Segunda-feira, 14 de Julho de 2014

Um kilo de céu a sete Euros

 

 

Há entre Douro e Minho um segredo guardado pelo preço, a ignorância, a carestia da mão-de-obra, a indiferença pela tradição e o gosto pelos supermercados.

 

Chama-se, singelamente, melão-de-casca-de-carvalho mas não é melão-de-casca-de-carvalho  ̶  é o melão-de casca-de-carvalho.

 

O seu preço excede o de qualquer outra fruta e, mais ainda do que sucede com as outras variedades, não se pode julgar pelo aspecto - a maior parte dos melões à venda, por grandes e prazenteiros que sejam, revelam-se, quando provados, verdadeiras cabaças.

 

Isto não chega para afastar os cognoscenti que, a cada novo barrete, lembram melancolicamente aquele espécime que consumiram há 15 dias, ou há 15 anos, e que era apimentado e aveludado que só vendo.

 

Para uma mente inquisitiva e gulosa como a minha, o mistério carecia há anos de uma explicação convincente. E encontrei-a, sob a forma de um conviva simpático e etilizado, ao qual perguntei a páginas tantas, num casamento em que o acaso nos reuniu: por que razão, sendo isto tão caro, e havendo clientes fiéis, como Você e eu, não se cultiva mais?

 

O meu circunstancial amigo perguntou-me se fazia ideia como se cultivava, salvo seja, o animal. Não fazia, claro. Daí que na próxima hora tivesse sido o atento beneficiário de uma breve descrição dos arcanos da fabricação, que agora cedo com vistas a que alguém se deixe entusiasmar, que eu não sou um desses exclusivistas que quer que as coisas boas sejam absurdamente caras, para delas excluir a maralha.

 

O problema começa com a terra: tem que ser rica e úbere, tanto que os produtores antigos faziam um pousio, entre cada semeadura, de dois a sete anos. E, suspeito eu, alguma coisa de especial terá que ter, além do clima, senão a coisa ter-se-ia difundido para outros lados, em vez de ficar confinada a alguns vales de rios (Cávado, Ave, Sousa...)

 

Depois, a mão que comanda a rega pelo pé, na fase de germinação, tem que ser uma mão sabida: porque com água a menos seca; e com água a mais mela. E é claro que a cultura é exigente em matéria de irrigação a horas de frescura - pelo cedo e sobre o tarde.

 

O frutozinho adolescente requer que seja girado um quarto de volta com frequência, para não ficar sempre a mesma superfície exposta ao sol; e não poucos produtores lhe punham por baixo uma caminha de palha, para isolar do contacto com a terra húmida, que pode causar apodrecimento.

 

A cerimónia do capar (que intervém em alturas que não pude fixar) é contra-intuitiva, porque consiste em cortar não as derivações mas o veio principal, a seguir ao ponto em que deriva; e deve ser feita à hora de maior calor, para que a ferida cicatrize rapidamente.

 

Só a perspectiva de me ver no meio de um meloal, de joelhos e com o lombo exposto à inclemência do sol do meio-dia, esfriar-me-ia o entusiasmo tanto quanto me aqueceria os costados; e o emaranhado de veios, suspeito, lembrar-me-ia, se com o calor e o suor se pudesse ainda filosofar, a verdadeira composição do BE, suas cisões e plataformas.

 

São chegados os dias das colheitas. A procura é imensa, a produção abundante, os preços dependem: comprar à beira da estrada, fiados nos métodos tradicionais do cheiro e da apalpação (o seguro método de furar o melão, a ver se bufa, não é inexplicavelmente visto com bons olhos pela generalidade dos vendedores) é uma coisa; e directamente a um produtor, ou intermediário, de confiança, outra. Nesta última hipótese, o dobro do preço da cereja, por kilo, pode ser compensado por uma ida ao céu dos apreciadores.

 

Não foi sempre assim. Há umas décadas, os melões eram geralmente razoáveis, às vezes bons e ocasionalmente muito bons. O que é que se passa? É que, diz o meu preclaro companheiro de mesa, dantes só se aproveitavam para consumo os primeiros seis ou oito melões de cada veio - o resto ia para o gado. Agora, vai grande parte para consumo, de onde a quantidade inverosímil de imprestáveis cabaças.

 

Agora que sabem o pouco que eu sei, talvez haja por aí um jovem que se deixe tentar. Não contará comigo para sócio, nem sequer de indústria; mas como cliente, sim: desde que para mim fiquem os melões números um, dois e três, que outro céu não mereço.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 19:15
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

A sua conclusão é excelente.chh8btq
Essas perguntas são muito pertinentes, mas eu não ...
Quantas vidas destruíram, directamente, os milhões...
Os abusos que referi estão definidos no texto: ".....
Está a chamar a atenção, e bem, para o facto de os...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter