Terça-feira, 30 de Junho de 2015

Vemo-nos gregos

Há cinco meses que não fazemos mais nada senão discutir as declarações de Tsypras, as toilettes de Varoufakis, o futuro do Euro e da UE, e as consequências que terá para nós o Grexit.

 

Estou farto: é o caso de dizer que nem a velha morre (a velha é o Euro) nem a gente almoça (almoçar, aqui, é sabermos as linhas com que nos havemos de coser).

 

Da última vez que escrevi sobre o desastre grego, há dias, disse:"...Que a Europa fará tudo, mas tudo, inclusive adoptando um tratamento completamente diferente daquele a que Portugal e Irlanda tiveram direito, desde que a Grécia finja que vai cumprir um programa de austeridade".

 

Aparentemente, calculei mal. Não porque a Europa não esteja disposta a fazer tudo - ainda agora se admitem novas cabriolas ("European Commission President Jean-Claude Juncker appealed to Athens to accept the deal proposed by international creditors last week while holding out hopes that some extra tweaks could still be possible") - mas porque critérios de racionalidade não servem para analisar comportamentos demenciais.

 

Entendamo-nos: eu sempre achei - hoje em dia toda a gente acha, valha-os Deus - o Euro uma moeda disfuncional. Pode-se estar do lado daquela minoria que, com bons e maus argumentos, acha que não se corrige um erro somando-lhe outros, que é onde estou; e pode-se estar do lado daquela maioria (entre nós esmagadora) que entende que é precisa mais integração, mais governança europeia, mais centralismo bruxelense e mais solidariedade, que é a designação eufemística para a chulice dos subsídios, deixando para os parlamentos e os governos nacionais tanta autonomia, ou ainda menos, do que a que têm, em relação a Lisboa, os actuais governos das ilhas. As pessoas defendem isto e dizem-se patriotas, decerto por se rebelarem contra a descaracterização do galo de Barcelos, que ninguém deseja, e o abastardamento do caldo verde, que infelizmente já se vai praticando.

 

Sucede porém que o extraordinário Syriza ganhou as eleições com má-fé: como os gregos querem no bolso uma moeda forte, na economia o crescimento vigoroso que o crédito barato lhes deu antes da crise de 2008 e no amor-próprio a convicção de serem um país europeu desenvolvido, haveria que lhes prometer isso tudo - mas sem pagar dívidas e pelo contrário requerendo financiamento para um programa bolivariano de desenvolvimento. O caso é único: Lenine terá dito que os capitalistas haveriam de vender a corda com que seriam enforcados, mas a dupla de bloquistas refina o leninismo a ponto de querer que a corda seja dada.

 

Não sei ainda qual será, exactamente, a pergunta do referendo, mas pelo que se vai lendo parece que inquirirá se o eleitor aceita o plano de austeridade da troica, ou não. A pergunta, feita assim, é desonesta, porque a austeridade é inescapável: ou é a versão, ainda que edulcorada, imposta pelos credores, ou será a violenta, decorrente do estancar dos financiamentos e do abandonar do Euro (nesta hipótese, o demente Varoufakis, numa bravata grotesca, ameaça com o tribunal, como se não tivesse que imprimir dracmas para pagar despesas do Estado no caso de lhe secarem as fontes de financiamento).

 

Tudo visto e ponderado, se fosse grego, no Domingo votaria não. Daniel Hannan, que tem pelos gregos ternos sentimentos que não acalento - cada povo tem, em regime democrático, os governantes que merece, e paga o preço das escolhas que faz - explica aqui por que razões os gregos devem querer sair do Euro. Todo o artigo vale a pena, se não fosse por mais nada porque o discurso pró-europeu é em Portugal sufocante e enviesado: apoias o governo, o rigor orçamental e a austeridade? Ah, então és a favor da Europa neoliberal; és a favor da Europa, mas com mais investimento público, défices, reescalonamentos de dívida? Bom, és do PS, e do BE se também quiseres perdões de dívida impostos aos credores. E finalmente: és contra o Euro? Então ou és comunista ou aluno do prof. Ferreira do Amaral.

 

Transcrevo abaixo dois parágrafos de Daniel, que subscrevo, e um em que não o acompanho, pelas razões que explico.

 

"Then again, ‘No’ has a powerful resonance in Greece because 75 years ago, Benito Mussolini demanded that Greece allow Italian troops to land unresisted. The Greek prime minister’s laconic reply ‘Ohi!’ (No!), is celebrated every October on Ohi Day".

 

"For, whatever Mr Tsipras’s faults (and, believe me, they are many) at least withdrawal from the euro will offer his countrymen some hope of recovery. It is true that the short-term consequences will be difficult, but a clean default, followed by a devaluation, would at least allow Greece to start growing again".

 

"It is true that, in the long run, a devaluation does not solve anything, but it buys the stricken country precious time in which to make reforms". Claro, no longo prazo a desvalorização não resolve nada, pelo que seria preciso, para um crescimento robusto e sustentado, que mais adiante na estrada os gregos se livrassem dos sirízicos que o desespero os fez eleger, e entregassem o leme a gente que saiba fazer, sem a pecha do crony capitalism e da corrupção, as reformas de que o país carece.

 

Essa gente existe? Não faço ideia. Também por isso, que Zeus ilumine os gregos no Domingo.

publicado por José Meireles Graça às 22:59
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter