Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Saúde fiscal

Parece que o Governo se prepara para subsidiar o contrabando de tabaco e do álcool, a curto prazo. O reforço dos meios policiais para combater o contrabando do tabaco e do álcool virá a seu tempo, quando se constatar que aqueles subsídios fizeram aumentar a produção, uma grande surpresa.

 

Fiéis à sua tradicional eficácia, as polícias apreenderão decerto quantidades record de maços de tabaco e garrafas de whisky; e a ASAE fará títulos na imprensa, e estrondo nas televisões, com pequenos restauradores apanhados em flagrante a venderem, os patifes, vinho sem rótulo por baixo do balcão.

 

A estes subsídios chamar-se-ão não impostos, credo!, mas taxas. Taxas porque, na cândida explicação do jornalista ou da ministra (não se percebe), as verbas irão directas para o Ministério da Saúde, aliviando assim os encargos do Orçamento do Estado.

 

Temos portanto uma nova taxa moderadora, incidente sobre as doenças que as pessoas virão a ter. A prova de que é esse o verdadeiro, e revolucionário, espírito da legislação, é que os alimentos com "excesso" de açúcar e sal, notoriamente deletérios para a saúde, irão também ser taxados.

 

Não vejo com bons olhos, em nome do senso, das barriga-de-freira e das anchovas de conserva, estes delírios. E não percebo como se preveem aumentos de receita derivados da taxação de comportamentos e hábitos que se querem reprimir. Das duas uma: ou o Estado acha que deve velar paternalmente pela saúde dos seus cidadãos, e deveria prever uma diminuição da receita, por acreditar que o aumento do preço provoca uma desejável desaceleração do consumo; ou, se prevê um aumento, o que quer fazer é aplicar uma multa a quem tem comportamentos que a tradição, os hábitos, os vícios, a cultura, não condenam, mas condenam uns iluminados que circunstancialmente detêm poder público.

 

Talvez os anti-tabagistas furiosos percebam agora o que logo ao princípio deveriam ter entendido: quando se abre a porta a que os poderes públicos entrem nas nossas vidas para nos regularem comportamentos que só a nós afectam, não se pode nunca calcular onde estão os limites. Porque amanhã, com os mesmos fundamentos, poder-se-ão taxar aqueles cidadãos que, no fim do dia de trabalho, não fazem exercício; os que, sendo gordos, se recusam a fazer dietas; e os que têm um amor imoderado por fumados, escabeches excessivamente avinagrados ou ossinhos de Assuã - não há limites para a imaginação de gente virtuosa.

 

Por mim, sensível que sou à necessidade de equilíbrio das contas públicas, ousaria sugerir um imposto extraordinário sobre a estupidez: o universo de contribuintes tem dimensão considerável, ainda que a receita previsível seja negativamente afectada pela circunstância de os governantes serem mal pagos.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 01:11
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter