Sábado, 1 de Julho de 2017

Como somos menos pobres chumbamos menos, ou por chumbarmos menos vamos ser mais ricos, tanto faz. O que interessa é sermos felizes.

2017-07-01 Chumbos.jpg

Em 16 anos, nunca nenhum jornal foi tão encomiástico com um governo como o Público é com o actual.

Para dizer a verdade, em muitos mais. Se calhar, só recuando ao Diário de Notícias dirigido pelo José Saramago se consegue encontrar um jornal tão militantemente encomiástico de um governo. E, para conseguir o que se conseguiu do Diário de Notícias de 1975, foi preciso recorrer à força bruta, aos despedimentos decididos em plenário, sem processo disciplinar, nem indemnização, nem fundo de desemprego, que a praxis laboral quando o PCP governa é de uma têmpera mais rija do que a dos moles dos capitalistas. E se não resultasse mandavam-se-lhe umas Chaimites para mostrar quem mandava. E o governo da altura até era dirigido por um brilhante primeiro-ministro, o companheiro Vasco da muralha de aço. Agora, basta ao primeiro ministro existir e fazer olhinhos às bloquistas, por quem os jornalistas se perdem de ternura, para ter jornais que o carregam num andor, sem necessidade de violência nem ameaças. Enfim, com só algumas ameaças. Uma época que fez escola.

Esta pérola que o Público, à falta dos saquinhos com brindes dos jornais do tio Balsemão, que também dispensam um amor incondicional ao António Costa, não devemos cometer a injustiça de o esquecer, nos oferece para embelezar o nosso fim-de-semana informa o povo num dos seus típicos quadrinhos com uma notícia principal e uma série de títulos que dirigem os leitores mais lentos de compreensão para a interpretação correcta da notícia, que uma figura vale mais do que mil palavras de ordem, que em Portugal nunca se chumbou tão pouco, não cuidando de explicar se é por aumento da qualidade do ensino ou por redução da exigência, o que não interessa para nada porque o objectivo do ensino no Tempo Novo socialista não é que os meninos fiquem a saber alguma coisa, até já criaram uma Matemática pós-Moderna que substitui com vantagem as Matemáticas Moderna e Clássica por dispensar os parêntesis nas expressões algébricas, nem se distingam uns dos outros pelo mérito que pode desarranjar a estratificação social que levam à partida, mas que sejam devolvidos às famílias felizes e sem retenções ao fim dos seus percursos escolares, e da relação entre chumbos e pobreza, sem explicar qual é a causa e qual a consequência, mas identificando uma vantagem importante em não haver chumbos: os meninos estão menos tempo no sistema de ensino, custam menos, e torna-se mais fácil atingir deficits ambiciosos que deleitam os socialistas e as bloquistas quando são elogiados pelo austero professor Wolfgang Schäuble. Também pouco importa.

No mundo côr-de-rosa "Acção Socialista" do Público, ou os portugueses estão a chumbar menos por serem menos pobres, ou vão enriquecer por terem menos chumbos.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 10:19
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 26 de Agosto de 2016

Tudo o que sempre quis saber sobre economia especulativa de casino *

* mas teve vergonha de perguntar.

Mais um complemento ao MBA rápido para jovens socialistas que pretendam vir a assumir a pasta da Finanças em governos socialistas. Nunca deixamos os nossos alumni ao Deus dará.

Do Mário Soares ao Francisco Louçã, da Catarina Martins e das manas Mortágua ao João Galamba, à Ana Catarina Mendes, ao Pedro Nuno Santos, os socialistas do Tempo Novo, até os comunistas da velha guarda tão resistentes a aderir ao folclore da moda, toda a gente que conta fala de economia especulativa de casino.

Mas afinal o que é economia especulativa de casino? Sabe? Não sabe e passa pela vergonha de não perceber bem o que é que eles lhe dizem com tanta convicção ou vê-se mesmo forçado a evitar meter-se em discussões para disfarçar a sua ignorância? Tenho a resposta para si!

Economia especulativa de casino é vender títulos de dívida de alto risco de não virem a ser remunerados e reembolsados nos termos contratualizados, e compensar esse risco com a promessa de juros altos para aliciar os investidores com maior preferência pelo risco ou os mais aversos ao risco mas incautos.

Por exemplo? As obrigações subordinadas que o governo socialista vai mandar a CGD emitir para vender a investidores privados no âmbito do seu processo de recapitalização.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:11
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 4 de Junho de 2016

Notícias do manicómio: a mitomania

Depois de comparar o papel da TAP, desde que com gestão pública e à mercê dos sindicatos, no século XXI com o das caravelas que no século XIV fizeram os descobrimentos que se iniciaram no século XV, porque "...é isso que nos permite inserir nas rotas da globalização...", e de comparar a inauguração do túnel do Marão por ele próprio com a da ponte Salazar pelo Salazar, porque "...há 50 anos o Tejo, hoje o Marão...", o António Costa volta a insinuar o seu magnífico esplendor anunciando que vai colocar Portugal "...na primeira linha de uma revolução industrial, onde aquilo que é essencial é a qualificação...".

E como é que ele vai conseguir colocar Portugal nessa primeira linha ao mesmo tempo que lançou um sólido conjunto de desincentivos estruturais ao investimento, como a reversão, por proposta do BE, da redução gradual da taxa de IRC até aos 17% acordada entre a maioria e o PS do Seguro na legislatura anterior, o aumento imediato do salário mínimo com promessa de continuar a aumentar até chegar aos 19% durante a legislatura, a redução do horário de trabalho na função pública que incentiva os sindicatos a lutarem por igual redução no sector privado, ou a reposição dos feriados e o aumento das férias, que estão a ter os resultados esperados no investimento, no emprego e no crescimento?

É canja: vai lançar dois programas, o Programa Nacional Start-Up e o Indústria 4.0, programas com nomes fashion e aiteque que, além de fazerem tremer as pernas ao governante irlandês que se vai ver ultrapassado na capacidade de captação de investimento com base em receitas noliberais como taxas de IRC de 12,5%, que martirizam o povo irlandês e o condenam e uma economia anémica e injusta, nos vão permitir liderar a tal revolução industrial do tempo novo. Ou, mesmo que não permitam, apoiarão pelo menos a criação de umas dezenas de empregos a quadros altamente qualificados com salários acima da média que, enquanto permanecerem em laboração, proporcionarão boas reportagens televisivas de visitas de governantes a casos de sucesso da nova economia do tempo novo planeada pelo estado. Para essas dezenas, e enquanto as novas indústrias não falirem e os despedirem, será uma boa alternativa às oportunidades de emprego com salários baixos.

Até aqui, tudo bem. O mínimo que se pode dizer é que ele se esforça por aquilo em que acredita, mesmo que seja ilusório, disparatado, e mesmo em completa contra-mão com a realidade. E proporciona-nos bons momentos de humor, o que, não sendo o principal objectivo de um primeiro ministro, a não ser em regimes populistas, o que ainda não é o caso, ainda não, são pelo menos de se aproveitar, que a vida não está para risotas. Mas o facto de conseguir dizer coisas destas sem se desatar a rir pode sugerir que esteja a ser vítima de uma patologia, a mitomania.

Na falta de um psiquiatra na plateia, vejo-me forçado a socorrer à Wikipedia, sempre falível, mas de alguma utilidade, desde que se tenha noção da possibilidade de conter erros. E o que diz a Wikipedia sobre os sintomas da mitomania que nos possa servir de ajuda para a diagnosticar ao primeiro-ministro? Isto:

  • As histórias contadas não são totalmente improváveis ​​e muitas vezes têm algum elemento de verdade. Elas não são uma manifestação de delírio ou de algum tipo de psicose mais amplo: quando confrontado, o contador pode admitir que elas são falsas, mesmo que a contragosto. 
  • A tendência de contar mentiras é duradoura, não sendo provocada apenas por situação imediata ou pressão social, sendo uma característica natural da personalidade. 
  • A motivação definitivamente emocional (medo, vergonha, desejo por aprovação), sem benefícios externos óbvios (como vender produtos, manter um relacionamento ou escapar impune de um crime). 
  • As mentiras tendem a apresentar o mentiroso favoravelmente. Por exemplo, a pessoa pode ser apresentada como sendo fantasticamente corajosa, muito esperta, feliz, bem sucedida ou bem relacionada com pessoas famosas. 

A acreditar nos critérios enumerados pela Wikipedia, a presença de benefícios externos óbvios nas situações em que o António Costa exibe sintomas de mitomania permite afastar esse diagnóstico. Não é um mitómano. É apenas um aldrabão.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:03
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

O Tempo Novo

Perfeitos seis meses quase perfeitos de Tempo Novo, vejo-me impelido a, em nome do Gremlin Literário, oferecer aos leitores uma modesta colecção de cromos comemorativa das grandes realizações do socialismo nacional, subordinados ao tema "A Lição de Costa", com a esperança que os leitores os distribuam por todas as escolas oficiais do país, a começar pelas que vão receber os alunos oriundos dos colégios com contrato de associação que são apenas movidos pela ganância do lucro e com que a revolução nacional terá um dia, que se espera em breve, que extinguir.

 

Lição nº 1 - Dívida soberana

Graças à leitura inteligente dos tratados e a bater o pé a Bruxelas, os títulos do Estado português, fortes pela modelar administração que dispensa medidas adicionais e planos B, têm hoje taxas de juro das mais altas da Europa.

 

Lição nº 2 - Reconstrução e Reabilitação

Do abandono das funções do Estado, e das ruinas do estado social demolido para ser entregue aos privados, sinais de neoliberalismo e insensibilidade social, o Tempo Novo, ao mesmo tempo que edifica através do Parque Escolar, faz renascer o património da Nação pela reabilitação urbana para instalar hotéis de charme, um investimento magnífico para fazer crescer o dinheiro dos reformados.

 

Lição nº 3 - Soldados e Marinheiros

Em contraste com o zero da fôrça armada, a que as chefias militares retrógradas e homofóbicas a haviam reduzido através da proibição de afectos, o Tempo Novo assegura, em todos os campos, com os mais eficientes meios técnicos, a defesa da Nação e do Império por soldados felizes porque podem fazer o amor uns com os outros sem as chefias, prontamente obrigadas à autocrítica e submetidas ao vexame público em comissão parlamentar, e escorraçadas pela comandante suprema Mariana Mortágua, perturbarem o seu direito à manifestação dos afectos.

 

Lição nº 4 - Operários e Camponeses

Com o Tempo Novo, e sob a orientação do vice-primeiro ministro Arménio Carlos, inicia-se uma era de dignificação do trabalho com o combate à precariedade, só no privado, o horário de 35 horas, só na função pública e para quem pode, e a recuperação da contratação colectiva e um dia, quem sabe? oxalá, a sagração da unicidade sindical.

 

Lição nº 5 - A justa luta dos Estivadores

Não havia portos que satisfizessem as exigências dos estivadores nacionais ou que ao menos servissem de apoio à rude faina dos nossos sindicalistas. Está a construí-los o Tempo Novo, e já os maiores armadores desamparam a loja para haver espaço para atracarem os cruzeiros de charme. Isto, para quem está com atenção, anda tudo ligado.

 

Lição nº 6 - Energias Renováveis e Auto-estradas

Onde eram escalvados os montes, ressequidos os campos e intransitáveis os caminhos, já reverdecem graciosas centrais eólicas, brilham poderosas fotovoltaicas, e magníficas auto-estradas cortam Portugal em todas as direcções e sentidos, paralelas e ortogonais.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:10
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

A verdade é sempre um problema. Temos os problemas...
Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter