Domingo, 17 de Novembro de 2013

Não precisamos disso

Eduardo Cabrita, um deputado geralmente cordato do PS, escreveu o seguinte: "A frígida Maria Luís encarregou-se de dizer em Bruxelas que a conversa de Portas era só agitação".

 

Shyznogud, uma blogger que sigo com curiosidade e gosto, e António Araújo, um blogger que sigo com prazer e proveito, ficaram indignados. A primeira não se dá ao trabalho de dizer porquê, o segundo remetendo para a definição médica de frigidez e exigindo pedido de desculpas do atrevido à destinatária (e ao público, presumivelmente).

 

Sucede que o que o deputado em questão disse é adequado ao comportamento público da ministra, se adoptarmos uma das definições que de frígido dá o dicionário: demasiadamente frio; gelado; álgido. Basta ter visto a imperturbável reacção da governante, numa reunião da Comissão de Inquérito aos Swaps, em 30 de Julho passado, em resposta às teimosas e malcriadas insistências do deputado Paulo Sá (ver no Canal Parlamento, Arquivo, a partir das 2H08), para lhe compreender, e admirar, a algidez: outro qualquer sugeriria que o senhor deputado fosse dar uma volta ao bilhar grande. Maria Luís tem, ou afecta ter, o que para o caso é igual, uma pétrea serenidade em todas as situações.

 

Isto não é defeito, é feitio. E, no que me diz respeito, uma característica positiva num governante: a lágrima ao canto do olho, a emoção fácil, o feitio exaltado, podem ser compreensíveis e até simpáticos; mas não qualificam ninguém para coisa alguma.

 

Eduardo Cabrita queria mesmo fazer insinuações sobre a vida sexual da ministra? Duvido, e acho que permitindo o que escreveu interpretações mais amenas são estas que devem ser adoptadas. Porque, senão, entraremos na fiscalização da linguagem, uma horrível mania importada da América. E se amanhã alguém disser que o deputado Helder Amaral vê o futuro negro, estará a fazer uma afirmação racista; e se disser que Seguro é impotente para controlar o PS, ou que a deputada Fulana tem posições promíscuas, ou que o ministro xis está de quatro perante a troica, uma insinuação sexista.

 

Não precisamos disso. 

publicado por José Meireles Graça às 16:29
link do post | comentar | ver comentários (5)
Domingo, 3 de Novembro de 2013

Polícia anti-motim

Vivemos "à beira do abismo". Um destes dias, um bater de asas desencadeará a explosão do Vesúvio, do Santorini ou do Krakatoa, um novo e mais devastador Katrina ou, com maior probabilidade, o maremoto de 1755.

 

E, todavia, seria tão fácil evitar: bastaria votar no PS.

 

É o que aqui se defende. "Eleições antecipadas, já".

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:26
link do post | comentar | ver comentários (5)
Segunda-feira, 7 de Outubro de 2013

Direito à opinião médica

Faz tempo que, graças a Deus, não via notícias sobre Leal da Costa, o Savonarola que, no Governo, tomou sobre si a missão de nos defender de nós próprios a golpes de proibições e coimas.

 

A propósito de uma greve de médicos, o governante em questão declarou no Parlamento, em Junho de 2012, que "um grande grupo de portugueses não tem emprego e um grupo de privilegiados como os médicos não quer trabalhar, vão fazer greve e não têm razão para isso".


Depois daquela, já houve 19427 greves, governantes disseram coisas no Parlamento e fora dele cerca de dois milhões e oitocentas mil vezes, uns saíram e outros entraram (Leal permanece, com grande benefício para o País e dano para o seu portfolio de doentes), mas a Justiça seguiu a sua implacável marcha.

 

É que 60 (sessenta) médicos não levaram a bem a declaração de Leal e apresentaram queixa, com fundamento no nº 3 do art.º 128º do Código Deontológico dos senhores médicos, que reza assim:

 

"O médico não deve fazer afirmações ou declarações públicas contra colegas".

 

Fizeram muito bem estas cinco dúzias: que a redacção é admirável na sua granítica singeleza, e Leal, efectivamente, manifestou-se contra colegas.

 

Assim não o entendeu a relatora do processo (não pude apurar se é médica ou jurista) que, em Setembro passado, veio em menos de uma página propor o arquivamento.

 

Ana Matos Pires, a quem fico penhorado pela divulgação desta história, tem dúvidas sobre a bondade do articulado em questão, mas nem por isso apreciou a proposta, entre outras razões porque quem respondeu no processo foi o chefe de gabinete do Secretário de Estado, e não o próprio; e - mas isto já é processo de intenção meu - sendo um membro deste governo, por definição, celerado, e a greve algo que não se pode discutir, o arquivamento sem mais está irremediavelmente ferido de não sei quê.

 

Por mim, fiquei a meditar no que terá levado a que um assunto aparentemente tão simples tenha consumido mais de um ano para chegar a termo; e, como não estão tribunais envolvidos, admito que a relatora, ou outras pessoas no Conselho Disciplinar do Sul, tenham estado doentes, pelo que folgo em ver que recuperaram.

 

Quanto ao fundo da questão, a Ordem bem poderia, numa próxima revisão, eliminar aquela funesta redacção. Que o Tribunal Constitucional não tem por certo dúvidas sobre o direito à greve; mas não as terá também sobre o direito à liberdade de expressão e opinião.

publicado por José Meireles Graça às 20:24
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012

Revolução na imprensa

 

 

Eles fecham, despedem jornalistas, pagam mal a fornecedores, aos próprios jornalistas e articulistas, eliminam as edições em papel ... um novo jornal é, em princípio, uma boa notícia. E ainda por cima grátis para quem o quiser ler, uau.

 

Mas a publicidade é um pouco equívoca. É em papel ou não é em papel? Que com o iPad ainda não se embrulham castanhas nem se acende a lareira. E é para andar nas paredes, de mão em mão, e de boca em boca?! Ó chefe, nas paredes só se for para não sujar os lambris quando se refresca a pintura - isso é raro, o stock de jornais velhos chega perfeitamente. E de mão em mão, vírgula: que muitos de nós não querem papéis sebentos.

 

De boca em boca deve ser sentido figurado - está bem. Mas para isso quer-se notícias fresquinhas, opiniões inovadoras, e aspecto atraente. Ora, que diz o editorial? Diz isto:

 

A paz, o pão,

Habitação,

Saúde, educação.

Só há liberdade a sério quando houver

Liberdade de mudar e decidir

Quando pertencer ao povo o que o povo produzir.

 

Acho, snif, que vai falir. Que jornal da Associação Portuguesa de Arqueólogos já há.

 

publicado por José Meireles Graça às 19:09
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...
2a Parte What a wonderful world it is that has gir...
1a ParteAs frases abaixo foram escritas “na pele” ...
Na parte do financiamento sim, e essa definição po...
capitalista estatal isso sim.

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter