Quarta-feira, 2 de Setembro de 2015

Tahrir e outras praças

A segunda metade do séc. XX foi, entre outras coisas, o tempo da descolonização. Não é que não tivesse havido descolonizações antes: no séc. XIX a Espanha e Portugal já haviam visto a independência de uma quantidade de países na América do Sul; a seguir à Grande Guerra os impérios germânico, austro-húngaro e otomano esfrangalharam-se; e no XVIII os Estados Unidos (ou o embrião deles) haviam-se tornado independentes da Grã-Bretanha, embora os habitantes originários da terra não tivessem tido uma palavra de relevo a dizer, ocupados que estavam a evitar o extermínio pelos colonos - o double standard americano não é uma invenção recente.

 

Mas descolonização militante, com largos sectores da opinião pública do país colonizador a protestarem a favor da independência das colónias, isso sim é uma invenção moderna, soprada pelo fim da Segunda Guerra Mundial e a sua sucessão pela Guerra Fria, bem como pela emergência do Terceiro Mundo com as suas minúsculas elites quase sempre educadas no país colonizador e ansiosas por substituírem os antigos patrões pelas suas generosas, patrióticas e com frequência marxistas luzes.

 

A descolonização, como a colonização, foi uma história quase sempre infeliz. E é apenas esta a generalização que é possível fazer, porque cada país é um caso, e um caso triste à maneira de cada qual, e raramente de sucesso - o subcontinente indiano é berço de civilizações e religiões muito mais antigas que as britânicas, e aí se enxertaram instituições que deram origem pelo menos a uma democracia funcional. Mas isto nada tem que ver, por exemplo, com o Congo Belga, local de uma experiência colonial selvática levada a cabo pelo simpático Leopoldo II; nem com nenhum dos outros países da África subsariana, com excepção da África do Sul, ou, já agora, da Líbia ou qualquer dos antigos protectorados britânicos e franceses no Oriente Médio.

 

Quer dizer que um mínimo de honestidade intelectual deveria fazer-nos reflectir que muitos países chegaram à independência cedo de mais. E mesmo que, como era o caso, fosse inútil para o colonizador lúcido cuspir contra os ventos da História, envolvendo-se em guerras inúteis - como fizeram os franceses na Argélia e nós na África portuguesa, por exemplo - pode concluir-se que a opinião pública não é o melhor conselheiro para compreender processos históricos. E se os bons sentimentos anti-coloniais induziram em erro tanto estadista, o que os de hoje pensam não nos deve impressionar excessivamente.

 

Cada caso é um caso, e assim a segunda lição a tirar das guerras e tensões tribais, religiosas e políticas na Líbia ou na Síria, e em parte do mundo árabe e muçulmano, e das migrações que todas estas convulsões estão a originar, é que não é possível delinear qualquer política que não resulte em desastre sem um conhecimento histórico rigoroso - o conhecimento que faltou ao cowboy Bush filho, e falta a frei Obama, campeão dos bons sentimentos e das sonoridades para o noticiário das 8. Senão, um teria pensado duas vezes antes de derrubar o carniceiro Saddam, e o outro três vezes antes de libertar os demónios que o coronel de opereta Kadhafi mantinha aferrolhados.

 

O que acha a opinião pública, ou parte dela, vale ainda menos: foi ontem que a imprensa estava pejada de discursos líricos sobre a Primavera Árabe. Mas na Tunísia, Egipto, Argélia, Líbia, Iémen e Síria nada mudou nos melhores casos; e, nos piores, originaram-se essas vagas de migrantes uns, refugiados outros, que hoje chegam à costa norte do Mediterrâneo ou às portas da fortaleza Europa, desnorteando políticos avassalados pela dimensão do problema e ansiosos por que os seus eleitorados lhes deem pistas, e as instituições europeias dinheiro, para saberem como lidar com ele.

 

A chanceler Merkel, com típica eficiência alemã, já escolheu: para este ano 800.000, e entretanto os restantes estados europeus que se despachem: se a Alemanha pode com tantos, decerto os outros, na medida da sua economia e população, hão-de poder, no conjunto, com bastante mais.

 

Estamos a falar de refugiados e das leis que regulam o apoio que, por razões humanitárias, lhes deve ser dado.

 

Mas sobre como se distingue um refugiado de um emigrante não tenho lido nada; e sobre a forma como, na origem, se pode estancar estes incessantes fluxos (os 800.000 serão um incentivo a muitos mais), ainda menos. E, sem isto, a mesma opinião pública que hoje se indigna com as imagens dos naufrágios e do tráfico indigno de seres humanos pelas mais odiosas formas, amanhã deixará o seu natural egoísmo vir ao de cima quando comunidades estranhas e inassimiláveis entrarem em fatal competição pelos recursos públicos, e tentarem impôr as suas crenças, práticas sociais e costumes arcaicos a sociedades que não compreendem, nem aceitam, e em relação às quais têm um surdo e atávico ressentimento.

 

É que não é a mesma coisa chegarem refugiados destes à Jordânia, ou mesmo à Turquia ou aos emiratos, e ao Reino Unido, Alemanha, França ou Suécia - num caso o problema é sobretudo económico, no outro será sobretudo social.

 

O cálculo de Merkel - a economia alemã precisa de um influxo de trabalhadores e, historicamente, as emigrações massivas costumam beneficiar a prazo os países de destino - sairá furado, na Alemanha e no resto da Europa, porque um corpo velho e emagrecido precisa de sangue novo e gordura - não de um tumor.

 

Noutras paragens, há quem já há algum tempo defenda soluções que, pelo menos, ajudariam a separar o trigo do joio. E os mesmos americanos que inicialmente apostaram no derrube de Assad, e estiveram na origem da queda de Khadafi, talvez já estejam agora meio convencidos de que afastar ditadores é uma coisa; e garantir que no lugar deles não fiquem inimigos e o caos outra, muito diferente. Quem sabe até se um exército ou outro não poderia ir dar uma mãozinha no terreno, não, desta vez, para escavacar tudo e esperar que no entulho nasça a flor da democracia, do estado de direito e outras frescuras de infiéis, mas para ajudar quem pode pôr ordem na casa, mesmo que seja um filho de puta - porque, se for um pouco nosso, sempre poderemos ter, talvez, alguma coisa a dizer.

 

Precisamos de quem não esteja demasiado tempo ocupado a agradar à opinião pública, de toda a maneira um rameira volúvel, mas antes de quem, no mínimo, tenha a prudência suficiente para não arranjar sarna para se coçar, com perdão da imagem: os bons sentimentos vão, como é sabido, parar ao Inferno; o cinismo, nem sempre.

 

Não consta que haja, nas levas de refugiados, muitos egípcios. Há por aí alguém que saiba dizer, exactamente, de que forma é que o general Sisi é melhor do que Mubarak, que a praça Tahrir derrubou?

 

É igual. Ainda bem.

publicado por José Meireles Graça às 01:36
link do post | comentar
3 comentários:
De Rosário Coimbra a 2 de Setembro de 2015 às 22:25
Concordo, excepto no parágrafo da Merkel. Parece-me bem mais que a chanceler está a usar o êxodo para reforçar os tedeschi na liderança europeia. Quanto a soluções, acho que já vamos tarde. Os refugiados entrarão aos milhões, quer queiramos ou não.
De José Meireles Graça a 2 de Setembro de 2015 às 23:11
Se for assim, espero que te sintas bem de burqa.
De Rosário Coimbra a 3 de Setembro de 2015 às 10:09
Estou convencida de que a Europa e os seus líderes saberão estabelecer os necessários consensos sobre as divergências culturais. Vejo o TC, por exemplo, a estabelecer que a burqa deve obrigatoriamente ser adoptada pelo sexo masculino - claro, em honra ao princípio da igualdade.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!
Tenho tentado perceber este conserto gadal da tsu,...
Resta-nos a alegria de ver a tristeza deles por nã...
Os pulhiticos actualmente a "governar" parecem aqu...

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter