Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

Vejam o segundo comentário no Youtube: "Fake"




Como é que Obama, a olhar para a frente e concentrado no discurso foi o primeiro a acorrer? Se não é encenado é mesmo assim uma jogada de mestre. Que humano, sensível e rápido nos reflexos. Temos Super-homem.
Tags: ,
publicado por João Pereira da Silva às 18:13
link do post | comentar
Terça-feira, 15 de Outubro de 2013

À luz de uma beterraba

 
 

Se eu tivesse um neto preto, não hesitaria em tratá-lo por pretinho - e bardamerda para a opinião de terceiros.

 

E se tivesse uma neta com feições asiáticas, também não hesitaria em dizer: Anda cá, minha chinoca! - se estivesse pr'aí virado.

 

Estou absolutamente certo de que gostaria muito deles, particularmente da chinoca ou de uma pretinha, porque prefiro meninas: não tive filhos machos, talvez seja por isso. E nem vale a pena dizer que não seriam objecto de menos atenção ou cuidado - talvez a palavra certa seja amor, mas não aprecio pieguices - por não terem as minhas feições desmaiadas de branquela ou os olhos a requererem sutiã.

 

Gostaria que os meus netos soubessem que a diferença não é um defeito; que a igualdade não consiste em tratar igualmente o que é desigual; que as mesmas palavras significam coisas diferentes na boca de pessoas diferentes; e que o vasto vento de palermice originado nos Estados Unidos, e que se designa por politicamente correcto, é uma moda de pensamento, que passará como passaram outras.

 

É por isso que esta polémica dos Pele-Vermelhas, os quais irão possivelmente mudar de nome, ou adoptarem como símbolo uma beterraba, é intensamente ridícula.

 

Mais ridícula ainda porque Obama julgou útil dizer o que lhe vai na alma. E o que lhe vai na alma é a patetice bem-pensante do costume. Não por ser mulato; por ser imbecil. 

 

publicado por José Meireles Graça às 23:12
link do post | comentar
Domingo, 29 de Setembro de 2013

First you see the way...

Clicar para ampliar. Daqui.


Este cartoon nem parece do - politicamente correcto à esquerda perfeita posicionado - Economist. Se o publicam é porque o sonho Obama chegou mesmo ao fim. Se para Luther King o sonho era tudo, para Obama que surgiu com "first you see the way, then you walk it" todos os caminhos vistos por este visionário levaram, exactamente e apenas, à mesma posição: a de... partida. Um presidente americano que deixa para a história a mais profunda marca demagógica. Nada ofereceu, além de uma bonita e vazia retórica. 

publicado por João Pereira da Silva às 14:15
link do post | comentar
Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

Violência não é demonstração de poder, é de força.

E o maior risco da demonstração de força é subestimar a do adversário. 

 

Hassad não é Saddam. Penso que Obama, se Bush cometeu um erro ao invadir o Iraque, se prepara para cometer um muito maior. O ninho de vespas que lhe explodirá nas mãos com um eventual ataque à Síria é muito mais complicado que o do Iraque. O Iraque não tinha os apoios que a Síria tem. Obama não tem a força económica que Bush tinha e o mundo está em pior estado que em 2003. Os estrategas do Pentágono e da Casa Branca devem estar agora em actividade frenética para compreender as consequências de uma guerra que só se forem ingénuos pensarão que se resolve com um "stand by" ameaçador de porta-aviões apontados a Damasco. Terão de mostrar as cartas e atacar pois o "bluff" não funcionará com Hassad e aliados. Depois do ataque não há retorno e Obama terá de ir até ao fim se quiser salvar a cara. As consequências serão previsíveis mesmo para os "think tank" de guerra americanos? Não me parece. E o "day after" Hassad, quem o pode garantir? Ninguém. Que loucura.



 

Tags: ,
publicado por João Pereira da Silva às 08:30
link do post | comentar
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Quando os lobos uivam

Para o primeiro post nesta ilustre casa, tinha de escolher matéria pacifica. Vai daí, e porque ainda ontem abri mão de duas horas e de mais de um conto e duzentos, falarei sobre o filme da polémica: Zero Dark Thirty.

Kathryn Bigelow fez um filme muito competente, onde nos conta tudo, desde o high tech, até às simulações de afogamento. Conta-nos todos os passos que foram dados para chegar a Ben Laden. Todos os passos que tomaram conta da vida da mulher que o perseguiu e o encontrou.

Perante isto, perante a história e os factos que a compõem, apareceu Naomi Wolf, um misto de Carla Alves e Maria Teresa Horta com uma cara laroca, ícone liberal das élites democráticas, que vem a público desfazer Bigelow.

Em modo epistolar, lança-se como um lobo à carótida de Bigelow. Chama-lhe a Riefenstahl da administração Bush e dos poderes ocultos. Acusa-a de serva da tortura e dos agentes que a praticaram. Julga-a sumariamente por colaboracionismo com a CIA, os militares, os poderes ocultos e o pior de tudo: os Republicanos.

Não escondo a minha preferência pelos Democratas, nem o meu entusiasmo por Obama, malgré tout. No filme, as mudanças políticas são bem retratadas, são encaradas tal qual são: o tempo traz a sucessão de diferentes tempos políticos, e o de Obama é necessariamente diferente do de Bush, o mundo é diferente em Obama. Bigelow constata este facto, mostra-nos uma administração escaldada pela "armas de destruição massiva no Iraque", mais prudente, mais insegura na aproximação, mais observada por um mundo que já guardou na gaveta da história o horror do 9/11. Obama e os seus homens são aqui muito bem tratados. Não percebo o problema de Wolf.

A tortura domina o inicio do filme, do processo. Deu resultado. A crueza com que nos é mostrada é semelhante à Paixão de Gibson; não é um filme para os mais sensíveis. A componente multifacetada da relação inquiridor-torturado é muito bem explorada e em momento algum somos empurrados para a simples dialética do bom policia e do bandido.

Entre outras coisas, se há uma particularmente bem sucedida no filme, é despertar-nos o dilema moral e ético da tortura. Não é a situação fácil do inocente torturado, mas a dificuldade do confronto intimo de cada um de nós com a eficácia da tortura.

Wolf não quis ver nada disto, aliás, não quis ver nada; quis pendurar-se num enorme sucesso e ser falada às suas custas.

Mas Wolf tem virtude no que faz, lembra-nos que não é só neste rectangulozinho nosso que há gente assim, lembra-nos que na vida para cada Sarah Palin há uma Naomi Wolf.

 

publicado por Raul Almeida às 20:43
link do post | comentar | ver comentários (3)
Sábado, 13 de Outubro de 2012

O leal conselheiro

 

"As most of you know our company, Westgate Resorts, has continued to succeed in spite of a very dismal economy. There is no question that the economy has changed for the worse and we have not seen any improvement over the past four years. In spite of all of the challenges we have faced, the good news is this: The economy doesn’t currently pose a threat to your job. What does threaten your job however, is another 4 years of the same Presidential administration. Of course, as your employer, I can’t tell you whom to vote for, and I certainly wouldn’t interfere with your right to vote for whomever you choose. In fact, I encourage you to vote for whomever you think will serve your interests the best."

Este tipo acha que mais quatro anos de Obama não darão saúde à economia em geral e à empresa dele em particular. E di-lo num e-mail a todos os trabalhadores da empresa.

 

Escândalo: o título da notícia é "Multimilionário ameaça despedimentos se Obama ganhar". No texto, entre outros detalhes, informa-se que David Seagal vive numa casa com quase 3 hectares, inspirada em Versalhes (vê-se pela fotografia que Versalhes fica realmente muito longe da Florida, a casa nem com Vaux-le-Vicomte compete). Mas a informação é útil: um tipo que vive numa casa deste tamanho só pode ser um patife. E o patife leva o desplante a pontos de tentar influenciar o voto dos seus trabalhadores - maldito cacique.

 

Sucede que acho que Obama é, no Olimpo da política mundial, uma espécie de casamento gay entre Hermes, deus dos oradores, e Éolo, deus dos ventos. Falas bem mas fazes tudo o resto mal, Obama. E mesmo que o outro candidato já tenha o seu pé de meia de deslizes, se eu fosse Americano não hesitava.

 

E ainda que não me passasse pela cabeça escrever aos trabalhadores a confiar-lhes as minhas opiniões políticas, confesso não perceber por que razão é moralmente censurável fazê-lo: o voto não é secreto? os trabalhadores têm uma cabecinha tão fraquinha que a opinião do patrão, do padre, do polícia e do presidente da câmara - conta muito? tentar influenciar não é o que todos fazemos, até este ignoto escriba?

 

Histórias de gringos, é o que é. Nós cá não temos disso; nem casas à moda de Versalhes.

 

publicado por José Meireles Graça às 00:09
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

3 comentários

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter