Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016

Um cântico de Natal socialista

mw-860.jpg

Aqui já bastante recuado, alguém cuja identidade não revelo para preservar a privacidade das personagens envolvidas estava por esta altura do ano na sala de jantar com o irmão a ouvir a mãe a lamentar "ainda não comprei a prenda para a Dona verdadeiro nome omitido para não lhe violar a privacidade, chamemos-lhe Vizinha, apesar de naquela prédio se chamarem as vizinhas pelo nome e não por vizinha, e desde que começou a aprender pintura agora oferece-me sempre uma prenda feita por ela, e eu tenho que retribuir". O irmão dessa pessoa, e isto foi uma sugestão na brincadeira, porque a vizinha era, e continua a ser porque felizmente ainda está viva, uma verdadeira jóia de pessoa a quem todos queriam e querem como se fosse da família, pegou num copo pintado por ela que ela tinha oferecido no Natal anterior e disse "Podias-lhe dar isto. Dizias-lhe que gostaste tanto, que foste comprar um igual para lhe oferecer". O problema acabou por ser resolvido de outra maneira e a mãe deles acabou por comprar mesmo uma prenda do bolso dela para dar à Dona Vizinha.

Não sei se o nosso primeiro ministro António Costa alguma vez ouviu esta história e, com a fineza de espírito que lhe é própria, não percebeu a ironia da sugestão, ou se é apenas um aldrabão que dá espontaneamente prendas de Natal compradas com o dinheiro dos outros? Mas, era uma vez, este Natal...

Este Natal, o António Costa e o seu padrinho de casamento decidiram oferecer aos lesados do BES a solução para os seus problemas. Apesar de não saber endireitar a sombra de uma vara torta, vai-lhes oferecer o reembolso do dinheiro, ou parte dele, em função dos montantes, que tinham investido, uns avisados, outros inadvertidamente, em títulos de dívida do GES vendidos pelo BES aos seus clientes.

Entre os lesados há pelo menos um emigrante e um pequeno comerciante que confiaram na sugestão dos funcionários do balcão do BES onde eram clientes de investir nesses títulos que lhes davam um bom retorno e tinham o nome secular da família Espírito Santo a garanti-los, e investiram, e perderam, as poupanças de uma vida, que são regularmente entrevistados pelas televisões. É indecente ter burlado pessoas como eles, e também é indecente deixá-los pendurados por terem comprado gato por lebre sem nenhum regulador o ter evitado, e era facilmente evitável. Há também amigos e familiares do tio Ricardo Salgado, há estrelas da televisão e do desporto, há gente que usa o nó da gravata tão bem apertado que não tem ar de cair numa historieta de funcionário de balcão do banco, mas também investiu nos tais títulos em vez de o investir, pelo menos esse, em paraísos fiscais. Desses, a televisão não costuma contar a história, talvez por receio de distrair o público da justa indignação que lhe causa a burla de que o emigrante e o comerciante foram vítimas. Adiante. Atalhando razões, vão todos receber a massa que já davam por perdida. Uma benção de Natal!

E como é que vai ser feito este pequeno milagre?

Tal como o ilusionista profissional nunca revela os seus truques de magia, o António Costa também não revelou o seu esquema. Nem o presidente Rebelo de Sousa ousou comentar, com medo de errar e dada a sua tradicional parcimónia a comentar o que não conhece. Mas, tal como um carteirista do Metro que tem noção que toda a gente já o reconhece e desconfia sempre dele, e como um verdadeiro socialista para quem o conceito sem custos para... é a chave que abre as portas do coração dos eleitores, o António Costa revelou, pelo menos, que era uma solução sem custos para... o contribuinte.

Mas será mesmo?

Vamos resistir à tentação de concluir o óbvio, se ele diz que é, é porque não é, e analisar os factos.

A solução passa por alguém obter um crédito para, com esse dinheiro emprestado, reembolsar os lesados. Como é normal, apesar de ser bizarramente elevado o número de pessoas, incluindo doutorados e doutorandos em economia, que não têm esta noção, o crédito será reembolsado ao credor no fim prazo contratado com o devedor. E, como seria de esperar nesta situação específica, será reembolsado a partir da massa falida do banco. Mas os credores tendem a não ser parvos, e não concedem o crédito sem uma garantia contratual dada por quem eles tenham a certeza que o consiga reembolsar se o reembolso a partir da massa falida não for possível ou suficiente. Quem vai prestar a garantia? O Estado. E a massa falida será suficiente? Se fosse, não havia lesados do BES, nem se estava a discutir o problema, nem a procurar soluções, bastava deixar a justiça funcionar até eles serem devidamente reembolsados. A massa falida não é suficiente. Sendo assim, quando o crédito chegar à maturidade, a garantia vai ser executada e vai ser o Estado a fazer o reembolso. Com que dinheiro? Com o dinheiro dos contribuintes...

Tanta análise para regressar ao ponto de partida, quem vai pagar a prenda de Natal do António Costa e do padrinho de casamento aos lesados do BES vão ser os contribuintes. Valia mais termos confiado no nosso instinto e concluído logo à partida que seria assim. Até porque o António Costa é, ele sim, ao contrário dos banqueiros da família Espírito Santo, um valor seguro que nunca desilude: mente sempre.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:59
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter