Domingo, 16 de Abril de 2017

Títulos pavlovianos para formatar cabecinhas de alho chocho

cropped-10339306_10202274001706529_262101810390647

A investigadora Raquel Varela, uma das mais ilustres pastoras de almas no Tempo Novo depois de ter feito parte da vanguarda ideológica dos indignados e dos okupas que se rebelaram nos anos da troika contra o neoliberalismo e o capitalismo desregulado, decidiu agregar numa única tese quase todo o conhecimento que existe, explicando de uma só penada o desemprego estrutural e o assistencialismo familiar e Estatal, o lumpen-proletariado, Trump, a Cornucópia e a juventude, dando-lhe o sugestivo título de Trump em Torremolinos.

Não dominando a ciência da Tudologia, não ouso desafiar a ligação encontrada pela investigadora entre todas estas coisas, e deixo a análise dos fundamentos teóricos e dos aspectos metodológicos que conduziram à formulação das conclusões da publicação aos que a dominam. Só tomo nota que a autora não deixa de fazer menção ao lumpen-proletariado, uma brilhante construção do socialismo para arrumar de vez com a dúvida que alguma contra-revolução ainda tinha sobre a adesão entusiástica do povo à revolução socialista e que alguns retrógrados ainda hoje persistem em ter, explicando que os que não aderem são lumpen-proletariado e, portanto, casos perdidos que não contam para a média daquilo que é o verdadeiro povo, e que hoje se aproxima mais dos pós-doutorados em ciências sociais do que dos operários e camponeses, soldados e marinheiros, e muito menos dos que não são sindicalizados, ou sindicalizados mas em sindicatos amarelos da UGT. O lumpen-proletariado é a água que se pode sacudir do capote revestido de Scotchgard para a revolução socialista seguir em frente com o povo a segui-la.

Mas percebo alguma coisa da ciência dos títulos, e o título Trump em Torremolinos é notável a todos os títulos.

Em três palavrinhas apenas remete Donald Trump para o domínio dos selvagenzinhos que exportamos regularmente nas férias da Páscoa para vandalizar hotéis do sul de Espanha. Tocada a campainha, as glândulas salivares entram em acção e os cães de Pavlov aliviam-se da ansiedade com a certeza de um petisco na iminência de chegar. E os leitores da investigadora Raquel Varela também. Assunto arrumado.

Mas um título tão brilhante, por eficaz a atingir os resultados pretendidos, merece ser investigado. O trabalho de campo da minha investigação cientifica recorreu ao método de contar o número de ocorrências da palavra "Trump" na tese através da ferramenta informática "Personalizar e controlar o Google Chrome -> Localizar... ", e revelou que a palavra aparece 3 vezes:

  • no título "Trump em Torremolinos";
  • na introdução, onde a autora explica que vai "...de uma penada só debater o desemprego estrutural e o assistencialismo familiar e Estatal, o lumpen-proletariado, Trump, a Cornucópia e a juventude";
  • e na frase "Trump de um lado lança bombas, a ONU enviada enxadas para enterrar corpos".

A análise revela que a tese tem um nível de polivalência notável. Podiam-se substituir as 3 ocorrências da palavra "Trump" por "Putin", ou "Assad", sem alterar em nada o seu sentido. Se se retirasse a palavra "ONU" da frase, qualquer lançador de bombas seria elegível para chegar ao título da tese. Deixando-se limitar pelo preciosismo, "Trump" não seria ele próprio elegível, uma vez que lançou bombas mas os corpos não foram enterrados pela ONU.

Mas isso não interessa.O verdadeiro conteúdo da tese está no título, e o título não precisa do texto para se fazer entender. Pelo menos pelo lumpen-intelectual que consome títulos da investigadora Raquel Varela à procura de campainhas que lhe diminuam a ansiedade da dúvida e a substituam pelo conforto da certeza que o Donald Trump é dos maus, e que eles, e ela, são dos bons.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 14:28
link do post | comentar
Terça-feira, 15 de Setembro de 2015

Auto-retrato de uma investigadora

 

Raquel Varela-01.jpg

 

E a credibilidade do artigo, quem mediu? Foi a “prestigiada revista académica”? Foram as 20 páginas? Foi o mês que demorou a escrever? Foram os 10 anos que demorou a “investigar”? E o que é que esses números, e sobretudo essas unidades, dizem do interesse “científico”? Zero.

 

Mas o resto diz quase tudo. O mais intrigante é que a senhora vem para o facebook explicar como se constrói hoje em dia o “prestígio” de quem calha, exibindo, sem se aperceber, o seu próprio exemplo. Só não nos contou como é que estes “cientistas” combinam citar-se uns aos outros, para ficarmos com a descrição completa e toda a gente perceber, sem faltar nenhum detalhe, porque é que a nossa “academia” está infestada de Raquéis Varela.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 12:06
link do post | comentar
Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013

Comunistas em seu labirinto

Fui ler o maldito Relatório (em diagonal e a cem à hora, que são 62 páginas densas e cheias de gráficos e eu é mais leituras amenas) e juro que não vi lá 870 milionários portugueses que, no conjunto, têm 75 mil milhões de euros.

 

Claro que esta riqueza, a existir, não é líquida, corresponde a activos dos quais a maior parte emigraria para outras paragens ou veria o seu valor despencar pela escada abaixo se fosse confiscada.

 

Depois, o confisco dos muito ricos não acabava com os ricos - o 871º passava a 1º, o 872º a 2º e assim por diante, até não haver ninguém que detivesse meios de produção que lhe permitisse apropriar-se das mais-valias geradas pelos trabalhadores, pé-ré-pé-pé.

 

Sem crédito externo, porque o confisco não é bem visto por quem vive de emprestar, os bancos tinham que ser nacionalizados, as empresas paralisavam por falta de matérias-primas, passaria a haver racionamento, controle de divisas, prisão dos transgressores económicos e manifestantes contra-revolucionários, fuga de capitais e pessoas, planeamento central da economia, e tudo o mais que caracterizou o regime defunto cuja Revolução seminal se assinalou ontem. E tudo isso aconteceria necessariamente - um regime comunista só pode nascer e manter-se na violência, cortando permanentemente as cabeças à hidra da Reacção.

 

Eles, os comunistas, são por vezes cultos, lidos, parlamentares brilhantes, dão aulas nas universidades, aparecem todos os dias a dizer coisas na televisão, alguns são historiadores e economistas, que Deus lhes perdoe.

 

Mas não aprenderam nada, não esqueceram nada, e ao mais que podem aspirar é cavalgar o descontentamento. E em vez dos amanhãs que cantam têm para oferecer o passado grávido de crimes, enterrado no lixo da História.

 

Que este programa cative algures entre dez e quinze de cada cem portugueses é uma medida segura da nossa miséria, atraso - e ignorância.

 

publicado por José Meireles Graça às 12:13
link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

Receita de mulher

Ando há que tempos para dizer bem de Raquel Varela, que foi enxovalhada por causa de um programa de televisão ridículo no qual disse umas coisas que não deveria ter dito a um mocinho que, sem acanhamento, se viu obrigado a responder-lhe o que competia.

 

Triste episódio; que na realidade toda a mulher bonita tem o direito de dizer tolices sem contradita, eu acho.

 

Do meu lado do espectro partidário caíram-lhe, salvo seja, em cima. E fizeram mal: deveriam ter-se remetido a um discreto silêncio.

 

A própria tem mais do que uma corda no seu arco. E hoje uma triunfante lição a quantos esquerdistas e direitistas equivocados andam por aí. É verdade que, na parte do texto que é dela, diz umas coisas sobre classes, que não percebi bem. Nem preciso: a voz dos poetas é a voz de Deus. E o ajudante que foi buscar não a redimiu a meus olhos, porque não precisava; mas, desta vez, ousamos esperar, eu e as outras pessoas de senso, que ninguém ouse botar defeito.

publicado por José Meireles Graça às 18:44
link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Constituir família?

 

 

Raquel Baptista Varela é marida de um cidadão que também é mentalmente excepcional. À luz da legislação portuguesa, está visto que podem co-adoptar pareceres. Poderão adoptar crianças? Deixo esta pergunta no ar.

 

Estará o país preparado? Até certo ponto. Mesmo no Arrastão, instituto onde se observam e defendem excepções de todo o tipo, há dois cidadãos que, escurecidos de preconceito, não vêm a coisa com bons olhos. Naquela linguagem "cavernícola" (obrigada, Galamba), de quem convive mal com o "direito à diferença" e pactua, pela "passividade bovina", com certos "retrocessos civilizacionais", dizem da doce Raquel que ela é "alienada", que "usa a ideologia" como um "pronto a vestir", e que lhe falta "bom senso". Palavras fortes, que não levo a mal: são decisões difíceis, que inflamam os ânimos e necessitam de muita ponderação.

 

Enquanto pensamos fica um excerto, uma síntese do pensamento do filósofo, que se chama António Paço:

 

"Os grandes agradecimentos que a apresentadora Fátima Campos Ferreira fez à Raquel no final do programa só se explicam, aliás, por ser óbvio que a Raquel lhe «salvara» o programa."

 

Vai à atenção de André Azevedo Alves, este meu subsídio para o dorido trabalho de investigação que está a partilhar com o estimável público, biografando a "académica" Raquel, a nível d' O Insurgente.

 

__________

 

Leitura complementar: Doce Raquel e o horário "nobre"

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 20:26
link do post | comentar
Terça-feira, 21 de Maio de 2013

Por essa rua, não.

 

Este excerto do Prós e contras de ontem é muito significativo. Pelas razões que a Margarida já aqui expôs mas também por outras muito fundas que bebem no âmago dos posicionamentos ideológicos e nas visões conflituantes de sociedade que nos trouxeram aqui e nos prendem a um presente pouco capaz de construir um futuro mais sorridente.


A esquerda radical de Raquel Varela é incapaz de entender, e pior, detesta e vê como um perigo, a capacidade muito humana de empreendedorismo que está na base do nosso sucesso como espécie. Empreendedor de sucesso era o caçador recolector capaz de melhor organizar o bando na caça, de escolher e dominar as ferramentas necessárias, de obter mais e melhor alimento para o grupo. A humanidade sem organizadores, sem pioneiros que liderassem onde estaria? Ao nível dos outros primatas? Provavelmente. Na agricultura, para além da subsistência, na explosão da indústria, sempre foram determinantes as figuras de alguns organizadores possuidores de visão excepcional que a todos trouxeram riqueza e desenvolvimento.


Raquel Varela abomina o tipo de homem que o rapaz Martim representa. Recorda-lhe o inverso da condição de ovelha contente e dependente do rebanho que ela almeja para todos nós. E o mais grave? Lendo o que se escreve no blog onde ela participa, o 5Dias, acham-se no direito de impor a mentalidade de rebanho a todos nós pela revolução.


Gente perigosa que nos pretende encaminhar para uma rua sem saída, aquela em que comunistas e seu produto evoluído, os socialistas, insistem em apresentar-nos como o amanhã sorridente e pleno de abundância sem esforço.


Fica registado o comentário de ontem para nos recordar o sonho que pretendem que abracemos como mundo maravilhoso: aquele em que o homem se diminui por vontade, escolha própria e se reduz a mais um animal passivo.  

publicado por João Pereira da Silva às 20:36
link do post | comentar | ver comentários (3)

Doce Raquel e o horário "nobre"

 

 

Vejo as "redes sociais" muito agitadas com um tal Martim, jovem bastante mais potável que o risível Miguel Gonçalves, na sequência de uma troca de impressões no Prós & Prós de ontem. Não acompanho os aplausos, muito menos os "agradecimentos" por ter, aparentemente, posto uma senhora "no seu lugar".

 

Martim tem "um negócio de moda", "a preços acessíveis", que lhe corre bem. Mesmo porque "foi bem aceite a nível das pessoas" que se davam com ele. Fátima "calcula" que seja "confortável", "desportiva", "muito jovem", "muito aliciante", "muito atractiva", e a "preços bem mais baratos" (sic) do que se fosse "roupa de marca". Raquel interrompe-o para lhe perguntar se as roupas são fabricadas na China, "com os trabalhadores a ganharem 2 dólares por dia" e "a comer uma tijela de arroz". Martim diz que não, que são feitas numa fábrica portuguesa. Raquel pergunta se ele sabe "nessa empresa portuguesa, quanto é que ganham os trabalhadores", porque "maioritariamente nas empresas têxteis os trabalhadores ganham o ordenado mínimo", o que "não é suficiente para viver". Martim responde-lhe que, "pelo menos", esses trabalhadores "não estão no desemprego". A plateia vem abaixo com as palmas.

 

Que a suposta "doutora" Raquel Varela seja (digamos) mentalmente excepcional, é um facto da vida, indesmentível, inevitável, e que não me diz respeito. Que a nossa "academia" lhe dê "graus", é exemplar. Diz mais da nossa "academia", e do que em 30 anos fomos colectivamente permitindo que se fizesse dela, do que diz da "académica" Raquel. Que a televisão pública dê palco às varelices, é uma consequência directa do ponto anterior.

 

Nada disto faz de Martim um fenómeno. Qualquer mamífero com instrução suficiente para atravessar a própria rua percebe o mundo melhor do que a doce Raquel.

 

Se Martim responde a Raquel, mostra que é educado. Se Martim responde a Raquel contrariando-a (assim, em directo e em horário "nobre"), fico na dúvida. Bem sei que Martim só tem 16 anos. E que não foi ele que a convidou. Se os "jornalistas" soubessem o que é caridade, nunca mais entrevistavam Raquel.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:42
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...
Não, não sou tão mau, Terry. É só retórica.
Não percebo como é que leio as suas alternativas e...
http://maquinadelavax.blogspot.pt/2017/12/portrait...
Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter