Quarta-feira, 29 de Junho de 2016

Três europas

Acho - a sério que acho - a maior parte dos meus concidadãos um bom feixe de totós: qualquer óbvio parlapatão, como Sócrates ou Costa, para referir apenas dois dos mais recentes, lhes come as papas na cabeça, um e outro apoiados contra ventos, marés e a evidência, até ao ponto em que a porca realidade bate à porta, o que sucederá também com a segunda destas personagens; caso em que mudam de cavalo, em geral para um tipo dito de direita que vai colar os cacos, após o que regressa outro socialista que embrulha a mesma velha receita numa nova girândola de promessas e facilidades.

 

Quando, volta e meia, a direita chega ao poder, faz o que pode para não hostilizar nenhum grupo dos que quarenta anos de democracia dependuraram no Estado, ao mesmo tempo que introduz um módico de racionalidade nas contas. Receita infalível para nem as equilibrar duradouramente, nem segurar o eleitorado, nem introduzir qualquer dinâmica permanente de crescimento económico: porque o que faz, no esforço impossível de conservar o Estado Social como o desenharam os seus numerosos pais, é aumentar os impostos dos ricos (na realidade a classe média, que ricos verdadeiros já não há nem em quantidade nem em volume) e fazer cortes - poucos e a eito, que distribuindo-os pelo maior número impactam menos.

 

As coisas pareceram diferentes nos consulados cavaquistas, que ao mesmo tempo deram a impressão de enterrar o PREC, promover o crescimento, expandir o Estado e afastar os demónios da esquerdização do país - um milagre que a cornucópia dos milhões da CEE e um módico de realismo na gestão do erário público, depois de mais de dez anos de loucura, engendraram.

 

Depois veio o Euro. E como nada mudou profundamente nem nas convicções do eleitorado, nem nas práticas de governo, nem nas clientelas e dependentes do Estado, e a tudo se somou o crédito fácil porque a dívida externa havia deixado de ser, na esclarecida opinião de, entre muitos outros, o celebrado Vítor Constâncio, um problema, aterramos na falência de 2011 - que só não teve lugar mais cedo porque as instâncias europeias estavam elas próprias, como ainda estão hoje, enxundiadas de constâncios de vária forma e feitio.

 

O país ficou desde então esquizofrénico: de um lado a esquerda comunista, a genuína e a do facelift, a primeira a defender a saída do Euro, sempre sem explicar de que forma é que o país se financiaria depois, decerto porque tem uma solução à la Ceausescu, e a segunda a dizer umas coisas ternas que implicam que os países credores passem a ser governados por gente da estirpe de frei Anacleto; no meio, a esquerda socialista a defender precisamente as mesmas políticas que conduziram ao desastre, numa versão mais palatável para os credores, e confiante em que os países do Sul acabem por impôr ao Norte a política do gaste agora e pague num dos próximos séculos; e do outro a direita, confiante em que as instâncias europeias exijam ao eleitorado português o juízo que este não tem, porque o dinheiro é deles, e nosso é apenas um modo de vida que não temos meios para sustentar.

 

É neste caldo que cai a notícia do Brexit. E, pelas razões erradas, uns se confessam a favor e outros contra. Isto na opinião publicada, que a pública está naturalmente preocupada com as verdadeiras condições físicas de Moutinho, o estado de espírito de Ronaldo e a possibilidade de tirar uma selfie com Marcelo.

 

A esquerda comunista gosta, oficialmente porque o povo falou e, desta vez, falou bem, na realidade porque a UE capitalista sai enfraquecida e se quebrou o tabu da irreversibilidade da permanência.

 

A esquerda socialista detesta: o fonds de commerce do PS sempre foi o Serviço Nacional de Saúde, o sistema de pensões, a obra pública, o Estado pletórico, o Euro, o crédito barato, os fundos de coesão, os boys, a retórica (e os proveitos) da Europa Connosco, e a esperança de que um dia nos Estados Unidos da Europa houvesse um mecanismo permanente de transferência dos ricos para os pobres, com o louvável propósito de ficarem estes igualmente ricos e, entretanto, se sustentarem todos estes avanços civilizacionais. Isto para não falar dos prémios de carreira oferecidos pelo Parlamento Europeu a políticos particularmente dotados, dos excelentes lugares que a burocracia reserva a gente empreendedora albardada de diplomas, das numerosas oportunidades de lobbying, e das avenidas abertas por fundos públicos para as mais diversas, e generosas, oportunidades de corrupção e negociatas. O Brexit estraga este suave arranjo, por pôr a nu o facto incontornável de, algures numa Europa unsufferably variada, haver eleitorados que prezam ideias ultrapassadas como quererem responsabilizar os seus eleitos directos pelas decisões que tomam, não admitirem escolhas, tomadas por estrangeiros, que afectem as suas vidas, não aceitarem a prevalência do direito comunitário, quererem ter uma palavra decisiva sobre política externa, acordos comerciais, fiscalidade, banca, tratamento a reservar para imigrantes, comidas e comportamentos, incluindo a capacidade dos autoclismos e a vida de todos os dias - que os técnicos do Estado Central Bruxelense regulam de forma superiormente competente, decerto, mas em obediência ao estúpido princípio de que one size fits all.

 

O PSD, suposto que haja apenas um (o que é discutível: o de Passos Coelho não é certamente o mesmo partido que o de Manuela Ferreira Leite ou do intelectual Pacheco, o qual pouco terá a ver com o Presidente dos afectos) diverge muito do PS sobre o que fazer na ordem interna, mas no que toca às relações com a UE a divergência reduz-se à escolha do método para espremer a teta europeia: o PSD quer ser um bom aluno e o PS um aluno aldrabão, mas muito temperamental e simpático. No PSD, portanto, o Brexit não caiu bem: não há por lá falta de federalistas, que entendem estarem as instâncias europeias recheadas de cérebros das melhores extracções, que no Parlamento Europeu se reúne a fina flor dos democratas europeus, e que aquela parte, de resto infelizmente crescente, de eleitores xenófobos, retrógrados e reaccionários, em vários países, é apenas uma vaga passageira, assustada com os imigrantes, a globalização e a modernidade, que se pode conter com algumas cedências, à espera que morram ou diminuam - são sobretudo velhos, desempregados, desapossados e gente sem formação.

 

Uma parte do CDS gostaria de ser independentista, e outra não morre de amores pela Europa socialista, nem por quaisquer socialismos de toda a pinta, mas o país deixou há muito de ter até mesmo aquele pequeno grau de autonomia que podem ter os pequenos países, se não dependerem de credores. E vai por isso mantendo a chama acesa de algum conservadorismo em questões sociais, à espera de melhores dias, almejando no intervalo chegar ao Poder com o recente parceiro, cuja ocasional deriva socialista quer moderar.

 

Temos então que o país oficial não vê o Brexit com bons olhos. E os meus concidadãos, dos quais falava a princípio? A minha suspeita é que se estão nas tintas: há muito tempo que o reformado se preocupa com a sua pensão, o funcionário público com o seu lugar, o empregado com o seu emprego, o doente com a data da consulta ou da operação, alguns pobres ou ciganos com o RSI, os desempregados com o tempo que falta para acabar o subsídio, os empresários com as empresas, o sem-abrigo com a próxima refeição e todos com o Campeonato Europeu. Intuem confusamente, com razão, que o que conta para o país não se decide cá, que na dúvida é melhor apoiar quem lhes põe alguns euros no bolso, mesmo que poucos, e que entre uma gente sorridente que lhes promete um futuro radioso em que não acreditam e outra sombria que lhes promete sangue, suor e lágrimas já a seguir, mais vale ir pelos primeiros - pode ser que dure. Quando for preciso virar o bico ao prego, cá estarão: ninguém votou no eng.º Sócrates, não é verdade?

 

Com o que se passa nas Ilhas Britânicas preocupam-se os emigrantes lá, que supõem que o fim da livre circulação de trabalhadores os pode prejudicar. Pode, de facto, se as autoridades locais resolverem auto infligir-se danos. Há sinais disso? Não vejo. E também não vejo que nas negociações de saída não seja possível salvaguardar os interesses dos trabalhadores portugueses - já lá vamos.

 

Restam aquelas pessoas que se dão ao trabalho de pensar a UE, o nosso país e o futuro. Deixemos de lado os comunistas, e o arco-íris do BE - essa gente não conta, por muito barulho que faça e muito espaço que ocupe na comunicação social: uns comem consabidamente crianças ao pequeno-almoço e outros são uns espécimes suspeitos que nem têm a competência que o eleitor imagina ao PS para gerir o Estado Social nem a do PC para revolucionar. Se a uns acabarem com a chupice dos sindicalistas e a clientela das câmaras do Alentejo e a outros fecharem os cineclubes, as cervejarias, as manifestações gay e contra os toiros de lide - apagam-se.

 

Deixemos de lado também a gente enfarinhada nos restantes partidos: conquistar e conservar o eleitorado e defender ao mesmo tempo ideias escorreitas é tarefa que em Portugal é ainda menos possível do que noutros lugares: o dr. Medina Carreira andou anos a dizer que o país ia bater na parede, como bateu, e a verberar a classe política por não dizer a verdade, sempre lhe tendo escapado o detalhe óbvio de que, se fosse candidato a alguma coisa, a verdade dele teria ainda menos votos do que os recolhidos pelo seu amigo Henrique Neto nas presidenciais. O que diz a gente dos partidos é o que cada partido acha, em nome da táctica eleitoral, que se deve dizer - e está bem assim porque um partido não é uma associação de suicidas nem um grupo de escuteiros.

 

Mas a quem não é de esquerda, não papagueia linhas de partidos, e não é federalista, tenho ouvido coisas extraordinárias: que a saída do Reino Unido implica a secessão da Escócia, e talvez do País de Gales; que o Reino Unido, sozinho, perderá influência no mundo; e que foram os velhos, e não os jovens ambiciosos, modernos, aguerridos e desempoeirados, os responsáveis pela vitória do Brexit.

 

Comecemos pelo fim: a ideia de que os jovens, e nunca os velhos, têm razão, filia-se não sei em que estranha análise sociológica. Acaso foram velhos que levaram o partido Nazi, ou Mussolini, ou os Bolcheviques, ao Poder? Aquele jovem com aspecto de tísico que lidera o Podemos é mais lúcido do que Rajoy, cuja barba está semeada de brancas? E não está entre nós a bancada do BE estrelada com umas jovens, e uns moços, dos quais é legítimo suspeitar que têm, entre as orelhas, uma forte corrente de ar, e não foi sobretudo gente nova urbana que os escolheu?

 

O Reino Unido foi sempre, nas instâncias europeias, a pain in the ass, e sempre negociou cedências e excepções. Mesmo assim, e para quem não puder com Nigel Farage (um político que em Portugal é tão conhecido, e tão divulgado, como o governador do Delaware, não obstante as suas frequentes intervenções no Parlamento Europeu, o tal que os europeus conhecem e os representa) basta acompanhar Daniel Hannan para perceber as razões de queixa que pode ter quem não tem para com o seu país a mesma atitude de desdém que nós justificadamente temos para com o nosso.

 

Sobre a influência do Reino Unido no mundo talvez seja útil lembrar que a União Europeia se tem distinguido, precisamente, por não a ter: nenhuma guerra começou ou acabou, dentro e fora da Europa, por causa da UE; assim de repente não sou capaz de dizer como se chama a senhora ministra dos Negócios Estrangeiros da UE, se é que ainda é uma senhora; e nem o problema dos refugiados (os autênticos, não os imigrantes económicos) a UE consegue resolver, porque para a solução das guerras que lhes deram origem a UE contribui com declarações, mas não com o Exército que não tem nem, salvo na cabeça de alguns alucinados, virá a ter.

 

E não será despiciendo lembrar o que o Reino Unido pode ganhar comercialmente não estando na UE, já que não falta quem enumere o que pode perder. Ver aqui.

 

Resta a secessão. O argumento segundo o qual seria necessária a unanimidade dos 27 países para admitir na UE uma Escócia independente, e que a Espanha nunca concordará, por causa da Catalunha, é pouco convincente. Uma UE vingativa decerto encontraria formas imaginativas de punir o eleitorado inglês pelo atrevimento, contornando a objecção espanhola. E por isso cabe perguntar: deve a UE ser vingativa, como por esta desastrada iniciativa se percebe, ou pela grotesca ideia de eliminar o inglês das línguas de trabalho (a benefício, supõe-se, do esperanto), ou pelas insolentes declarações de Juncker, o liliputiano apparatchick europeu que já conseguiu o prodígio de fazer Durão Barroso parecer um estadista?

 

Não, não deve - punir eleitores pelas escolhas democráticas que fazem é coisa que pertence ao destino, se as escolhas forem erradas, não é castigo que uns eleitos (mesmo que o fossem: a legitimidade de Juncker, Tusk e Schultz é uma construção ficcional) possam impôr a outros, porque não existem uns de primeira e outros de segunda: os totós a que me refiro no início deste post são-no de facto, na minha opinião, mas não têm menos legitimidade do que a minha na hora de votar.

 

A vingança é má conselheira, e é-o mesmo do ponto de vista dos interesses de quem a exerce: a liberdade de circulação de bens, capitais e pessoas (pessoas, entenda-se, originárias e naturais do espaço europeu, e liberdade de circulação, não liberdade de aproveitamento de benefícios sociais), que devia ser a pedra angular da UE, não foi a razão pela qual tantos ingleses votaram pelo Brexit - mas sim o furor legislativo, anti-identitário e supra-nacional. E o acordo de saída a que se vier a chegar deveria assim, pelo menos, não apenas ser semelhante ao que regula as relações com a Noruega ou a Suiça, mas mais europeísta, na medida que o governo inglês o deseje e entenda ser do seu interesse. O argumento segundo o qual os ingleses não podem ter os benefícios do mercado único sem terem os custos é, além de repugnante, estúpido: a liberdade de comércio, bem como quaisquer outras liberdades mutuamente reconhecidas, funciona a benefício das partes.

 

É porém duvidoso que venha a acontecer: os europeístas foram sempre, como todos os construtores de impérios, uma malta arrogante, fiados na superioridade das suas crenças e na inevitabilidade da realização das suas engenharias de pátrias; ao mesmo tempo que os eurocépticos foram sempre uma tropa prudente, desconfiada de avanços bruscos em nome de ideias redentoras e de terraplanagens de passados históricos, que não existem menos por serem mal conhecidos e mal interpretados.

 

A ironia triste de tudo isto é que os eurocépticos merecerão, provavelmente, ficar como os verdadeiros europeístas, porque sempre tiveram a ideia de que a Europa que vale a pena tem tantas formas geométricas quantos os graus de harmonização que os países que a integram livremente quiserem; que a liberdade de comércio faz mais pelo entendimento entre os povos do que todos os tratados; e que a interdependência é uma inevitabilidade do acelerar dos meios de comunicação e do progresso tecnológico, não alguma coisa que uns burocratas pagos a peso de ouro possam decidir no silêncio dos gabinetes, presenteando depois os cidadãos com as suas decisões democráticas.

 

Esta Europa possível, da qual o Reino Unido não se teria evadido, já existiu, e chamava-se CEE. É certo que os “pais fundadores” inscreveram nos tratados a superioridade do direito comunitário, com isso plantando o vírus que destruiria a prazo o edifício. Mas não era inevitável que, sem tanto euro-entusiasta, se tivesse chegado a Maastricht.

 

Porque Maastricht e o Euro são possivelmente a razão porque o acordo com o Reino Unido não será um bom acordo. Explico: é hoje mais ou menos pacífico que a moeda única implica políticas orçamentais e fiscais unificadas, ou seja, mais integração; a pulsão para essa integração ser extensiva aos países que não estão no Euro será permanente porque não o fazer implica a existência de uma Europa a duas velocidades, uma ideia antipática para o monolitismo da burocracia; um bom acordo com o Reino significa na prática que este ficaria na CEE renascida, 19 no Euro e 8 na UE sem Euro - três europas, portanto. Acresce que o possível sucesso do Brexit sinaliza àqueles que não estão no Euro, e que por isso teriam mais facilidade em sair, que a permanência não será talvez a melhor das escolhas. Isto, por sua vez, reforçaria a convicção de que o Euro é uma espécie de núcleo duro da UE, o que choca com eleitorados crescentemente cépticos e que querem menos, e não mais, integração.

 

A tentação será assim grande de punir os ingleses, não tanto por eles mas, sobretudo, pelos que ficam, para não lhes dar ideias.

 

São previsões, hipóteses e lucubrações - a possibilidade de falhar é sempre maior do que a de acertar. De adquirido temos que a face risonha da União Europeia, a versão não-comunista do amanhã cantante, está desfigurada com a falha de um incisivo que caiu, vendo-se agora melhor as cáries que havia lá para trás; que o Euro, uma invenção de economistas patetas e políticos visionários, consegue ser um problema até mesmo para quem nele não participa; e que o cerrar fileiras que a burocracia imperial pode ter a tentação de fazer não deixará de confirmar aos velhos, aos ignorantes, aos retrógrados, aos timoratos, aos xenófobos e a todos que, em vários países, que não o nosso, não são nada disso mas confiam pouco nas ideias que os bem-pensantes propalam, que é sempre possível mudar.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 12:57
link do post | comentar
7 comentários:
De José Costa Pinto a 29 de Junho de 2016 às 14:22
Um abraço de felicitações para o José Meireles Graça por este texto, com o qual qualquer ser não desmiolado está basicamente de acordo, não por ter de estar, mas pela evidência cristalina do que nele se diz.
De José Meireles Graça a 29 de Junho de 2016 às 16:04
Agradeço as felicitações e retribuo o abraço, José, mas algo me diz que não falta por aí pessoal, sem ser desmiolado, que é bem capaz de me demolir a construção: ele há gente para tudo.
De JS a 29 de Junho de 2016 às 18:44
Muito bom.
Importa-se de concorrer à Presidência desta República ?.
É que gostava de viver num País com um PR inteligente e democrata. (Referendo "jamais").
De José Meireles Graça a 29 de Junho de 2016 às 19:12
A ideia é de facto boa, desde logo porque já era tempo de o país ter um presidente careca. Mas tenho más notícias: nem umas eleições para a Junta de Freguesia conseguiria ganhar.
De Terry Malloy a 29 de Junho de 2016 às 23:37
Magnífico texto.
De cristof a 30 de Junho de 2016 às 00:49
Concordo com muito , com a reserva : 1 A Merkl não precisou de tropas, para ser a unica que travou a cretinisse que inglese e americanos , andavam a fazer na Ucrania, gastando 5 mil milhoes a poiar os lunaticos que se instalaram em Kiev.
2 por Tusk - eleito pelo polacos e Schult eleito pelos europeus com Junker nomeado como chefe dos comisários, para conduzir os assuntos - correntes, indicados pelo Concelho, é uma parodia da realidade.
2 sem armas nenhumas foi a Alemanha que abrandou a passagem de tantos imigrantes da Asia menor para Grecia/UE.
De Carmo Correa da Silva a 6 de Julho de 2016 às 22:21
Muito bom. Seria mesmo bom que se candidatasse a Presidente/Primeiro Ministro. Se este texto tivesse a divulgação que merece já seria óptimo.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter