Domingo, 22 de Maio de 2016

Malefícios do tabaco

 

Dando cumprimento à legislação que entra agora em vigor, os maços de tabaco serão vendidos com imagens terríveis para dissuadir as pessoas de continuar a fumar. Veja o que lhe pode acontecer:

 

 

 Maço-Carlos Andrade.jpg                    Maço-Carlos Andrade.jpg

 

 

Maço-Manuela Ferreira Leite-02.jpg                      Maço-Catarina Martins.jpg

                                                                                                    (*)

Maço-Tiago.jpg                   Maço-Constança Urbano de Sousa.jpg

 

 

Maço-Vasco Palmeirim.jpg                   Maço-MBP.jpg

 

  

__________

* O maço de Marlboro é de autor desconhecido; foi encontrado no facebook.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 01:20
link do post | comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015

Lógica fuzzy

Deixa ver se percebo: a Sanofi deixou de produzir o soro "devido aos preços dos produtos concorrentes fabricados na Ásia, América Latina e África, e com os quais a Sanofi Pasteur não pode alinhar".

 

É a sina de muitos: não podem competir porque, para qualidade igual, o consumidor escolhe artigos oriundos de lugares onde os custos de produção são mais baixos. Mas neste caso parece que não - os doentes são teimosos e preferem morrer. É o que diz a Organização Médicos Sem Fronteiras, afirmando esperar que o laboratório "ponha à disposição as substâncias de base necessárias à produção do Fav-África" e encontre "uma capacidade de produção para aperfeiçoar este produto antiveneno que possa, a prazo, substituir o Fav-África".

 

Portanto, o produtor do Fav-África, que é a Sanofi, deve disponibilizar à sua concorrência "as substâncias" e, depois de o ter feito, investir na criação de um produto que faça concorrência aos seus concorrentes e a si mesma.

 

Temos portanto a lógica clássica e as suas complementares (modal, epistémica, etc. - está tudo aqui) - dessas tinha uma ideia. E temos também a lógica difusa, mais conhecida como fuzzy.

 

Não sabia o que era. Agora sei.

publicado por José Meireles Graça às 17:31
link do post | comentar
Sexta-feira, 31 de Julho de 2015

1984

Sempre suspeitei que o cartão de cidadão, com a possibilidade de armazenar dados, e os seus três ou quatro pins que é preciso memorizar, era uma pedra na tumba das liberdades; e que seria apenas uma questão de tempo até que um dos controleiros que pululam no governo e fora dele - a falta de respeito pela liberdade é, na esquerda, um dado adquirido em nome da igualdade e, na direita, quando ocorre, em nome da segurança, da eficiência, da ignorância ou da inconsciência - começasse a tirar partido do mundo de possibilidades que a informática oferece.

 

Aí está. E em vez de se ver a iniciativa por aquilo que é, um perigoso passo para amanhã se começarem a tratar dados e com base neles se imiscuírem Savonarolas da saúde pública, como o Secretário Leal, na relação médico-doente, ensinando uns a prescrever e outros a adoptar os comportamentos que as autoridades acham recomendável, censura-se os médicos porque - ó escândalo! - apenas metade "tem Cartão do Cidadão ou da sua Ordem".

 

Um imbecil que preside a um organismo que responde ao nome de Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) declarou que "um médico do Serviço Nacional de Saúde (SNS) sem Cartão do Cidadão é uma vergonha", em "sessão de esclarecimento".

 

Vergonha é haver funcionários que se permitem "esclarecer" os cidadãos que os sustentam com os seus impostos sobre o que é melhor para eles; e que não hesitam em considerar que os médicos deveriam sentir "vergonha" por não terem a merda do cartãozinho que o burocrata acha importante.

 

Já hoje as autoridades fiscais acham que o cidadão tem que ter um endereço de e-mail e uma conta bancária, o primeiro para comunicarem directamente as suas importantes opiniões e decisões, a segunda para devolverem o que não deveriam ter cobrado e, eventualmente, juntar à pilhagem dos próprios bancos a do Estado. E é claro que todos temos que ter uma ligação à Internet, e tirar cursos de formação, se tivermos menos de 65 anos, para navegar no mar de declarações que os nossos extremosos patrões nos exigem, para nosso benefício.

 

O regime fascista exigia que não nos metêssemos na política ou que, se o fizéssemos, tivéssemos a elementar prudência de o fazer do lado dele. Afora isso, deixava-nos em paz. Possivelmente, porque não tinha meios informáticos.

publicado por José Meireles Graça às 23:01
link do post | comentar
Quinta-feira, 15 de Maio de 2014

Mortes escaldantes

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde está a averiguar como a Direção-Geral da Saúde aplicou o plano para temperaturas extremas em 2013, quando o calor terá provocado mais 1.684 óbitos do que o esperado.

 

Lembro-me bem: aconteceu-me várias vezes, naquele ano fatídico, conviver com pessoas afogueadas, em circunstâncias que não justificavam acaloramentos, e de as ouvir dizer, com voz cava: morro de calor! - após o que, chamado o 112, se constatava o óbito.

 

Ignorava até agora este plano para temperaturas extremas, mas não duvidaria que, a existir, estivesse muitíssimo bem elaborado: deveria ter natureza interministerial, estrelado também com a participação da Ordem dos Médicos, da dos Enfermeiros, Serviço Nacional dos Bombeiros e institutos e observatórios vários das áreas meteorológica, sanitária e gerontológica. Tudo vertido num extenso e bem elaborado documento, atentamente discutido pelos intervenientes e destinado à leitura de profissionais, bem como outros cidadãos interessados e curiosos, logo que tivessem vagar.

 

Fui ver, na parte módulo calor 2013, e a primeira impressão não foi muito positiva: três funcionários apenas dão uma aulinha sobre a vulgata do aquecimento global, os efeitos do calor no bem-estar e na saúde e os cuidados que os cidadãos devem ter, em particular quanto à ingestão de líquidos (esta última parte sem qualquer referência ao vinho verde e à cerveja, uma omissão difícil de aceitar com equanimidade). Felizmente, a fig. 3 na página 6 revela a organização e articulação institucional para, no dizer inspirado dos autores, promover a "operacionalização" que "requer uma estrutura que rentabilize esforços, desenvolvendo e reforçando parcerias".

 

Operacionalizar e reforçar parcerias já é mais o género de coisa que deve dizer um relatório a sério. E como na tal figura são 13 os organismos envolvidos, fora a Coordenação Geral e a Co-Coordenação, e agora vai tudo ser averiguado, podemos este Verão estar certos que poderá haver um aumento de falecimentos por via de esgotamento fiscal e ataques de fúria assassina contra a estupidez contumaz, mas por calor não.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 21:45
link do post | comentar
Segunda-feira, 12 de Maio de 2014

Doutorices

Sabemos que um arrumador de carros é modernamente, na realidade, um técnico de parqueamento automóvel; um agente técnico de engenharia foi há muito promovido a engenheiro técnico, e logo depois a engenheiro tout court, enquanto as especialidades se multiplicaram a tal ponto que o cidadão prevenido não ficaria excessivamente surpreendido se uma qualquer universidade lançasse os cursos de Engenharia Em Candeeiros Articulados, de Direito de Família no ramo Casamentos com Potencial para Acabar Mal, ou de História dos Carros de Combate dos Hititas; o grau de licenciatura, para cuja obtenção eram necessários normalmente cinco anos, contenta-se agora com três; e a antiga licenciatura transmutou-se em mestrado.

 

O doutoramento, por sua vez, corre graves riscos de vir a ser outorgado em concurso, em alternativa ao automóvel de marca Audi com que as autoridades aliciam os cidadãos para servirem de fiscais da Fazenda.

 

Fica toda a gente contente: as universidades vendem o diplomazinho; os moços, armados do papel, vão para o call-center, a caixa do supermercado, a emigração e a manifestação, frustrados e cheios de auto-compaixão, mas com grande amor-próprio; os pais, que esportularam as propinas, estadias, borracheiras nas praxes e queimas das fitas, rebentam de orgulho; os liberais confiam que o mercado, no meio de tanto licenciado, fará escolhas inteligentes; a esquerda em geral louva a democratização do “conhecimento”, que mede pela quantidade de graus que as escolas, e os professores, são induzidos a atribuir; e o Estado lava as mãos.

 

Para um país cuja doutorice foi tão justamente verberada, pode dizer-se que se deram passos de gigante: um destes dias, com a vulgarização do trato, importada da América, o título de deferência passará a ser "Senhor" ou "minha Senhora".

 

Seja. Mas em relação a profissões liberais clássicas, gente prudente e reaccionária, como eu, conta com as Ordens. Eu sei: são emanações corporativas e os obstáculos que colocam à entrada no exercício da profissão, em nome da qualidade da formação, destinam-se a proteger os que estão. E de deontologia não falemos, que quem circula nos associativismos de todo o tipo distingue-se com frequência pela especialidade nas artes da moscambilha e do tráfico de influências. Mas se o Estado não garante nada; se o mercado funciona mal, porque nem sempre é possível conhecer o historial do licenciado que temos diante de nós: vamo-nos agarrar a quem, para ver o selo de garantia?

 

E quanto a profissões que foram promovidas a liberais à boleia de licenciaturas, que originaram Ordens, como a de enfermeiro?

 

Eu julgava que um enfermeiro enfermeirava e, em casos mais complicados, seguia as ordens do médico. Se tem Ordem, segue ordens como? A Ordem não tardará, se o não fez ainda, em pôr-se em bicos de pés e reivindicar autonomia para o enfermeiro: ai o médico quer que lhe ponha sinapismos? Ele não sabe nada, vou-lhe mas é lancetar esta merda.

 

E não é que vamos ter enfermeiros de família?

 

Estou por tudo. E como a Justiça evidentemente não funciona, é urgente a criação da Ordem dos Oficiais de Diligências - se é que ainda não existe. 

publicado por José Meireles Graça às 23:36
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

3 comentários

Últimos comentários

A sua conclusão é excelente.chh8btq
Essas perguntas são muito pertinentes, mas eu não ...
Quantas vidas destruíram, directamente, os milhões...
Os abusos que referi estão definidos no texto: ".....
Está a chamar a atenção, e bem, para o facto de os...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter