jogar eficiente e nunca desistir, mesmo quando as coisas correm mal.


Em casa, as arbitragens suspeitas, claramente enviesadas a favor dos grandes, a preguiça, o calculismo ou a falta de preparação física dos jogadores, para não falar da mediocridade da maior parte, levam a que não veja nada, excepto ocasionalmente o Porto, porque sim.


Debates não, por razões sanitárias; jornais desportivos nunca, por medo do que a falta de superfície do assunto, e o tráfico de influências, fazem a uma prosa destinada a fanáticos; dos dirigentes sei que é gente que no geral só se poderia convidar para jantar tendo o cuidado prévio de esconder as pratas; dos treinadores que são pessoas muito interessantes durante meia hora; e dos jogadores que não se lhes deve permitir o convívio com filhos adolescentes, não vão fascinar os moços com os seus penteados ridículos, e as moças com o seu encanto de efebos acéfalos.


O mundo do futebol adquiriu no nosso país uma importância absurda: nas programações das estações televisivas ocupa horas infinitas; gente séria dedica-lhe a profundidade das suas considerações eruditas; os jornais desportivos vendem-se muito mais do que os comuns; os poderes públicos disputam a simpatia dos amantes da bola, e atribuem aos clubes benefícios que outras colectividades não têm; e, nos dias de jogos grandes, suspendem-se as regras de estacionamento, e as da civilidade, para acomodar a mole excitada dos adeptos, que vai para os estádios procurar o consolo da diluição da individualidade na camaradagem da tribo.


O outro lado deste quadro é que o país tem internacionalmente, no mundo da bola, uma importância e sucesso que não tem em nenhum outro domínio; dezenas de milhares de miúdos praticam desporto atrás do sonho de serem craques; exportamos regularmente futebolistas e treinadores, a peso de ouro; e o turismo beneficia da notoriedade que estes deuses da contemporaneidade adquirem.


Deuses da contemporaneidade. E, neste Olimpo decadente, o Zeus incontestado é, merecidamente, Ronaldo. Não podemos por isso deixar de ter em atenção o que Zeus faz. Não tanto por ele, mas pelo exemplo que dá.


Ronaldo comprou dois Nenucos, um menino e uma menina, nos Estados Unidos. É provável que o preço impressione muita gente porque sabendo-se cada vez mais o preço de tudo, e o valor de nada, a quantia excite a inveja de algum esquerdista mais militante, e menos apreciador do craque.


Mas o preço não importa ̶ se fosse dez vezes mais Ronaldo poderia com a mesma facilidade pagar; e com dez vezes menos, como será provavelmente o caso com outras incubadoras de menor prestígio, o artigo ficará acessível a gente de poucas posses, o que será possivelmente considerado mais igualitarista e democrático.


Este contrato de compra, em Portugal, não seria para já possível. Infelizmente, não há tendência, moda, comportamento, doutrina, que não chegue às nossas costas, ainda que com algum atraso. E em se tratando de produtos da tecnologia, modernidade, e engenharia social, o atraso é cada vez menor  ̶  não se pode parar o pugresso.


Os engenheiros sociais têm entre nós uma Ordem, liderada pelo Bloco de Esquerda, que acha que o papel dos pais e o das mães é comutativo, um pai e uma mãe são perfeitamente equivalentes a dois pais ou duas mães, a ascendência biológica está exactamente no mesmo plano que a ascendência de encomenda, a família tradicional é uma obsolescência a combater; e que a normalidade não existe, nem as excepções, porque a regra é não haver excepções, ou as excepções serem a regra.


Podem, sobre esta matéria, escrever-se, e têm-se escrito, tomos. Mas um tipo que manda fazer um filho (no caso, dois, porque a Natureza não respeitou a encomenda) a preço certo, por não estar disposto a aturar mulheres nem o que elas custam se as reconhecermos como mães que engravidamos, pode ser descrito como um inconsciente, ou um pulha se quisermos ser severos. E uma mulher que aluga o seu corpo, sem estar em estado de necessidade, só não merece ser tratada como prostituta porque estas cumprem uma função socialmente útil e não prejudicam terceiros.


Vai gostar muito dos gémeos, decerto  ̶  são filhos dele e decidiu tê-los. Talvez um dia um deles lhe diga, como eu diria: deste-me tudo o que uma criança e um adolescente podem ter mas tu, não o destino, escolheste que não teria mãe. Não tinhas esse direito, e bardamerda para tudo o mais.


Pois não, não tinha. E mesmo que o prestígio de Cristiano, os ventos da modernidade e as blocas ganhem o dia da Família Nova, que é em parte o Homem Novo com outras vestes, continuará a haver quem diga: Bardamerda.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 21:26
link do post | comentar
3 comentários:
De oscar maximo a 15 de Junho de 2017 às 22:21
Se calhar o problema será doutra dimensão e nem sequer é pai biológico dos bébés. Ficava tudo explicado: estaria a proteger a sua reputação no segmento feminino e publicitário. Mas se assim fosse, o que se passou não passava de compra de bébés, neste caso na "planta", crime em muito lado.
De Terra Malloy a 16 de Junho de 2017 às 19:01
Já ouvi as palavras que escreveu saÍrem-me da boca várias vezes nos últimos anos, a respeito da descendência anterior do craque.

Só não as ouvi foi da boca de mais ninguém.

Folgo em ver que não sou o único que marcha fora de tempo.
De JSP a 18 de Junho de 2017 às 15:50
Totalmente de acordo com o seu humaníssimo texto.
Cpmts.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Quer dizer, uma incubadora de comunista malvistas ...
Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter