Terça-feira, 8 de Abril de 2014

Quando o amigo de gente falava

Estas contas, é claro, pecam por sumárias, além de incorrectas: falta falar, pelo menos, no subsídio de alimentação, no seguro contra acidentes de trabalho e no efeito dominó que o aumento do salário mínimo tem entre os salários que já estão acima; e 2.394,00€ a dividir por 231 (dias efectivos de trabalho, por ano, em média - 21x11) não dão 6,5€/dia mas sim 10,36€.

 

Mas este não é o ponto. O ponto é que há um microempresário que diz que, com o novo salário, terá que fechar as portas. Isto pode, no caso, ser verdade ou não. Mas, se não for neste caso, é-o em muitos outros, olá se é, e nem todos micro. E sobre quantos são, e quem são, ninguém sabe nada.

 

Nem precisa, pelos vistos. Qualquer empresário dos que o empreendedor Saraiva diz que representa dirá com gravidade e orgulho, se inquirido na matéria: na minha empresa não tenho colaboradores a ganhar o salário mínimo - todos estão acima disso, em muitos casos substancialmente acima. Do senhor Presidente da República para baixo todos os políticos, responsáveis disto e daquilo, economistas, professores, isto é, quem esteja direta ou indirectamente sentado à mesa do Orçamento ou do das empresas majestáticas protegidas da concorrência pela Lei, os usos, os reguladores e a agenda telefónica, dirá, inclinando a cabeça, o ar subitamente sério e profundo: Portugal não pode apostar no modelo dos salários baixos.

 

Isto dizem eles. E mesmo que alguns saibam que não existem modelos de salários altos, o que existe são economias fortes que os permitem, mas que não são automaticamente induzidas por aqueles; e mesmo que a generosa iniciativa do legislador, dispondo sobre o que não lhe pertence, vá criar fatalmente umas quantas falências e impedir uns quantos jovens de encontrarem o seu primeiro emprego (quantos? – ninguém sabe nem quer saber): sempre o abençoado novo salário mínimo, irrefragável conquista da Esquerda, verá a luz do dia, para evitar esse trunfo nas mãos dela na campanha eleitoral.

 

"Uma empresa que não pode gastar mais 13€/dia com os seus trabalhadores, não é uma empresa, é, perdoem-me a expressão, um saco de merda que lastra a economia e o país," diz com indignação o comunista. Salvo melhor opinião, o que lastra o país são os que recebem subsídio de desemprego ou nem isso - que a empresa que paga mal não custa ao erário público nada, antes para ele contribui; e os que, existindo tanta empresa mal gerida, não lhe aproveitam a falência para, comprando-a ao preço da uva mijona, a gerirem bem, como podia fazer tanto gestor desaproveitado e tanto sindicalista a fazer carreira na propaganda e na berrata.

publicado por José Meireles Graça às 21:54
link do post | comentar
Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

Sempre nos vamos entretendo

No 5Dias os revolucionários desataram à batatada. O caso é da maior gravidade: parece que uns acham que Cunhal sempre defendeu a linha justa, para não falar da sua excepcional envergadura de romancista, ensaísta, doutrinário, pintor, intelectual e crítico de cinema; e outros que não era infalível e, em momentos chave, travou os naturais impulsos revolucionários das massas.

 

Estou certo que, se Cunhal tivesse conseguido fazer o golpe de mão ao país, encostaria sem hesitar os iconoclastas ao paredón, que as revoluções costumam devorar os filhos e, se forem comunistas, até mesmo os netos.

 

E só isto já nos dá um certo conforto: Raquel Varela e Renato Teixeira davam dois fuzilados de primeira categoria, mas com eles vivos sempre nos vamos entretendo.

 

Eu realmente não posso ajudar a esclarecer a matéria: nem conheço bem os evangelhos da seita, nem a história do partido, nem tenho sobre a importância de Cunhal e do PCP, antes e depois do 25 de Abril, a mesma opinião que têm os 16%  - e Pacheco Pereira - que uma sondagem recente deu como potenciais votantes naquela prestigiada agremiação. O PCP tinha, no tempo da Velha Senhora, a importância que tem o herpes labial - era incomodativo, não tinha cura, mas não era letal; e, depois do 25 de Novembro e até hoje, tem, no Parlamento, nos meios de comunicação social e sobretudo no sindicalismo e na universidade, uma importância que excede em muito a cotação eleitoral - mas continua a não ser letal.

 

Faço porém votos, desta tribuna fássista, pá, para que reine a paz, ainda que armada, no seio dos 1224 autores que o 5Dias alberga nas suas coudelarias: estas coisas acontecem nas melhores famílias e há que saber engolir as ofensas, calar os ressentimentos, pôr em surdina as divergências. Não viram o que fizeram agora os primos Espírito Santo? Pois é - esses capitalistas é que deveriam vender a corda com que haveriam de ser enforcados, mas não: são os comunistas que se suicidam.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 15:15
link do post | comentar
Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013

Comunistas em seu labirinto

Fui ler o maldito Relatório (em diagonal e a cem à hora, que são 62 páginas densas e cheias de gráficos e eu é mais leituras amenas) e juro que não vi lá 870 milionários portugueses que, no conjunto, têm 75 mil milhões de euros.

 

Claro que esta riqueza, a existir, não é líquida, corresponde a activos dos quais a maior parte emigraria para outras paragens ou veria o seu valor despencar pela escada abaixo se fosse confiscada.

 

Depois, o confisco dos muito ricos não acabava com os ricos - o 871º passava a 1º, o 872º a 2º e assim por diante, até não haver ninguém que detivesse meios de produção que lhe permitisse apropriar-se das mais-valias geradas pelos trabalhadores, pé-ré-pé-pé.

 

Sem crédito externo, porque o confisco não é bem visto por quem vive de emprestar, os bancos tinham que ser nacionalizados, as empresas paralisavam por falta de matérias-primas, passaria a haver racionamento, controle de divisas, prisão dos transgressores económicos e manifestantes contra-revolucionários, fuga de capitais e pessoas, planeamento central da economia, e tudo o mais que caracterizou o regime defunto cuja Revolução seminal se assinalou ontem. E tudo isso aconteceria necessariamente - um regime comunista só pode nascer e manter-se na violência, cortando permanentemente as cabeças à hidra da Reacção.

 

Eles, os comunistas, são por vezes cultos, lidos, parlamentares brilhantes, dão aulas nas universidades, aparecem todos os dias a dizer coisas na televisão, alguns são historiadores e economistas, que Deus lhes perdoe.

 

Mas não aprenderam nada, não esqueceram nada, e ao mais que podem aspirar é cavalgar o descontentamento. E em vez dos amanhãs que cantam têm para oferecer o passado grávido de crimes, enterrado no lixo da História.

 

Que este programa cative algures entre dez e quinze de cada cem portugueses é uma medida segura da nossa miséria, atraso - e ignorância.

 

publicado por José Meireles Graça às 12:13
link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 29 de Setembro de 2013

Contabilidade

A propósito deste curtinho post:

 

 

Contabilidade a partir desta página da wikipedia:

 

"A introdução, a cargo do editor Stéphane Courtois, declara que "…os regimes comunistas tornaram o crime em massa uma forma de governo". Usando estimativas não oficiais, apresenta um total de mortes que chega aos 94 milhões. A estatística do número de mortes dado por Courtois é a seguinte:

"Papão"? Não. Um simples terror absoluto do qual devemos ter muito medo e devemos evitar jamais repetir.

 

publicado por João Pereira da Silva às 17:23
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 5 de Agosto de 2013

Os Fângios de direita

"Mas também podia ser a descrição do último passatempo da direita portuguesa. Há dois anos, em Faro, Assunção Esteves não consegue travar a tempo e embate num veículo que estava parado em frente a uma passadeira. O impacto do automóvel da presidente da Assembleia da República foi tão violento que o carro da frente atropelou uma idosa que atravessava a rua. No ano seguinte, o presidente da Câmara Municipal de Tomar, António Paiva, também do PSD, atropelou uma criança que circulava com a sua bicicleta. Violando o limite de velocidade de 50 km/h, o veículo do autarca só conseguiu travar a 20 metros do acidente e a vítima foi projectada caindo a 17 metros de distância. Acabou por morrer. Já o candidato do PSD à Câmara Municipal de Lagoa, nos Açores, Gaspar Costa levava 1,65 gramas de álcool por litro de sangue e espetou-se contra uma árvore. Morreu um jovem de 19 anos e outra jovem ficou em estado grave."

 

E não lhes acontece nada porquê? Ora, é bom de ver: Polícia, Ministério Público, Tribunais, é tudo  a mesma corja - em se tratando de passatempos da direita portuguesa fecham os olhos.

 

E não é só em Portugal. Em Espanha a coisa não é muito diferente: um dirigente do PP tinha 45 multas acumuladas desde 2011 e nada. Mas foi a Cuba, teve um acidente que provocou uma vítima mortal e "Ángel Carromero ficou sem carta e foi condenado a quatro anos de prisão". Cuba é um estado de direito, os poderosos, lá, não têm como passatempo pôr em risco a vida dos seus concidadãos.

 

Mas, espera: Para da comparação se poder tirar uma conclusão edificante, o dirigente preso não deveria ser governante local?

 

Porque, assim, almas mal-intencionadas - fascistas, vá lá - poderão julgar que o acidente pode ter tido alguma coisa a ver com a lástima das estradas e a decrepitude do parque automóvel cubano. 

publicado por José Meireles Graça às 21:50
link do post | comentar
Sábado, 3 de Agosto de 2013

A multiplicação dos pães

Sei de fonte limpa que a CDU vai ter direito, por sessão legislativa, a três moções de censura; a interpelar o Governo em triplicado; a dizer a mesma coisa de três maneiras diferentes; a reforçar a presença na comunicação social da voz da classe operária, do campesinato, dos intelectuais e das camadas mais esclarecidas da população.

 

Adivinha-se portanto a derrota iminente das forças da reacção. Qual silly season o quê?

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 14:54
link do post | comentar
Segunda-feira, 6 de Agosto de 2012

Gémeos dizigóticos da Constituição

Não ouvi a musiqueta até ao fim: ele é pides, e reaças, e não sei quê, mas de música nicles - não há paciência.

 

Também, só fui movido pela inveja. Quando li que manifestações já iam em 15 (aqui a última), e eu calado, logo vi que tinha que me pôr em bicos de pés. Comunistas a taxarem outros de reaccionários e para mim nada? Não pode ser.

 

Apanho o comboio em má altura, porque logo vejo a lista das malfeitorias do Grande Satã Americano, e para as desmontar precisava de escrever uma nova Bíblia, tarefa blasfema e de toda a maneira fora do meu alcance.

 

Do lado a que pertenço, e que é, na linguagem da seita, a democracia burguesa, já foi dito muito, não adianta abundar. Daria assim para o peditório nada se não tivesse tropeçado nesta frase do meu estimado adversário (ia dizer inimigo, mas ele abespinha-se e eu, que o aprecio, não quero dar o flanco): "A pertença a essa fascinante escola de futuros quadros do actual regime que é a Juventude do CDS já me chegava para mais uma vez esclarecer que se BE e PCP são classificados como de extrema-esquerda por um mínimo de decência geométrica o CDS será de extrema-direita, e desta não saio nem dela ninguém me tira (enfim, se vierem armados não terei outro remédio)."

 

Sucede que o PCP, se pudesse, acabava com o arranjo de coisas que faz com que o CDS desde 1975 concorra às eleições e, ocasionalmente, chegue ao Poder. E o CDS, mesmo que pudesse, não faria nada para acabar com o estado de coisas que faz com que, desde 1975, o PCP tenha a representação que o voto lhe dá.

 

Não elaboro, não argumento, não enumero factos, ofereço a afirmação como uma evidência. E quem a aceite pelo seu óbvio valor facial não pode vir dizer que o CDS é geometricamente de extrema-direita, porque que à esquerda dos comunistas não há nada; e à direita do CDS há a direita anti-democrática.

Que me desculpe o ebuliente JJC por vir armado - de lógica.

publicado por José Meireles Graça às 22:53
link do post | comentar
Quinta-feira, 12 de Julho de 2012

O coro dos intelectuais

Começa assim: "Neste espetáculo, quisemos enfatizar o potencial da vontade." A gente fica à espera do resto, realmente na música acontece com frequência enfatizar-se o potencial, tanto em Quim Barreiros como em Tchaikovsky. E continua:


"Este espetáculo é, acima de tudo, o resultado da relação entre a parte e o todo." Mau - se a parte for detestável e o todo horrível, a declaração é pouco tranquilizadora. Bom, mais um bocadinho não custa:


"Não entendemos, no entanto, conceitos como arte ou política na perspetiva da especialização que tende para a noção da intelectualidade enquanto um desafio posto às elites, e cuja racionalidade tentam impor à sociedade." Confesso: não entendo o que não entendem; aliás, não entendo nada.


No resto, fala-se de "motor propulsivo do pensamento político", nas "potenciais formas que poderemos construir para a organização coletiva do quotidiano", no "edificar a sua vida individualmente" e na "relação dialética entre o indivíduo e a sociedade."


Não, não vou ver o espetáculo, hei-de conseguir aguentar-me no devir. Nas palavras dos promotores: "Este espetáculo não segue, por isso, a dialética hegeliana na sua aspiração à síntese, pretende apenas deixar um contributo que possibilite manter em devir a discussão.”

Tags: ,
publicado por José Meireles Graça às 22:04
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter