Domingo, 7 de Dezembro de 2014

Na grande casa da democracia

 

Assembleia-da-Republica-02.jpg

 

Podiam estar entretidos, de umas bancadas para as outras, com a PlayStation; podiam consultar sites com o horóscopo, ou procurar romenas nos anúncios classificados; podiam espatifar o orçamento para telemóveis em chamadas anónimas; ou para os membros do seu próprio grupo parlamentar, sentados 3 filas acima, o que seria a mesma coisa; podiam construir petardos com os Decretos-Lei, torcendo-os num rolinho, cuspinhando as extremidades, e pregando com eles no tecto do hemiciclo; podiam puxar os cabelos à dra. Nilza de Sena; ou Zina de Lena; ou Lina de Neza; ou o bigode à dra. Sónia Fertuzinhos; podiam colar pastilhas elásticas aos assentos das cadeiras; ou macacos do nariz; podiam até, com a ajuda do Photoshop, fazer circular imagens pândegas do dr. José Magalhães gordo como uma mesa de camilha.

 

Para mim, os deputados à Assembleia da República serão sempre um motivo de orgulho e um exemplo a exibir aos nossos filhos.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:50
link do post | comentar
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2014

Fábrica Nacional de Leis

Marcelo diz, ao Domingo, coisas, e com essas coisas não poucas pessoas se abastecem de opiniões para a semana. O homem é geralmente considerado um grande comunicador, do que é prova a sua larga audiência, e as coisas que diz são sempre da mesma natureza: Fulano disse ou fez isto mas as pessoas perceberam aquilo - esteve mal; ou disse ou fez aquilo, com grande habilidade, e as pessoas ficaram muito agradadas - esteve bem; o político A está a jogar bem para conquistar ou manter o Poder, e o B mal porque as pessoas ou não o perceberam, porque se explicou mal, ou perceberam-no perfeitamente mas não querem aquilo, razão pela qual B não deveria ter dito o que disse. Penetrados de admiração, os chefes de família abanam aprovadoramente a cabeça e dizem, com a boca cheia da sobremesa que ainda não acabaram de mastigar: o Professor sabe muito disto!

Não sei, porque deixei de o ouvir há anos, se ainda recomenda livros no fim do programa. Mas costumava recomendar todos os publicados, com excepção da lista telefónica, deles dando nota da mesma forma que aos acontecimentos, tendências e opiniões: pela badana.

Nunca ninguém lhe ouviu uma opinião desalinhada ou uma dúvida profunda sobre as escolhas que o País fez nos últimos 40 anos: a aprovação da Constituição, a adesão à CEE, a evolução para a UE e o Euro, os poderes relativos dos actores do Estado, as leis eleitorais, os referendos - Marcelo espera que na área a que pertence, que é a do arco da social-democracia, isto é, o outro nome do tachismo bem-pensante, se desenhe um consenso, e lá fica ele, com engenho, a consensualizar.

Parece que no Parlamento há deputados que se dedicam a ver imagens de gajas no Facebook, vídeos publicitários, e outras actividades menos recomendáveis, como falarem uns com os outros, por telefone, enquanto decorrem os debates. E isto escandalizou uma moça de 16 anos, cuja mãezinha escreveu ao ilustre professor, e ao Governo, indignada com este magno escândalo.

“Vai ser o fim do mundo”, declarou com severidade o oráculo da opinião, que acrescentou: "Atenção caríssimos deputados, depois digam que estão a contribuir para a democracia portuguesa".

Em atenção à jovem vilafranquense, à mamã preocupada, à distinta comunidade dos chóferes de taxi, e aos admiradores de Marcelo, devo informar que um Parlamento não é uma empresa, nem seria desejável que o fosse, ainda que possível: uma empresa está organizada hierarquicamente segundo um organograma para produzir um bem ou serviço, o Parlamento reúne um certo número de cidadãos depositários de uma escolha livre para realizar o bem comum consoante a visão que desse bem tem cada um dos partidos. Os parlamentares não são funcionários sob a direcção do Presidente (este é apenas um primus inter pares), são representantes do Povo que os elegeu. Isto significa que se os deputados de um certo grupo traírem o mandato que lhes foi confiado, e que não consiste em produzir leis a metro, cabe aos eleitores penalizá-los, se assim o entenderem. Por mim, não exijo aos deputados que elegi que estejam sempre no Plenário ou comissões a fingir que se interessam por assuntos para os quais não têm preparação nem interesse; antes pretendo que nas áreas que lhes estejam alocadas contribuam para a feitura de leis razoáveis. Por outro lado, não vejo por que razão os deputados haveriam de estar sempre segregados no casão deles como num degredo, nem com que direito jornalistas ou visitantes lhes espiolham os computadores e os telemóveis.

Um conjunto de regras idiotas contidas, suponho, no instrumento a que chamam Regimento, obriga a que os deputados (que o aprovaram por estarem tolhidos de medo da opinião pública, uns, nem saberem o que lhes falta, outros, e serem comunistas, portanto funcionários por definição, os restantes) se deixem tratar como operários numa linha de montagem. E, é claro, isto leva a que cada jornalista, ou já agora, visitante, se ache no direito de agir como o pequeno patrão que vigia as idas à casinha dos empregados.

Marcelo não acha nada disto, e está decerto bem acompanhado. Mas é triste que quem ajuda a fazer a opinião não sirva para mais do que dar caução a preconceitos, invejas disfarçadas de superioridade moral, e ideias de funcionário sobre o que um Parlamento deve ser.

 

publicado por José Meireles Graça às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 29 de Julho de 2013

Abusar de Sá Carneiro

 

 

Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se hoje a Rui Machete como um fundador do PSD (na altura PPD) que foi "muito próximo de Sá Carneiro" e o seu "braço direito". Não é verdade.

 

Rui Machete opôs-se a Sá Carneiro juntando-se ao grupo dos "inadiáveis", uma dissidência do PPD da qual também fizeram parte Sousa Franco, Guilherme Oliveira Martins, Sérvulo Correia, e Magalhães Mota. O documento "Opções Inadiáveis", que apresentaram em Junho de 1978, criticava Sá Carneiro e defendia "a socialização crescente da economia (...), rejeitanto tanto o liberalismo capitalista como o estalinismo colectivista", uma posição que pretendia colocar o partido no centro-esquerda e que valeu aos seus defensores largos anos de entendimento com o PS. Foi o que aconteceu com Rui Machete, e foi exactamente por essa razão que Passos Coelho o foi buscar para o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

Marcelo Rebelo de Sousa sabe disso. Sabe que Rui Machete não foi chamado para fornecer ao Governo avisados pareceres constitucionais. Nem para carimbar uma garantia de descendência dos princípios políticos de Sá Carneiro, com os quais Rui Machete nunca se entendeu.

 

Rui Machete está lá para representar o "acordo" inventado por Cavaco Silva, para calar os pomposos perús velhos do PSD, e para fazer aquilo que sempre fez melhor: entender-se com o PS.

 

Tudo isto é suficientemente claro para a perícia de Marcelo. Mas exibir Sá Carneiro na identidade política, ainda que falsificado, é uma tentação que se percebe abordando o tema de outra maneira.

 

__________

 

Fotografia daqui.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 00:07
link do post | comentar | ver comentários (3)

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

6 comentários
5 comentários
2 comentários

Últimos comentários

Bole posts meus parabéns. ;) <a href="http...
Muito se podera dizer ...http://www.manuelalegre.c...
Quase três meses depois, já não aguentava mais:A f...
Os das ciências ainda-ainda-a-avançar, por desconh...
Belo texto! Digno de republicação, posto as senhor...

Arquivos

Janeiro 2020

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds