Sábado, 10 de Outubro de 2015

Votámos? Assumimos.

Costa é um homem desesperado. De putativo presidente da república passou a putativo primeiro-ministro. Depois quase passou a putativo "homem que já era". A sua ascensão, fruto de uma carreira política que parecia dedicada aos mais alto vôos foi posta em causa na campanha e nas eleições de dia 4 de Outubro. Se se tivesse demitido tudo estaria perdido. Terminalmente. Longos anos de ambição deitados ao lixo em poucos minutos de discurso de assumpção da derrota. Uma derrota inaceitável para os sonhos de grandeza a curta distância.

Sem opções alternativas imediatas de liderança, os soaristas que o transportaram ao poder no PS, agarraram Costa, e, na primeira fila, enquanto este discursava, dizendo-se contra a 'maioria negativa', mostravam feições dignas, calmas e responsáveis, contentes com o pupilo capaz de enfrentar a travessia do deserto que se avizinhava em nome da maior honra do partido. Enganaram-se. Costa bebe a sua inteligência estratégica também de um colectivo de jovens do PS que tem pressa de chegar ao poder. São os "jovens turcos" e estão bem representados na entourage de Costa. Lendo-os, antecipa-se quase sempre o que Costa irá dizer ou fazer. Dão-lhe força. São o "futuro". E Costa precisa de alguém que lhe dê o suporte para estar nesse mesmo futuro. 

Os jovens turcos estão próximos do BE e do PCP. Conviveram e cresceram nos blogs políticos de esquerda e extrema-esquerda. Mobilizam-se e reforçam-se mutuamente criando uma força significativa.À medida que foram crescendo, conseguiram também, ir ganhando adeptos em grande parte da comunicação social. A campanha de Costa, sem guito, num PS falido, foi muito suportada pelo voluntarismo destes "turcos" do PS e media que veem o poder de imediato  mesmo à mão. E poderão obtê-lo. 

Catarina Martins tem tudo a ganhar e pouco a perder aceitando fazer parte de um governo unido. Poderá entrar no espaço eleitoral do PS, mostrar serviço anti-austeridade para fins de próximas eleições, alargar a base do Bloco e demonstrar como também se deve considerar o Bloco como futura força de governo. A dedicada Mortágua está aí para ajudar mediaticamente a vender o Bloco de todos os cidadãos e não apenas dos sectores de protesto. É um salto com atracção irresistível.

O PCP nada tem a perder. Basta não ir para o governo, ficar a fazer fiscalização na assembleia enquanto o Bloco e PS tomam medidas populares sobretudo no tocante ao rendimento por via estatal. Um ganho, e uma atitude de defesa dos trabalhadores valorizada pelo eleitorado comunista.  

Cavaco Silva poderá bloquear musculadamente o acordo e indigitar mesmo assim a coligação PSD-CDS, mas arriscamos uma convulsão política de custos desconhecidos.

Talvez seja o momento de deixar o povo português assumir as consequências das decisões tomadas e pagar o preço sem que haja um grupo de cidadão ilustrados que forçadamente assume a responsabilidade do poder em nome de um ilusório "bem maior" de estabilidade. Ilusório, porque o bem maior é aprendermos à nossa custa sofrendo as consequências de todos os nossos actos, incluindo os eleitorais. 

Há o pormenor de grande parte da nossa soberania residir em obrigações decorrentes de tratados com a UE. Contudo, esse detalhe, se o PS, Bloco e PCP, forem inteligentes e camuflarem bem, partes mais agrestes dos seus programas, facilmente será ultrapassado.

Posto isto, acho mesmo que avança o acordo de esquerda.

publicado por João Pereira da Silva às 10:26
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...
É (muito) raro ter alguma coisa a apontar-lhe no q...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter