Domingo, 11 de Outubro de 2015

União da Esquerda Sem Memória e Cicatrizes.

A convergência à esquerda estava a ser preparada já há algum tempo. Não se sabe exactamente há quanto nas mentes de alguns socialistas, mas já havia sinais públicos em Julho de 2015.

Este artigo no JN "Vamos acabar com o PREC" de Tiago Barbosa Ribeiro lista justificações e aponta a estratégia. Extractos:

"A esquerda portuguesa vive um bloqueio histórico: sendo maioritária no país, não consegue encontrar as pontes necessárias para uma acção comum.

(...)

"Existem várias razões para que assim seja. Entre as mais evidentes estão uma maior ideologização dos partidos de esquerda, a notória dispersão eleitoral à esquerda (logo, mais factores concorrenciais que promovem o fechamento), a preservação de nichos, o entrincheiramento em famílias políticas com ramificações internacionais antagónicas e experiências históricas muito conflituantes. Porém, estes traços são comuns a toda a esquerda mundial, e em especial às várias tradições das esquerdas europeias, não impedindo entendimentos para a governação noutros países. Portugal é a excepção.

(...)

"A especificidade portuguesa resulta do PREC e do papel que o PS assumiu na estabilização revolucionária com a opção por uma democracia pluralista ocidental. Esse combate fez-se com democratas de muitas cores, com os socialistas e muitos outros, mas introduziu o anticomunismo (hoje um anacronismo da Guerra Fria) como matriz de uma parte do PS e, por outro lado, transformou o PS numa casa de inimizades comuns para outras esquerdas que, digladiando-se entre si, sempre se entenderam sobre o «revisionismo» (outro anacronismo) representado pelo PS como tampão a uma via revolucionária.

(...)

"Foi com esse espírito que, em nome do PS Porto, enviei uma carta a vários partidos, sindicatos e movimentos representativos da esquerda portuguesa. O caminho não é fácil, mas está dado um passo importante para o diálogo. As respostas até ao momento são encorajadoras e as reuniões que já ocorreram (com BE, Renovação Comunista, CGTP, UGT, APRE!, e outras agendadas) demonstram que não há interditos e que a esquerda pode somar à sua maioria social o capital de uma maioria política, sem preocupações com aritméticas eleitorais nem com ciclos de curto prazo. O objectivo, já conseguido, é alargar o campo de possíveis.

(...)

"A esquerda portuguesa não está condenada a manter-se dividida. As novas gerações de dirigentes dos partidos e movimentos de esquerda não têm as feridas da memória histórica e por isso não têm de carregar as suas cicatrizes. Vamos acabar com PREC.

..."

Sobre o autor, Francisco Assis, do PS, através de Miguel Noronha no Insurgente em 2014, refere:

"O autor deste texto, publicado nas redes sociais, é um jovem dirigente socialista portuense destinado a exercer a muito curto prazo altíssimas responsabilidades no plano local. Se o cito é porque descortino no seu pensamento algumas das principais características configuradoras da identidade de uma corrente política que me suscita enorme apreensão, pelas razões que passo a apresentar: insuportável arrogância moral, indisfarçável propensão para o simplismo doutrinário, preocupante valorização de uma linguagem emocional em detrimento da argumentação racional, inquietante incompreensão da realidade contemporânea. Se virmos bem, estamos perante um discurso construído a partir de clichés, de antagonismos puramente retóricos, de proclamações quase integralmente vazias."

 

Duas considerações:

a) A maioria relativa da coligação e a posição de Costa serviram exactamente os propósitos;

b) não se pode dizer que no PS não se sabia o que vinha por ali.

 

PS: Se alguém souber onde está essa carta que "enviei (...) a vários partidos, sindicatos e movimentos representativos da esquerda", agradecia o link ou cópia do documento.

publicado por João Pereira da Silva às 06:29
link do post | comentar
2 comentários:
De Adérito Troufa de Barros Ramos a 11 de Outubro de 2015 às 15:55
Bom post. Coloca o dedo em várias feridas, nomeadamente a de que os famosos "submarinos" comunistóides ou afins, se acobertaram no PS numa táctica bem conhecida dos estalinistas, fascistas vermelhos. Chapelada.
De João Pereira da Silva a 13 de Outubro de 2015 às 07:50
Obrigado. A história repete-se, embora os autores neguem o facto.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter