Quinta-feira, 14 de Setembro de 2017

Para acabar de vez com o direito à greve

2017-09-14 PSD nunca mais - Ana Cavaco.jpg

Enquanto vamos no caminho para o socialismo, o direito à greve é sagrado e consagrado na Constituição, até porque as greves são uma importante arma de combate político, sendo que geralmente são boas, as que são convocadas para combater a direita, mas há uma minoria de perversas, as que são instrumentalizadas pela direita.

E ao chegar ao socialismo? Ao chegar ao socialismo os direitos dos trabalhadores estão assegurados por definição, ou pelo menos o direito mais fundamental deles todos, o de viver em socialismo, e só pode haver greves se forem instrumentalizadas pela direita. Os socialismos reais, os que ao longo dos últimos 100 anos existiram e existem no mundo real, resolveram o problema partindo os dentes à reacção, ou seja, proibindo as greves.

Mas, dizem-nos os guias desta nossa viagem a caminho do socialismo, os socialismos reais não foram nem são realmente socialismos, foram e são regimes que até podem ter começado por uma revolução socialista, alguns com estimulantes banhos de sangue que partiram os dentes à reacção, mas que depois degeneraram e se transformaram em sistemas de capitalismo de estado, ou ditaduras, ou cleptocracias. Aquilo em que se tornaram, e o modo como lidam e lidaram com os direitos e liberdades burgueses, como lhes chamava o teórico da coisa Álvaro Cunhal num raro momento de transparência sobre o seu pensamento político, não são representativos do que podemos esperar de um socialismo autêntico, mas dos desvios ao socialismo a que essas experiências foram sujeitas, nalguns casos por desvio da linha justa dos líderes, na grande maioria por pressão do imperialismo americano do Tio Sam, que como toda a gente sabe é sempre responsável pelos desvios e desmandos dos socialismos. De onde, não podemos extrair da proibição da greve nos socialismos reais a previsão do que acontecerá ao direito à greve no socialismo autêntico que nos espera no amanhã que canta.

O que fazer então para antever com alguma probabilidade de acerto o que acontecerá no futuro ao direito à greve? O melhor preditor disponível é a posição dos socialistas que temos na realidade, porque são eles que nos estão a conduzir neste caminho para o socialismo e a determinar para que socialismo é que nos vamos finalmente dirigir. E o contexto histórico actual, em que estão imbuídos de alguma euforia por terem finalmente visto a revolução retomar o caminho do socialismo depois de quase 40 anos de desvios reaccionários e, mais recentemente, neoliberais, é propício a que se libertem e exprimam mais livremente do que antes o que trazem na alma e recalcavam. Um bocado como aconteceu quando, extinta a censura, o povo invadiu em massa as salas de cinema portuguesas para ver um certo filme agora datado mas com uma belíssima banda sonora do saxofonista argentino Gato Barbieri.

E o que dizem eles das greves que não são convocadas por eles próprios? Que são convocadas por tresloucadas que integram orgãos dirigentes do Partido dos tachos, das cunhas e das negociatas para os amigos, integrado numa reputada organização de malfeitores que em Portugal adoptou a firma de PàFia.

A mensagem é muito feliz na forma, porque recorre à palavra de ordem, um dos meios mais eficazes para interiorizar através de métodos mecânicos convicções nos pobres de espírito a quem se dirige. Mas é também particularmente feliz no conteúdo. Informa que as greves instrumentalizadas pela direita são convocadas por tresloucadas, gente que se enquadraria muito bem nos programas de reeducação desenhados pela psiquiatria soviética para recuperar os contra-revolucionários e outros atralhos que não compreendiam as virtudes do socialismo, por vezes libertando-os do fardo da vida, frequentemente acompanhados de toda a família e amigos que podiam ter estado expostos a essa doença terrível e contagiosa, a dúvida. Informa que o partido onde elas militam está infestado de boys for the jobs e corruptos, informação de utilidade suprema num contexto em que, certamente por manipulação dos media pelo patronato capitalista que os controla, chega a parecer que é outro partido que detém confortavelmente a palma nesse domínio. E informa que os partidos da reacção estão ligados por uma associação criminosa. Tudo clarinho e bem explicado, e com o poder de síntese notável que a palavra de ordem confere ao discurso.

O que nos assegura que estamos em boas mãos. Se queremos acabar de vez com o direito à greve não temos mais do que acelerar o caminho para o socialismo que os nossos, da democracia portuguesa, esclareça-se, pais fundadores nos deixaram escrito a pedra no preâmbulo da Constuição.

Boa viagem!

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:05
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter