Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

Um almoço

Aí há uns dois anos fui a um restaurante gourmet da terra. Do memorável jantar com que fui brindado dei aqui nota.

 

Nunca mais lá pus os pés, claro, mas estou ao corrente de que o estabelecimento está de boa saúde, a benefício das novas gerações educadas nos encantos do MacDonalds e que querem fazer um upgrade para a cozinha sem tradição, sal e respeito pelos nossos avós, mas liberalmente com criatividade, inovação e patetices.

 

Convidaram-me para ir à Gafanha d'Aquém, a um tasco, este fim-de-semana, com a informação de que o almoço seria constituído por bacalhau.

 

Aceitei com temor porque encontrando-se o gadídeo em lugar proeminente na minha lista de preferências nem por isso estou disponível para o ingurgitar em todas as declinações, mesmo que consagradas. Por exemplo, bacalhau com natas passo, digo-o corado de vergonha.

 

Não fui nem à ria nem ao mar. E se a rua em que estive, e as outras que percorri para lá chegar, for representativa do resto, certamente ninguém de senso lá vai para ver o edificado, que tem a mesma fealdade que inúmeras vilórias do resto do país.

 

A inexcedivelmente simpática dona (um tanto demais, na verdade, não sou grande adepto de demasiadas familiaridades) cedo trouxe duas infusas, uma do tinto e outra do branco da região, ambos tão despretensiosos como o ambiente.

 

Chegaram então caras de bacalhau no forno (pareceu-me no forno) numa travessa, sem qualquer acompanhamento. Foi a minha primeira vez e o que posso dizer, para desconsolo de quem ainda tenha ilusões a meu respeito, é que deixaram uma impressão mais positiva do que a do longínquo primeiro beijo.

 

Foram-se as caras, e foram-se também as línguas de bacalhau fritas, ao lado. E não fora a informação de que a seguir viria uma feijoada de sames (é, pelo boato que circulou na mesa, o intestino do bicho, na realidade a bexiga natatória segundo estudos que conduzi junto de boas fontes) teria pedido mais caras, e por aí me ficava.

 

A feijoada estava uma delícia e disse para os meus botões que haveria decerto alguma misteriosa unidade no reino dos vertebrados que fazia com que o mesmo instrumento que servia para o animal não afundar a mim me elevasse ao céu.

 

Da feijoada não trisei, inteirado que fui de que viria ainda o prato de resistência. E este chegou, modesto e grave, numa grande travessa, um imenso lombo cortado em quadrados, que se apresentou como bacalhau à Confraria.

 

Há, parece, várias receitas, mas o que foi servido lembrava o bacalhau à Narcisa, pelo qual tenho uma antiga afeição. Não o honrei como merecia por naquela maré já estar com o porão devidamente acondicionado.

 

A conta seria normalmente a dividir. Mas um dos convivas, simpaticamente, adiantou-se e ofereceu o almoço, pelo que fiquei sem saber o que custou. O meu palpite, porém, é que terá sido uma fracção do que custaria num restaurante com design e conceito, onde uma quantidade muito menor de peixe, e de qualidade substancialmente inferior, se apresentaria desfigurada em lâminas com emulsão de molho, reduções disto e daquilo, acompanhamentos de ervas aromáticas e críticas gastronómicas entusiásticas.

 

E então, esta história anódina tem alguma moralidade? Tem:

 

Há uma gente que sem o saber é depositária de tradições gastronómicas, variáveis de região para região, e com frequência entre espaços que, agora que contamos com as autoestradas do falso engenheiro, são de rápido e fácil acesso.

 

Não sei se essas tradições serão preservadas, mas mereciam-no por fazerem parte do nosso património, como a língua, as pedras dos monumentos, pequenos e grandes, os documentos, tudo o que fez com que o país fosse não necessariamente melhor do que os outros mas diferente - nosso.

 

A crítica gastronómica, que influencia tanta gente que para formar a sua opinião, nisto como no mais, precisa de oráculos que lhe digam a deles, bem podia preocupar-se menos com as estrelas Michelin que conquistou o chefe que inventou uns pratos complicados com sabores requintados que precisam de explicador para serem identificados, e mais com quem humildemente guarda a memória de sucessivas gerações de artesãos anónimos.

publicado por José Meireles Graça às 00:44
link do post | comentar
3 comentários:
De pita a 23 de Outubro de 2017 às 15:11
Verdade é que não sei se moro a 20 ou 400 km desse restaurante.
Diga o nome dele e a terra aonda está.
Senão está a fazer crítica negativa...
Poderá ser que o convide a ir lá almoçar. Ou que seja seu convidado...
Abraço
De José Meireles Graça a 23 de Outubro de 2017 às 15:50
A terra vem mencionada no texto, Pita: Gafanha d'Aquém (é perto de Aveiro). O nome do restaurante é "Bela Ria", segundo a dona porque se fosse "Ria Bela" julgar-se-ia que a bela não era ela.
De pita a 24 de Outubro de 2017 às 12:42
Obrigado

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter