Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

Novas da Zaragata

 

Tenho dificuldade em sintetizar na dimensão de um post o que vai pela Itália. Não é que seja complexo ou haja enormes decisões nacionais que dificultem a explicação. Antes pelo contrário, nada de substancial acontece na governação.

 

Os italianos habituaram-se a testemunhar uma discussão permanente por motivos novos que surgem todas as semanas. A maior parte desses motivos actualmente e nos últimos 20 anos estão relacionados com Berlusconi e as suas desventuras. Vai preso? Perde o mandato de senador? Recebe a graça do Presidente Napolitano? Como vai a sua queixa ao Tribunal dos Direitos do Homem? Como dizem os meus “amici”: “non c'è più sacco”.

 

O governo não aparece, a não ser para anunciar novas “reformas” da educação, da segurança social, decretos “fare” (fazer) que demonstram uma grande sensibilidade social, grande preocupação com a simplificação da burocracia estatal (onde já vimos isto), decretos com vista a combater o violência sobre as mulheres e etc., de grandes causas que não saem do papel. As grandes promessas eleitorais de todos os partidos, reforma da lei eleitoral, custos da política, pagamentos das dívidas do estado às empresas italianas, foram todas metidas na gaveta.

 

Enquanto discorre a discussão perene, muito mediática e que oferece autênticos espectáculos circenses no parlamento, senado e programas televisivos, o país continua com impostos nórdicos e nível de serviço público grego, a ter uma das mais elevadas dívidas do mundo com um serviço (juros pagos) altíssimo e sem poder reformar ou investir no que quer que seja. Única certeza italiana: o que diz a Alemanha comanda a agenda.

 

Evidentemente, os políticos deixam correr a situação enquanto a Itália não voltar de novo à ribalta da comunicação internacional. Aí, aparecerão de novo em grandes declarações, mas a discussão e a conflitualidade são de nível tão gravoso que não se conseguirão entender jamais. Nem entre partidos, nem dentro dos partidos, todos profundamente divididos em várias correntes internas. Berlusconi e Grillo conseguem manter uma aparente mas frágil união nas suas hostes.

 

Face ao panorama governativo, verdadeiramente lastimável, o que faz correr a Itália? Tal como em Portugal, uma “sociedade civil” lutadora, profundamente resistente, que apesar da força que o estado faz para mandar abaixo todos os esforços de crescimento, labuta, produz, vende e distribui a riqueza que ainda vai resistindo ao saque público.

 

A Itália é o exemplo mais puro de país do Sul da Europa, onde: quanto mais estado menos riqueza. Naturalmente, o governo poderá cair a qualquer momento, dependendo dos caprichos de Berlusconi que continua a impor a sua vontade. Espantoso.

 

Itália e Aliados face à Síria

 

Entretanto o governo italiano já afirmou que só participa no ataque à Síria se a ONU sancionar. O que não sucederá. Posição estranha da Itália que terá sempre de dar as bases aéreas e deixar passar os bombardeiros e aviões de reconhecimento dos “aliados”.

 

Naturalmente o impacto do ataque e da situação internacional será tremendo na situação interna económica e no custo de gestão da dívida.

publicado por João Pereira da Silva às 21:38
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

O blog fechou? Aconteceu alguma fatalidade? Digam ...
Como me fiei em endereços do seu perfil, recebi a ...
Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.
Muito bom post, no seu estilo. Mordaz, q.b.E que e...
Extintores (https://www.comprarextintoresbaratos.e...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds