Sexta-feira, 28 de Outubro de 2016

Santos de pau carunchoso

Há um novo jornal digital, sobre economia, o ECO, e hoje dei-lhe uma vista de olhos. Estes jornais costumam ser uma grande abominação porque são veículos de eleição para o palavreado da tribo dos economistas, uma etnia que partilha com as outras, constituídas por pessoas normais, as mesmas simpatias e antipatias culturais, políticas e sociais, mas as embrulha em demonstrações pretensamente científicas redigidas num calão que se esforça por tornar incompreensível. Tudo sob o grande manto do ideal do crescimento: umas coisas aceleram-no, outras arrefecem-no e outras ainda, muito mazinhas, fazem-no negativo. Crescimento negativo é com efeito um dos grandes contributos doutrinários da ciência económica para a novilíngua, a gramática e a lógica revolucionárias, e não poucas vezes uma conquista das doutrinas de esquerda para o progresso dos povos.

 

Não noto grande diferença para o mix habitual: notícias das empresas, provavelmente encomendadas, repescagem de opiniões ou novidades de publicações estrangeiras, grande presença das personagens que povoam o poder do dia, e ocasionais artigos, entrevistas ou declarações de gente que, por autoridade académica, ou simples notoriedade, se alivia publicamente de seus pensamentos.

 

Ignoro se as coisas podem ser de outra maneira - talvez não - e decerto não desejo a nenhum órgão de comunicação social (nem sequer ao Avante, ao Jornal das Missões, a qualquer outra publicação confessional, ou até à Gazeta dos Escuteiros) nenhum mal.

 

Tropecei numas declarações de Artur Santos Silva e fui lendo em diagonal - o homem nunca na vida disse senão as banalidades palatáveis do tempo, hábito sem o qual não poderia ser, como é, uma rolha do regime. Mas parei no parágrafo em que declara: "Nos países do sul, devia haver 'uma alteração nas regras contabilísticas' de tal forma que 'o investimento público não fosse todo ao défice, mas sim as amortizações', defendeu. Este 'seria um grande estímulo' ao investimento, frisou".

 

Isto é uma afirmação sem ambages, não uma daquelas proclamações vagas sobre os destinos do país, da União Europeia ou do mundo, ou ainda quanto às tendências das artes plásticas na contemporaneidade ou as vantagens do empreendedorismo e do consenso.

 

Merece portanto análise e ponderação, não tanto pela suposta originalidade da ideia nem sequer por reflectir um ponto de vista que a quadrilha que nos governa subscreve (em matéria de opiniões políticas Artur sempre teve as que convêm para agradar ao Poder que está, ou ao que fareja que se lhe vai seguir) mas porque não é impossível que uma tal tese deletéria faça o seu caminho.

 

O investimento nas empresas conta para a dívida que o balanço traduz, se resultar de financiamento alheio, mas apenas numa parte (variável segundo a natureza do investimento, mas geralmente de um quinto por ano) para a conta de exploração. Isto é necessário para impedir que a empresa que investe apresente no primeiro ano do investimento prejuízos colossais, por se reconhecer que os frutos do investimento se projectam no futuro, por se admitir que o activo que o investimento proporcionou se esgota ao fim de um certo tempo, e ainda por razões fiscais (o Estado quer deixar às empresas os instrumentos para sobreviverem ao mesmo tempo que as sangra, do mesmo modo que ao servo da gleba se deixavam geralmente os meios da sua subsistência, quando não o servo, e a produção, se finariam).

 

É portanto na analogia com as empresas que se fundam estas teorias delirantes e perigosas. Sucede porém que as empresas (salvo as que vivem em monopólio ou oligopólio) não têm clientes cativos e, mesmo quando os têm, correm o risco de a evolução tecnológica, ou a inovação, ou a mudança de hábitos do consumidor, lhes estragarem o remanso. E portanto os gestores não fazem investimentos senão quando estão firmemente convencidos de que serão reprodutivos, na certeza de que, se se enganarem, serão os primeiros e maiores prejudicados.

 

Tais certezas, relativas embora, não estão presentes no decisor público, cujo perfil aliás raramente é o do empreendedor lúcido, do gestor experiente ou sequer do cidadão prudente no maneio do que lhe pertence.

 

O decisor público é um político e, não sendo impossível que tenha mérito no desempenho das funções para que o elegeram, nada garante que teria igual sucesso na gestão sequer de um minimercado; não precisa de ter receio sério das más decisões que tome em matéria de investimentos, porque as consequências só se verificarão quando já esteja noutras funções, e poderá sempre refugiar-se na alteração de circunstâncias, as quais quase sempre têm lugar; as decisões são normalmente colegiais, porque cada um dos envolvidos pode reclamar o sucesso para si, se houver, e diluir o insucesso por todos, no caso pouco provável de a opinião pública se lembrar de quem originou o desastre; e, finalmente, quem sofre as consequências não é quem decide - são aqueles em nome dos quais as decisões foram tomadas.

 

O que Artur quer, provavelmente, não é tanto que se invista. Se fosse isso, reclamaria condições favoráveis para o investimento privado florescer, que não estão presentes. O que pretende é que os sócratezinhos que estão no governo se possam endividar. Junto de quem? Da banca, ora. A mesma banca da qual é originário (e à qual suponho que ainda esteja ligado por interesses).

 

Para o circuito das conferências, workshops, cocktails, vernissages e entrevistas, Artur, um conselho: fala das colecções da Fundação Gulbenkian, que está sob tua responsabilidade. Suponho que haja por lá umas quantas monografias que, lidas com cuidado, te permitirão não dizer uma quantidade excessiva de asneiras. Ou dos Mirós da tua estimada Fundação de Serralves, sobre os quais se poderá sempre dizer qualquer coisa com agrado geral.

 

Agora, de políticas públicas - não.

publicado por José Meireles Graça às 03:27
link do post | comentar
1 comentário:
De cristof a 29 de Outubro de 2016 às 07:58
Os eleitores continuam a querer confundir política com gestão, com as consequencias, (tantos exemplos) desastrosas por esse país fora de decisões governo, central e mais visivel , local que os cidadãos pagam com lingua de palmo. Os demagogos, são escolhidos, por vezes por minorias e ficam tão inchados que desatam a decidir escudados nas maiorias nas urnas, como se percebessem do que estão a fazer. Pena que os cidadãos sejam tão ausentes e continuem presos ao corporativismo a que se habituaram.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter