Quinta-feira, 27 de Abril de 2017

O partido dos fantoches e ventríloquos

2017-04-27 centeno e trigo pereira.png

O Partido Socialista já foi o partido de gente

  • como o Mário Soares e o Salgado Zenha que, goste-se deles ou não, e para o bem e para o mal, algumas vezes para o muito bem e outras para o muito mal, foram os mais determinantes resistentes, não os únicos mas os mais determinantes, os que polarizaram o povo, não o da muralha de aço mas o real, os militares que ainda não tinham caído ou nunca viriam a cair nos braços do comunismo mas dificilmente o teriam evitado, os partidos políticos democráticos e, não menos importante, os governos de países que estavam mais dispostos a deixar cair este pequeno país periférico nas mãos do comunismo em que parecia querer cair do que a apoiar democratas que pareciam não ter qualquer capacidade de criar uma alternativa ao comunismo, contra o avanço, que chegou a parecer imparável, da ditadura da besta comunista em 1975,
  • como o António Arnaut que, décadas depois de ter criado o Serviço Nacional de Saúde, com as qualidades e os defeitos que tem, se dispõe a sofrer pessoalmente com os defeitos que atingem o povo que não tem alternativa para se tratar e se submete a listas de espera intermináveis para cirurgias a que tem condição social e económica para se furtar recorrendo aos prestadores de saúde privados,
  • até de jovens como o Francisco Assis, com coragem para enfrentar de caras secções de facínoras corruptos do próprio partido e correr o risco, aliás concretizado, de ser sovado e só ter conseguido ser retirado do local e sobreviver com protecção policial, como acontecera também ao Mário Soares quando enfrentou os facínoras comunistas na Marinha Grande, e que hoje continua a ser tão odiado pela liderança do partido e seus jagunços como o era na altura pela liderança dessa secção e seus jagunços,

agora, desde que o António Costa tomou o partido à bruta, mas de quem nasce bruto não se pode esperar diferente, é um partido de fantoches e ventríloquos, patetas em funções de responsabilidade sem preparação nem dignidade para as assumir e que não sabem o que hão-de dizer a papaguear o que lhes dizem para dizer outros patetas em funções de responsabilidade sem preparação nem dignidade para as assumir e que também não sabem o que hão-de dizer mas têm ascendente sobre os primeiros para os fazer dizer aquilo que lhes mandam dizer. Nivelados pelo chefe, e exibindo como única competência a de tentarem ser tão ordinários como ele.

Um esgoto a céu aberto.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 18:31
link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

Ele rouba mas faz

2017-02-19 Costa rouba mas faz.jpg

No seu estilo tão próprio de fazer política, o estilo ácaro em que se dedica a apontar regularmente aquilo que irrita a oposição, o primeiro-ministro António Costa saiu em defesa do ministro Mário Centeno, em quem delegou o trabalho sujo de

  • contratar o banqueiro António Domingues, apresentado ao país como a contratação-chave para ganhar o campeonato e a prova definitava do génio do seleccionador mesmo em domínios complexos como a alta finança,
  • dar a volta à lei para satisfazer a exigência legítima mas ainda ilegal do banqueiro para aceitar o cargo de manter o seu património ao abrigo dos tablóides em vez de recuar na contratação para não cometer ilegalidades,
  • manter o banqueiro na ilusão de que os problemas legais seriam resolvidos enquanto o primeiro ministro e o presidente acordavam entre si que não seriam,
  • quando a alteração à lei se transformou num lastro político sacrificar o banqueiro como uma criatura de ganância ilimitada cujo único objectivo neste mundo é esconder do país a riqueza que acumulou,
  • tratar publicamente o banqueiro como um atrasado mental que não percebia que quando lhe dizia que lhe estava a tratar do assunto queria de facto dizer que nem pensasse,
  • e depois da queda do banqueiro se transformou ele próprio no elo mais fraco quando o banqueiro, discreto até ao limite da sua predisposição para ser o bombo da festa, ultrapassado esse limite começou a revelar documentos escritos ilustrativos da sua negociação com o ministro para dar a volta à lei,

até porque

  • deixar cair o ministro sem primeiro lhe alimentar a ilusão de estarem nisto unidos como os dedos das mãos lhe poderia criar tentações de também ir rever os seus SMS com o primeiro-ministro ilustrativos do modo como acompanhou ou mesmo comandou a negociação com o banqueiro intermediada por ele,

dizendo publicamente,

  • não que o ministro tinha usado um mínimo de lisura ao longo do processo, até porque se vier a ter que o deixar cair não lhe ficará bem deixar cair um ministro sem mácula que justifique a queda,
  • mas que conseguiu maravilhas no deficit e na dívida pública. *

Em resumo, ele rouba mas faz.

 

* E consegui escrever o parágrafo mais comprido do mundo sem se parecer com um parágrafo.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:02
link do post | comentar
Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2017

Lepra

A sabedoria convencional diz-nos que a táctica seguida inicialmente pelo PSD de martelar incessantemente a ilegitimidade originária do governo Costa, que só nasceu porque apoiado numa maioria com comunistas que não foi aventada na campanha eleitoral nem tinha precedentes, foi arrastada durante demasiado tempo. Já o CDS, após Portas ter anunciado o óbvio (óbvio quer dizer que se tornou fácil de ver para toda a gente depois de o ter dito), isto é, que de futuro só seriam possíveis governos de direita com maioria absoluta, deixou rapidamente cair a lamúria.

 

O eleitorado vive no presente e quer que lhe garantam o próximo fim do mês melhor que o de há um ano, e para o resto do futuro contenta-se com promessas vagas desde que risonhas - o que lá vai lá vai. É por as coisas serem assim, e o PS ser delas um óptimo intérprete, que as sondagens que andam por aí não penalizam o governo golpista, donde pessoas de representação deduzem que o PSD e o CDS se devem esforricar em projectos, iniciativas e propostas alternativas.

 

Tretas. Que no campeonato da diarreia legislativa, lançamento de novos serviços públicos, manutenção dos existentes, dinamização da economia a golpes de subsídios e voluntarismo, desarme de conflitos sociais com cedências, e criação artificial de um clima de optimismo - o PS ganha, e o PSD muito, e o CDS alguma coisa, sempre o acompanharam no esforço, com excepção do tempo da tutela da troica.

 

É por as coisas serem assim que a dívida pública chegou ao nível a que chegou, e que não pára de crescer, a despeito da propaganda sobre a suposta redução do défice, na qual as instâncias europeias fingem acreditar (para explicar a discrepância - a dívida cresce mais do que proporcionalmente ao défice apresentado - os economistas dizem candidamente que não percebem); e que, a menos que surja um basta! dos credores, sob a forma de juros incomportáveis, ou um basta! dos comunistas, por perderem cada vez mais votos a troco de cada vez menos novas cedências, Costa continuará de vitória em vitória até à derrota final. Que infelizmente será também a do país.

 

Até lá, o regime vai apodrecendo. E a novela bufa destes dias em torno do banco público, que cobre de lama o presidente da República, cuja hiperactividade, incontinência verbal, e ausência completa do mais elementar sentido de Estado, estavam à espera de uma oportunidade para se tornarem evidentes, mesmo para o mais furioso apreciador de selfies parvas; que desprestigia o Parlamento, por as necessidades da coligação se terem sobreposto aos poderes de uma comissão de inquérito, eliminando o elemento de contrapoder que estas alguma vez tiveram; que impede que o cidadão conheça os nomes dos responsáveis, e dos beneficiários, do descalabro que fez com que aquele banco precise de cinco mil milhões de reforço de capital, sem que se perceba que parte é que cabe à crise, que parte cabe a exigências dos dementes de Frankfurt, e que parte cabe a salteadores e ineptos; e que trouxe para a praça pública uma litania de personagens menores, desde bancários de imaginária competência pagos a peso de ouro com dinheiro público, ministros que subcontratam a feitura de leis a privados que delas directa e exclusivamente beneficiam, apresentando a conta ao contribuinte, para já não falar de alguns parlamentares televisivos que se prostituem em nome da disciplina partidária ou da estratégia de um bem maior, e de comentadores cuja independência está comprometida pela necessidade de agradarem ao governo:

 

Vem provar que o pecado original deste governo, isto é, o apoio de comunistas (os que são e os que fingem não ser), não tem apenas o preço das reversões, da conservação deletéria do poder dos sindicatos, e da paralisia de qualquer esforço sério de reforma.

 

Mesmo sendo Costa um depositário de todas as ideias erradas que levaram à falência do país, às quais faz as entorses necessárias para os nossos patrões europeus continuarem a bancar o forró, e mesmo sendo um mentiroso contumaz, como abundantemente já demonstrou, nunca um governo minoritário da PàF, com a abstenção do PS, ou até mesmo incluindo alguns socialistas mais apresentáveis na boa sociedade, levaria o país a estes extremos de abjecção.

 

Não é que uma tal solução pudesse resolver os nossos problemas; nem eles jamais começarão a ser resolvidos senão quando a esquerda - toda - for varrida do universo decisório. Até lá, a chamada direita faria bem em pensar com paciência no day after; e ocasionalmente lembrar-se, e lembrar-nos, que Costa tem lepra - contraiu-a logo a seguir às últimas eleições.

publicado por José Meireles Graça às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (4)
Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2017

E o rei dos sapos?

2017-02-15 Costa garante a Domingues.jpg

No pântano a água anda agitada e, com a agitação da água, solta-se o lodo do fundo e fica cada vez mais turvo.

Mas, se lá no fundo está tudo cada vez mais turvo, cá em cima, no fundo, é claro como a água. É um jogo de cadeiras romanas. Na primeira jogada o mundo era todo deles, até os engolidores de sapos estavam com eles, e prometeram mundos e fundos a quem colaborasse.

Quando a coisa deu para o torto, os sapos puseram-se todos ao fresco e sacrificaram o banqueiro, o único que ficou apeado. Até lhe exigiram que entregasse a declaração. Ficou para a história como o oportunista cujo principal objectivo na vida era esconder o seu património da população que lhe ia pagar o ordenado. Um sacana! Pode não ter sido brilhante como estratégia de jogo ter queimado alguém que sabia mais do que dizia, mas quando se tem o rei na barriga a teoria dos jogos deixa fazer tudo, e tudo acabar bem. E, de facto, na primeira jogada foi ele que saiu do jogo. Mas o jogo não acabou.

A segunda jogada foi mais renhida. Apareceram comunicações à superfície, esconderam-se as comunicações de novo no lodo, mas há sempre um Correio da Manhã que as consegue descobrir, e, no que parecia um jogo em que já havia cadeiras para todos, com todos a torcer para a coisa ficar por ali, até porque havia coisas mais importantes para tratar e não havia documentos a comprometer os jogadores ainda na roda, veio-se a reveler que não, que afinal faltava uma cadeira, e que mais um dos jogadores ia ter que ficar apeado.

Quem? Obviamente, o mais totó, o que tinha sido incumbido pelos outros de conduzir a marosca sem, por não ser político nem advogado, se prevenir contra deixar provas documentais espalhadas pela cena do crime. E deixou, será ele a saltar fora. E é uma boa estratégia de jogo jogar fora o jogador que conhece mais por dentro o processo e sabe o que cada um dos que restam sabiam, mesmo sem ter os documentozinhos assinados a provar o que eles sabiam? Pode não ser...

E o jogo acaba aqui? Não, este jogo só acaba quando todos os sapos ficarem apeados, inclusivamente o último. Os dois jogadores que restam são virtuosos naquilo a que se chama o tacticismo político. Qualquer deles merece ficar em jogo até ao fim, mas um deles vai ter que perder nesta jogada. Qual deles? O Correio da Manhã ditará com as suas fugas de informação a conta-gotas. Mas um deles foi à vinha enquanto o outro ficava à porta, é mais provável que seja o que foi à vinha a saltar. O futuro o dirá.

Neste jogo só há uma coisa fatal como o destino. Tanto os que saltam, como os que ficam, estão cheios de lama até ao pescoço.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 14:49
link do post | comentar
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2017

The world's funniest joke

2017-02-07 Centeno limpeza banca.jpg

O ministro das finanças acabou de anunciar que está na iminência de resolver o problema da limpeza do balanço dos bancos sem custos para os contribuintes.

É uma boa notícia, e à primeira vista até parece simples e credível. Afinal, a limpeza da banca é uma mera operação contabilística em que créditos incobráveis que estavam contabilizados no balanço pelo seu valor nominal, ou por um valor inferior ao nominal se já tivessem sido parcialmente provisionados para uma eventual dificuldade de cobrança, passam a estar contabilizados pelo valor de zero, aquilo que se espera que se venha a arrecadar deles, sendo a redução do valor de cada crédito lançada nos resultados como um prejuízo. No ano em que é feita a limpeza o banco apresenta o prejuízo correspondente a esta redução, mas não fica mais rico nem mais pobre, com mais nem menos dinheiro nos cofres. É uma operação no papel.

Infelizmente, não é disto que se fala quando se fala da limpeza do balanço dos bancos. O que se designa por limpeza do balanço é compensar os bancos pelos créditos incobráveis que, por azar, falta de prudência ou mera trafulhice, concederam no passado, como se tivessem concedido créditos isentos de risco e de reembolso garantido em vez de créditos de risco que muitas vezes recompensaram a peso de ouro os banqueiros que os concederam. Anular o valor no balanço dos créditos incobráveis, mas compensá-los com entradas em dinheiro ou outros activos com o valor por que eles estavam contabilizados, sem valerem. É uma operação que envolve a entrada de dinheiro, verde ou de outras cores e feitios.

E de onde é que vem esse dinheiro? Por mais historietas que se inventem a sugerir que ele aparece vindo de algures no sistema, ou que cai do céu, não aparece nem cai, resulta mesmo de dinheiro ou outros activos que são transferidos de alguém que existe neste mundo real para os bancos beneficiários.

E quem? Os contribuintes dos países-formiguinha do centro e norte da Europa estão fartos de dar para os países-cigarra do sul, e os populistas estão atentos a qualquer deslize que irrite os eleitores, de modo que os governos, por mais boa vontade e espírito de solidariedade europeia de que estejam imbuídos, têm as mãos atadas e não vão pagar. Não se pode ir buscar à banca, porque é preciso ir buscar para a banca. Os ricos que estão sempre disponíveis para pagar mais impostos nas fantasias da esquerda folclórica, se o têm por taxar, já o têm a salvo. Restam os contribuintes portugueses. Mesmo que se criem redes impenetráveis de circulação do dinheiro, on- e off-shore, é a eles que, finalmente, acabará por ser apresentada a factura.

Esta revelação do ministro das finanças é, pois, uma excelente anedota.

Tão boa, tão boa, que nos pode matar de riso.

Ao contrário de outras anedotas mortais celebrizadas pela história, esta não matou o seu autor, talvez por ser tão ingénuo que não tenha conseguido atingir a sua própria piada? Felizmente, o Jornal de Negócios reservou a anedota completa para assinantes, negando, e deste modo salvando a vida, a sua leitura integral aos leitores ocasionais.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 16:20
link do post | comentar
Terça-feira, 22 de Novembro de 2016

Wird Portugal das nächste Griechenland? *

* Vai Portugal ser a próxima Grécia?

2,w=993,q=high,c=0.bild.jpg

O ministro das finanças português Mário Centeno deu ao jornal alemão Bild uma entrevista onde, de acordo com os jornais portugueses, e para citar apenas alguns exemplos, pressiona Europa a debater perdão da dívida grega, defende alívio da dívida da Grécia com ou sem FMI, defende revisão do Plano de Estabilidade e Crescimentodiz que regras para a dívida têm muito para melhorar, e que até a Reuters noticiou como Portugal finance minister says EU should discuss Greek debt relief, Bild reports. Como comprovam os títulos dos jornais portugueses, a Europa rende-se ao esplendor deste notável português, de quem aguarda sofregamente as sugestões para conseguir sobreviver neste mundo minado, e ele usa o seu esplendor, não em proveito próprio nem no dos portugueses que ele governa, mas para interferir a favor dos mais aflitos, os gregos. Um senhor.

Já o Bild adoptou para a entrevista o título Wird Portugal das nächste Griechenland?, que significa, é fácil de adivinhar mesmo sem ter aprendido Alemão, Vai Portugal ser a próxima Grécia?, uma versão em linguagem jornalística do tradicional Estás aqui, estás a dar com os burrinhos na água.

Os jornais alemães gostam de, de vez em quando, entrevistar doidos que governam países do Club Med, não para sensibilizarem os alemães para a pressão deles para lhes aliviarem a dívida e as dos outros países do clube, continuando a conceder-lhes crédito sem se preocuparem se ele vai chegar a ser reembolsado ou sequer se vai ser usado para resolverem de modo sustentável os problemas que os levaram a essa dependência do crédito, mas para os prepararem para, no dia que o governo alemão decidir cortar a esses países, que repõem rendimentos aos cidadãos e contribuintes mais ricos com o dinheiro que não têm mas pedem emprestado, o abastecimento de dinheiro fácil e barato que lhes dá uma ilusão de prosperidade que não têm e os estimula a gastar o que não têm, perceberem os motivos do corte com o passado. Como se fosse necessário fazê-lo? como se houvesse mais algum alemão para além da Angela Merkel e do Wolfgang Schäuble, que são no entanto fustigados pelos governantes europeus mais idiotas como a origem dos problemas financeiros que eles próprios, ou outros como eles, criaram com a sua irresponsabilidade e o seu populismo, que precisasse de ser convencido que é um fardo inútil continuar a usar o seu dinheiro para financiar demagogos como eles?

E, mesmo sem atingir os níveis de comédia do Yanis Varoufakis, o ministro Mário Centeno não os desiludiu, e retribuiu a entrevista com graçolas como:

  • - O que vale o Pacto Europeu para o Crescimento e a Estabilidade? As regras europeias são para aderir estritamente ou podem-se violar de vez em quando? - Tal como os alemães fizeram em 2002 e 2003, quer você dizer?
  • - O seu governo começou a abandonar a austeridade bem sucedida. Portugal foi uma história de sucesso até ao seu governo ter chegado. - Mas isso é totalmente errado. Não revogamos nenhuma reforma! Pelo contrário. As coisas estão a melhorar em Portugal. Pouco antes das eleições, tivemos estagnação. Agora temos uma tendência muito positiva no mercado de trabalho, o aumento dos números do emprego, crescimento estável. Nós não reformamos a estrutura! Nós não mudamos nada!
  • - E por isso é suficiente de agora em diante os funcionários públicos só trabalharem 35 horas? - Olhe, um funcionário em Portugal trabalha em média 400 horas a mais por ano do que um empregado na Alemanha. Mulheres e homens.
  • - O FMI quer novo perdão de dívida. É um pré-requisito para participar do quarto pacote de resgate. No entanto, o governo federal prometeu que o FMI vai participar mesmo sem perdão de dívida. - Bem, este é um paradoxo que o governo alemão deve resolver. O ministro Schäuble está num dilema. E vamos ajudá-lo no Eurogrupo a resolver este dilema.

Nas mãos de uma espécie de village idiots que fazem caretas e manguitos àqueles a quem pedem esmolas por nossa conta, isto só nos pode correr bem.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 15:17
link do post | comentar
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016

Gente de posição

 

Governo-Esquerdas-01.jpg

 

O Ministério das Finanças não quer mostrar todos os números que permitem avaliar o Orçamento. Só o fará contrariado, sabe Deus em que condições, depois de a UTAO dizer que isto assim é ilegal.

 

No gabinete do primeiro-ministro há mais um doutor (ou engenheiro?) da mula russa. Não se percebe o motivo: para exercer cargos políticos não é obrigatório ter um título académico. Ou percebe: esta gente sem experiência nem currículo não tem outra maneira de se fazer respeitar socialmente. E assim arranja uma licenciatura falsa, que dura até ser descoberta, para forçar um estatuto e fingir uma superioridade igual à de qualquer um. Verdadeira ou de fancaria, quem é que hoje em Portugal não tem uma licenciatura?

 

Os senhores administradores do banco do Estado são deixados em sossego, dispensados de entregar declarações de rendimentos e de interesses; quem recebe as pensões mínimas prepara-se para ficar sujeito a "condição de recursos", que o mesmo é dizer que o Estado não lhes dá uma moeda sem antes lhes virar a vida do avesso. Talvez levem uma sopa em troca da privacidade.

 

Bruxelas, incompreensivelmente, não acredita nas contas do governo. Exige informação adicional para decidir se lhes aprova o papel ou nos corta os víveres.

 

Ao princípio, quando as esquerdas se entenderam nesta “posição”, parecia que íamos ficar entregues a um comando de oportunistas desmoralizados. Pouco a pouco as dúvidas desaparecem.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:32
link do post | comentar
Sábado, 23 de Abril de 2016

Separação de poderes

Não tenho dúvidas que Mário Centeno mentiu descaradamente em comissão de inquérito e é um aldrabão patético. Nada que não se soubesse: é coautor de um estudo que salienta os riscos de aumento do desemprego quando haja aumentos do salário mínimo sem consideração pela produtividade mas nem por isso deixou de aceitar o convite para integrar um governo que tem na matéria um ponto de vista voluntarista diametralmente oposto, numa pasta em que esta questão é central.

 

Teria aceitado, igualmente, se o convite tivesse partido de uma coligação dita de direita, e defenderia com empenho um Orçamento diferente do que apresentou, e diria coisas diferentes das que diz.

 

Não nos deve isto surpreender: nunca ninguém alegou incompetência técnica de Teixeira dos Santos, que permitiu que o país fosse conduzido ao maior descalabro económico da sua história e portanto só pode ter havido uma razão pela qual acompanhou Sócrates na demência despesista - é que o preço da coerência num ministro das Finanças é a demissão. Como se demonstrou com Campos e Cunha, que bateu com a porta quando se apercebeu que Sócrates era Sócrates, com isso dando provas de ter melhor critério que os seus colegas da Academia, e pior do que as pessoas de senso, que teriam começado por não aceitar o convite.

 

Campos não é porém a regra: difícil é encontrar professor de economia, e até economista, que desdenhe ser ministro das Finanças; e que, diligentemente, no exercício de funções, deixe de dar a cobertura do palavreado da seita ao asneirol que o partido convidante patrocina.

 

Isto é assim, não sendo as razões difíceis de perceber: a notoriedade é aliciante, o jogo político fascinante, e a condição de ex-ministro das Finanças garante, com algum empenho, que o ordenadozinho de professor é arredondado com prebendas, ganchos e sinecuras. E se, no desempenho futuro das exigentes funções de conselheiro, facilitador ou estrela de TV, houver algum deslize, paciência: um tacho vale bem uma missa burlesca.

 

Ignoro como remediar este estado de coisas, salvo a instauração de uma sociedade comunista, na qual só se pode fazer carreira no Partido e não há outra argumentação que a da propaganda oficial.

 

Mas estou certo de que pôr o ministério público a supervisionar as aldrabices dos políticos, sejam eles autênticos ou, como Centeno, de arribação, é uma péssima ideia. Os senhores magistrados não são, nem podem ser, imunes aos encantos da exposição mediática, nem têm sobre a classe política opiniões mais lisonjeiras do que as do eleitorado, junto do qual apreciariam decerto, e bem precisam, ser mais populares. E, de resto, têm como toda a gente opiniões políticas - há aí alguém que acredite que a actual Procuradora-Geral navega nas mesmas águas turvas do seu antecessor? - que inevitavelmente tingirão os seus juízos quando se esteja a falar de crimes semânticos, de opinião ou de má-fé em declarações políticas.

 

Nas comissões de inquérito os cidadãos que não sejam actores políticos em exercício são, é claro, obrigados à verdade. Os políticos no activo têm, porém, mesmo aí, o privilégio da aldrabice porque o juiz é outro - é o eleitorado.

 

O mesmo eleitorado a que a magistratura quererá, se puder, agradar.

 

A iniciativa do PSD de denunciar Centeno ao Ministério Público pelo crime de declarações falsas é assim um clamoroso erro, não menos porque vai criar um precedente perigoso: hoje o magistrado, com um par de isentas asas nas costas, vai decidir se o político mentiu na Comissão; e amanhã se o fez no Parlamento, ou na campanha eleitoral, ou nos jornais. E daí é só um passo até termos magistrados de direita, e esquerda, e centro.

 

Separação de poderes, senhores estrategas do PSD, já ouviram falar?

publicado por José Meireles Graça às 02:06
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

4 comentários

Últimos comentários

A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...
Kamarada Makiavel, sua pergunta é muito important...
Exatamente, os AÇORES recusaram a sua utilização p...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter