Domingo, 13 de Setembro de 2015

Falar mal, pensar pior

 

Sucata-01.jpg

 

"O resto ficaria por conta do próprio Dr. Costa, que louva imenso a "lusofonia" e fala um português assaz carenciado", escreve Alberto Gonçalves no DN de hoje.

 

Não destaco esta frase por achar que ela é um bom piparote na geringonça política do dr. Costa: as deficiências linguísticas são uma superfície que não precisa de ser arranhada para deixar à vista a educação rápida, mal coada, suja de impurezas, que descansa no erro primário sem correcção e devia assustar-nos para uma longa cadeia de riscos. O dr. Costa recusa a imundície da "contabilidade", e sobe a discussão para a "cultura" com apetrechos de sucateiro.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 17:21
link do post | comentar
Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

Por mim, tenho a tarde inteira

 

Millennium-01-Crop.jpg

 

Ao telefone com o banco:

 

- Srª arquitecta Margarida Penedo, nós temos a indicação de que a senhora nasceu no dia 6 do 2; importa-se de me confirmar o ano?

- Não me importo.

- …

- …

- Confirme então se faz favor o ano do seu nascimento.

- Muito bem, faça o favor de dizer.

- Eu preciso que a senhora confirme o ano do seu nascimento.

- Com certeza.

- ...

- ...

- Estou sim?

- Diga, diga. Estou a ouvi-lo.

- Portanto, srª arquitecta Margarida Penedo, pode por favor confirmar-nos o ano do seu nascimento?

- Só para nos entendermos: o senhor quer que eu lhe CONFIRME ou o senhor quer que eu lhe DIGA o ano do meu nascimento?

- Precisamos que a senhora confirme o ano do seu nascimento.

- Muito bem. Pode dizer.

- O ano do seu nascimento, srª arquitecta...?

- Sim?

- A senhora confirma, por favor?

- Vamos recapitular, sr. Tiago Lopes. Eu não me importo nada de lhe DIZER o ano do meu nascimento, se for isso que o senhor quer; mas se o senhor quer que eu CONFIRME, vai ter de me dizer primeiro qual é, e eu depois confirmo ou não. É isso que significa CONFIRMAR.

- Srª arquitecta Margarida Penedo, a empresa tem 2 procedimentos de segurança: um é perguntar aos clientes se autorizam a gravação da chamada...

- ... sim, sim. Já autorizei.

- ... o outro é pedir a confirmação de alguns dados pessoais.

- Muito bem.

- Pode confirmar-nos o ano do seu nascimento?

- Posso sim.

- O ano do seu nascimento?

- Com certeza. Quer que eu lhe diga?

- São os procedimentos de segurança da empresa, srª arquitecta. Só lhe peço que confirme o ano do seu nascimento.

- Perfeitamente, sr. Tiago Lopes. Mas para eu confirmar, o senhor vai ter de me o dizer primeiro. É assim que funciona. O senhor diz, e eu depois confirmo.

- Eu tenho aqui a ficha de cliente, e portanto eu tenho o ano do nascimento da srª arquitecta. Só preciso que a senhora confirme.

- Demore o tempo que for preciso, sr. Tiago Lopes. Por mim tenho a tarde inteira.

- …

- …

- Importa-se de me dizer, srª arquitecta Margarida Penedo, quais são os dois últimos algarismos da sua data de nascimento?

- Nasci no dia 6 de Fevereiro de 1966.

 

A seguir foi rápido. Queriam vender-me um “produto financeiro” e eu informei que não queria comprar.

 

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:02
link do post | comentar | ver comentários (10)
Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

Uma espécie de disciplinas

 

 

O Miguel Noronha estava atento, graças a Deus. Que eu não tinha dado por nada. Mas tenho sobre este assunto uma perspectiva diferente.

 

Os "milhares de regulamentos, taxas, autorizações e licenciamentos" servem, em primeiro lugar, para criar e manter empregos na administração pública. Em segundo lugar, servem para favorecer alguns negócios - certificados energéticos, sistemas de ventilação, aparelhos de ar condicionado, turbinas eólicas, literatura de cordel, etc. - em detrimento de outros e, de preferência, sem passar pela humilhação da livre concorrência. Os obstáculos que levantam, e os recursos que retiram às empresas, são o seu resultado mais directo.

 

Acredito noutro plano educativo. Seguindo as recomendações do dr. Pires de Lima, a filosofia e a habilidade política do dr. Nuno Crato, e o superior interesse pela excelência das nossas escolas, o ensino em Portugal não devia dispersar-se em matérias claramente fúteis (como a Matemática, o Português, a História, a Geografia, a Física, a Biologia, ou o Inglês). Tudo o que as nossas crianças precisam de estudar é Meio Ambiente, Expressão Artística, Cidadania, e (sem dúvida nenhuma) Empreendedorismo.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:32
link do post | comentar
Quarta-feira, 2 de Outubro de 2013

All lose games

Por razões profissionais abri um processo de recrutamento para professores.

Tem sido como fazer pelo menos duas novas cadeiras neste infindável curso da Escola da Vida, a saber: "Mitos quebrados, mitos reforçados - ou como as generalizações são estúpidas" e "Teoria de Jogos revisitada: all-lose-games" (suspeito que, em ambos os casos, deva aplicar um "I" no final da designação...).

Atender-me-ei apenas à segunda porque sendo as generalizações estúpidas, o comentário sobre casos individuais é indiscrição.

 

O que tem sido então a matéria em "Teoria de Jogos revisitada: all-lose-games"? Tem sobretudo versado sobre a "contratação de escola" que é a possibilidade que as escolas têm de, segundo regras estabelecidas pela DGAE, contratar professores para completar horários ainda por preencher.

 

Então o que acontece?

Existe uma lista de professores de cada grupo disciplinar, seriedada por critérios complexos - baseados sobretudo em antiguidade - a que todas as escolas recorrem para recrutar professores. Podem chamar 5 de cada vez. Telefonam ao primeiro, chamam-no para entrevista - sendo que a escola pode ser em Lisboa e o candidato da Guarda - a entrevista acontece e o "colega" tem 48horas para decidir se quer ou não aceitar o horário. Durante esse tempo a escola espera. E por escola, entendam-se os alunos.

 

Se o "colega" aceita, então tem que apresentar-se na escola no dia a seguir. Se não aceita - porque teve uma proposta de outra escola mais próxima de casa, por exemplo - no final das 48 horas referidas, então a escola telefona ao segundo da lista e recomeça o processo. Isto repete-se até que a escola encontre alguém, algures na lista, que aceite aquele horário naquele local.

 

Ouve-se, numa sala da Escola da Vida, uma voz de genuína dúvida: "Então mas não seria possível abrir um recrutamento, aceitar CV, selecionar de acordo com as preferências da escola e começar em 5 dias no máximo, antes ainda do começo das aulas?"...Parece que não, por causa da seriação e das regras. Porque seria uma potencial  injustiça para os "colegas". "E os alunos sem aulas?", repete a mesma voz, mas já sem resposta...

 

Vejamos então, em jeito de síntese da matéria dada: estamos em outubro. Os alunos não têm professores e aguardam em ciclos de 48horas. As escolas não têm professores e têm a carga administrativa de uma empresa de seleção de RH sem ter o grau de liberdade da escolha - ah pois, a seriação tem destas coisas. Os professores da lista não sabem se vão ser chamados, de onde vão ser chamados e o que vão estar a fazer  e onde vão estar a viver no final do mês.

 

Pergunta-se: quem ganha neste jogo? Aprendi na cadeira acima mencionada que a resposta é "ninguém", todos perdem. Bem que a Ciência poderia revisitar a Teoria deste Jogo...

publicado por Ana Rita Bessa às 15:03
link do post | comentar
Domingo, 22 de Setembro de 2013

Matérias fundamentais

 

 

Foi tímido, a meu ver, Nuno Crato (e um pouco cobardolas, aqui para nós) ao decretar que as escolas deixam de ser obrigadas a oferecer a disciplina de Inglês aos alunos do 1º ciclo. Senão vejamos: porquê só o Inglês? Até parece que temos dinheiro para esbanjar em Matemática, Português, História, Geografia, Física, Biologia, e toda essa cangalhada de disciplinas supérfluas que deveriam ser obviamente facultativas.

 

Diz o ministro que é uma questão de "liberdade", e que não estima o conceito de "obrigatório", pelo que deixa a decisão ao critério de cada estabelecimento de "ensino". Mais de 90% dos pais não concorda, por motivos que o cérebro ladino de Crato rapidamente interpretou: para esta gente, quanto mais disciplinas houver mais horas ficam as crianças retidas na escola. O tempo (não é assim?) é um bem precioso que preferem gastar em ocupações mais dinâmicas e socialmente mais fecundas, como passear no Colombo ou arrastar-se nos cafés a criticar o Governo, em vez de aturar os filhos. E o Inglês, como todos sabem, é uma língua indispensável para entender e dominar os menus da Playstation.

 

Agiu portanto o ministro de acordo com o seu superior entendimento dos atavismos pátrios. Pessoalmente, incomoda-me a falta de alcance educativo, de higiene financeira, e de vontade política. Porque (sejamos sérios) vamos analisar a coisa com a profundidade que merece: que espécie de teimosia insiste em manter as outras disciplinas nos currículos do "ensino" básico? Servem exactamente para quê, se excluirmos a proverbial inclinação portuguesa para fingir que se ensina, e a bonomia com que os contribuintes estão sempre ávidos de se endividar para pagar salários a uma praga de funcionários públicos?

 

Não bastava a Crato ter cedido aos mimados dos professores; agora dobra-se todo perante os irresponsáveis dos encarregados de educação. A continuar assim, um dia acordamos sem verba para "oferecer" Estudos do Meio, Expressão Artística, e Cidadania. Aos filhos dos portugueses ninguém ensinará a "amar o planeta", a "respeitar" o ambiente, a separar os lixos, conceber espectáculos multi-média, ou formar "associações", "plataformas" e "movimentos" de "cidadania" - que são as matérias verdadeiramente fundamentais.

 

Enquanto dependermos de políticos frouxos, as políticas servirão os interesses dos inúteis e os critérios serão sempre despesistas. Alguma coisa teremos de mudar se queremos que a qualidade das nossas escolas atinja níveis exemplares. E se, nas tabelas da ONU para o capítulo educativo, queremos mesmo garantir que Portugal nunca mais passa a vergonha de sair dos 10 últimos lugares. Abaixo da Somália.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 15:17
link do post | comentar
Quarta-feira, 24 de Julho de 2013

Catching up.

É uma rotina esta de ler as noticías pela manhã. Online, que os tempos são outros e, quase em tempo real - porque é essa agora o nosso horizonte de expectativa -, sabemos o que se vai passando por esse mundo e também neste canto à beira mar plantado.


Nesta incursão matinal, encontrei em vários jornais a seguinte notícia, que aqui ilustro retirando o título do Público: "Média de todos os exames nacionais do secundário subiu para 10,4 valores". 

 

O tema dos exames nacionais é daqueles que acompanho por força da profissão e da vocação e, por isso, estranhei esta melhoria. Fui ler. Descubro então que se trata de um relatório de avaliação do desempenho em exames nacionais, divulgado ontem pelo GAVE, mas que se reporta ao ano letivo de 2011/2012.

 

Ah, bom. Muito a tempo, portanto.

Passou um ano sobre a realização da maioria destes exames e toda a aprendizagem que se poderia fazer sobre o que os resultados revelam vem agora, diria eu, um pouco tarde para incorporação nos exames (já finalizados) deste ano letivo. Vem também atrasada, para efeitos de melhoria nas práticas letivas - e o relatório está cheio de sugestões, assumo que boas e fundadas.

 

São muitos dados, muitas análises e poucos recursos - dir-me-ão. Contraponho com: são muitos alunos, muita tecnologia disponivel e muita urgência em fazer melhor. E mais depressa.

 

 

publicado por Ana Rita Bessa às 10:48
link do post | comentar
Domingo, 16 de Junho de 2013

Presidentes de calções

 

 

Uma das reformas mais saudáveis e urgentes que podiam fazer-se em Portugal era a extinção de todas as juventudes partidárias, sem excepção. A tendência não é essa.

 

Pelo contrário, "os jovens" são referidos com desvelo. Como se em comum tivessem mais do que a inclinação histórica, biológica, e proverbial para "pensarem" asneiras definitivas. E dizerem-nas, com um arzinho tão néscio quanto triunfante. Paralelamente, ninguém ensina "os jovens" a duvidar, a discutir, a argumentar, a formar opiniões próprias, e a avaliar da pertinência do que lhes enfiam gelatinosamente no cérebro.

 

Vi miúdos com 10 anos ensaiados para recitar odes ao Império. Certinhos, engraçados, com os olhos piscos e a precisão de um realejo. Ouvi os aplausos no final do espectáculo. E o orgulho da plateia de pais, que não percebeu uma única palavra nem deu conta que os seus filhos também não. Vejo as notas luminosas desses miúdos em impressos fechados (suponho que o Quadro de Honra tenha sido abolido por motivos de "exclusão social").

 

Os "bons alunos" progridem neste modelo arrepiante, programados para "aprender" o que não têm idade para perceber. Espíritos subidos do Ministério da Educação decidem quem são os "grandes nomes da língua portuguesa", e à força de martelar as crianças com textos impenetráveis esperam desenvolver nelas o "gosto pela leitura". Nos dias de festa dá-se-lhes à manivela e as escolas sobem no ranking.

 

O Plano Nacional de Leitura existe para pôr ordem nas letras. Assente nos "valores fundamentais" da "liberdade", da "lusofonia", e da "portugalidade", estabelece uma lista de obras "literárias", ocupado em aprovar oficialmente os "grandes nomes" cuja "irreverência" seria censurada nos tempos da Ditadura, quando as leituras dos portugueses eram vigiadas. Isso agora acabou, porque os seus "responsáveis" discutem previamente (e em total liberdade, note-se) quais são os livros "adequados" à "formação" das crianças, o que deve ou não ser "incentivado", quais são as obras "de referência", e como é que os "educadores" devem "ajudar" os jovens a "desenvolver" o gosto pela leitura, fornecendo-lhes a indispensável "orientação".

 

Desconfio que deixar as crianças ler o que quiserem, alternando lixo com uma ou outra coisa bem escrita; permitir-lhes que escolham textos sobre os assuntos que lhes interessam; esperar que elas percebam sozinhas quem escreve melhor e quem lhes dá mais prazer - seria visto como uma leviandade sem nome. No limite, seria forçar os "educadores" portugueses a enfrentar o risco de que ninguém lesse as pasteladas acéfalas que eles próprios escrevem.

 

Por isso, no entender (ou interesse?) dos "responsáveis", e em matéria de pensamento, a liberdade é "fundamental" desde que devidamente "orientada". Compreende-se. De outra maneira, o seu papel passaria de deletério a nulo. E teriam de pegar neles e arranjar uma profissão.

 

Destes "estabelecimentos de ensino", os mais inclinados ao "pensamento" seguem para as juventudes partidárias onde se demoram a aprimorar a sua "formação" (os mais frágeis saem determinados a nunca mais pegar num único livro). Daí, com algum jeito para a intriga, para a bajulação, e para o domínio das banalidades orais, chegam à esfera pública e cometem entrevistas. As "questões fracturantes" são estridentes, mas não passam da superfície do sólido onde as suas "opiniões" grotescas se tornam mais visíveis. E o carácter (caso venham a lembrar-se dele) está irremediavelmente perdido no passado, diluído no peso das "responsabilidades" e no empenho de algum "orientador".

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 19:34
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Os professores não vão à escola...pública.

Na sequência do que escrevi aqui, fiquei inquieta com uma nova reflexão que de seguida enunciarei.

 
Surgiu da circunstância de estar em casa a ver as notícias - em particular aquela em que a FNE anunciava que "vai aderir à greve de professores às avaliações e no primeiro dia de exames nacionais do ensino secundário" - no mesmo momento em que uma das minhas filhas, que está no 6.º ano e vai fazer exames nacionais, me entregava uma carta do colégio onde estuda, a dar nota das aulas de preparação para esses mesmos exames, precisamente nos dias de greve.

 

Vamos então por partes:

  1. Sou consciente da dureza das opções que estão a ser colocadas aos professores e às escolas. Concordo com algumas das medidas, de outras dúvido da eficácia, mas, de fundo, percebo que num cenário de redução do peso do Estado este setor não poderia - nem seria justo - que ficasse incólume. 
  2. Aceito - nem poderia ser de outra forma - que se utilizem meios legítimos como a greve, para fazer valer posições, embora prefira a mesa de negociações para o mesmo fim;
  3. Escolher como datas para o exercício desse meio legítimo justamente aquelas que põem em causa o trabalho de um ano parece-me estranho. Mais ainda quando os principais visados não são os próprios, mas os alunos que estes acompanharam durante um ano ou um ciclo, os seus alunos, os seus educandos, a sua razão de ser na missão como professores.


E eis que chego então à reflexão de ontem à noite: os alunos das escolas privadas estão salvaguardados. Só os alunos da escola pública - estatal, para ser rigorosa - serão potencialmente afetados. 
 

Gritante desigualdade. Será esta greve anti-constitucional?...

publicado por Ana Rita Bessa às 09:48
link do post | comentar | ver comentários (3)
Sexta-feira, 17 de Maio de 2013

Os professores não vão à escola

Está marcada uma greve de professores para o primeiro dia de exames nacionais de 12.º ano. Calha a ser o dia do exame de Português - só um dos exames que movimenta mais alunos.

 

Segundo o Público: "Os professores não têm nada a perder", declarou Mário Nogueira, presidente da Federação Nacional de Porfessores (FENPROF), no final do encontro que reuniu os representantes dos principais sindicatos nacionais de professores."


Faz sentido. Aliás a escola existe para haver emprego para professores. Os alunos são uma coisa acessória. Parece.


publicado por Ana Rita Bessa às 10:22
link do post | comentar
Terça-feira, 23 de Abril de 2013

Pseudo-palavras-por-minuto

Este post é escrito pela mãe de L.

A L é uma menina de 7 anos feliz e bem disposta, que estuda no 2.º ano de um colégio em Lisboa. É uma aluna regular, esforçada e que gosta de aprender.

Hoje foi dia de reunião de pais.

A professora - de quem muito gostamos por que sim, e também porque consegue um ótimo equlibrio entre exigência e suavidade, criatividade e disciplina - apresentou as metas curriculares para Lingua Portuguesa de 2.º ano. Que dizem assim (meus sublinhados):

 

"Ler em voz alta palavras, pseudo-palavras e textos:
1. Ler pelo menos 50 de uma lista de 60 pseudo-palavras monossilábicas, dissilábicas e trissilábicas (4 sessões de 15 palavras cada).
2. Ler corretamente, por minuto, no mínimo, 35 pseudo-palavras derivadas de palavras.
3. Ler quase todas as palavras monossilábicas, dissilábicas e trissilábicas regulares encontradas nos textos lidos na escola e pelo menos 12 de 15 palavras irregulares escolhidas pelo professor.
4. Decodificar palavras com fluência crescente: bom domínio na leitura das palavras dissilábicas de 4 a 6 letras e mais lentamente na das trissilábicas de 7 ou mais letras.
5. Ler corretamente, por minuto, no mínimo 65 palavras de uma lista de palavras de um texto apresentadas quase aleatoriamente.
6. Ler um texto com articulação e entoação razoavelmente corretas e uma velocidade de leitura de, no mínimo, 90 palavras por minuto."

 

Este post é escrito pela mãe da L. 

A L é uma menina de 7 anos que devia estar a aprender o gozo de aprender. Em quem devia estar a ser estimulado o interesse pelas palavras, pelo que elas permitem falar de nós, dos outros e do mundo. Que são muitas. Que se escrevem de uma determinada maneira. E, claro, que captar tudo isto, torná-lo seu, implica esforço e trabalho.

A professora - de quem muitos gostamos - não devia ter que usar um cronómetro como instrumento de medição do que L, de 7 anos, já aprendeu.

 

Hoje foi dia de reunião de pais. Aprendi que o mundo é um lugar estranho. E embora consiga dizer isto em breves segundos, o "eco" destas palavras perdura por muito mais do que o tal minuto.

publicado por Ana Rita Bessa às 22:51
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Muito bem.
O que me espantou foi o elevado número de político...
As conclusões são simples, se houver honestidade, ...
Belo post; são muitos anos a virar frangos ?
Senhoras donas Carina Quintas DA Costa e Ana Rosa ...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter