Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

Voando sobre um ninho de cucos

O avião partiu às 23H30 e chegou ao aeroporto de partida às 07H10, ou seja, voou durante 7 horas e 40 minutos. Os aldrabões do gabinete de relações públicas da TAP informaram que a meia-volta se fez “apenas por uma questão de segurança” e que a aeronave aterrou em Lisboa “com toda a tranquilidade”, sem que todavia ninguém lhes tivessem perguntado se a bordo vinha Paulo Bento.

 

O Presidente da Companhia, porém, num desabafo de louvável candidez, declarou ao Expresso que "o avião poderia ter prosseguido até Luanda mas que não o fez porque a reparação do problema técnico detectado 'seria mais rápida' em Lisboa".

 

Mais adiante no artigo Fernando Pinto esclarece que "a decisão de regresso foi tomada no designado 'ponto de retorno' do voo e resultou de uma decisão ponderada entre os tripulantes e a equipa de manutenção de Lisboa, porque se o avião tivesse aterrado em Luanda teria de aguardar pelo menos três dias até concluir a reparação".

 

Desculpa, estimado Nandinho, mas a decisão que resultou de uma decisão foi tudo menos ponderada: entre causar inomináveis transtornos a 260 passageiros e o custo da imobilização de um avião por três dias, a companhia optou pela poupança. Só que não há qualquer poupança quando uma empresa de aviação trata assim os seus clientes, que são - e não os aviões - o seu principal activo. Claro que ignoro se outros passageiros e outros voos não poderiam ser prejudicados com a imobilização do avião. Mas uma coisa é receber um aviso, tempestivo e bem explicadinho, do adiamento de um voo futuro; e outra andar a passear pessoas, durante horas e sem propósito nem explicações sérias, por cima do Atlântico.

 

Eu sou velho, céptico e desconfiado. E como a privatização da TAP já pelo menos uma vez levantou voo e, tal como sucedeu nesta viagem, regressou ao ponto de partida, pergunto, Nandinho: Não andará por aí um vigarista a plantar notícias nos  jornais, hoje uns parafusos desapertados, amanhã um rolamento, a ver se o preço da privatização fica mais barato. Ou, pior, não estará a manutenção a ser descurada de propósito?

 

Tu abre-me esses olhos, rapaz.

 

A menos, claro, que já os tenhas bem abertos.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 00:33
link do post | comentar
6 comentários:
De Maria João Marques a 24 de Setembro de 2014 às 21:43
Não estavas todo ligeirinho a pensar não me pagar royalties pelo uso do título, pois não?
De José Meireles Graça a 24 de Setembro de 2014 às 23:03
Estou inocente, não sabia que tinha royalties a pagar. Mas podemos chegar a um acordo, logo que esclareças o fundamento da reclamação. Fui procurar e só encontrei um tal Milos Forman.
De Maria João Marques a 25 de Setembro de 2014 às 00:03
oh mas quanta sonsice. ora bem: 1) no outro dia usei o título - em estrangeiro(uau!) mas useis, pelo que tenho direito durante uns dias. 2) o Milos Forman realizou um filme chamado Valmont com um certo ator chamado Colin Firth (que algumas almas maldosas apelidam de Firç). preciso continuar?
De José Meireles Graça a 25 de Setembro de 2014 às 01:18
Tendo em conta as atenuantes (evidente boa-fé, falta de consciência da ilicitude, indisponibilidade de títulos pertinentes) proponho, a título de settlement, un gin, de marca à escolha, eventualmente com sementes de cardamomo.
De Maria João Marques a 25 de Setembro de 2014 às 15:21
e flor de hibisco? settled.
De Tiro ao Alvo a 25 de Setembro de 2014 às 14:07
Meireles Graça: vocês tratam-se mesmo bem.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter