Terça-feira, 26 de Dezembro de 2017

Afinal quem é que faz greves?

2017-12-26 Greve Metro.jpg

Em Portugal a greve já é legal há quase quarenta e quatro anos e ainda não houve uma única greve de que os jornais conseguissem informar os leitores sobre o número exacto de grevistas.

Na última que chegou aos media, a greve convocada pelos sindicatos de trabalhadores dos CTT para os dias que antecederam o Natal, certamente motivada, uma vez que os CTT prestam um serviço público e foram até há pouco tempo uma empresa pública, pela defesa do serviço público de distribuição de correspondência através da não distribuição numa época em que os consumidores prezam particularmente a distribuição, são misteriosos os desígnios do Senhor, e os dos sindicalistas também, os sindicatos dizem que foi de 70%, um número até mais baixo que a média, porque os números divulgados pelos sindicatos costumam andar na casa dos noventas, e a empresa de 17%.

A diferença entre os dois números é muito grande, e é sempre assim, às vezes com diferenças ainda mais extremadas. Os sindicatos informam sempre que as greves têm uma adesão muito elevada, nalguns casos aproximando-se da totalidade dos trabalhadores, e as empresas, quase exclusivamente as públicas porque nas privadas as greves são muito mais raras, e os organismos públicos apresentam números muito mais modestos.

Para a empolação dos números de grevistas pelos sindicatos há uma boa razão, ou duas: criar no público o receio de que, se as empresas ou organismos não cederem às suas reivindicações, virá a ser muito prejudicado pela indisponibilidade dos serviços, na esperança de que o público exija a quem os gere, a empresa ou a tutela do organismo público, que cumpra as exigências dos sindicatos para voltar a ter os seus serviços de volta; e nos trabalhadores a impressão de que a representatividade dos sindicatos é tão sólida que vale a pena manterem-se ou tornarem-se associados e pagarem a respectiva quotização de 1% do salário, até porque é a única deduçao salarial que proporciona no IRS um abatimento no rendimento colectável, não do valor da dedução, mas com uma majoração de 50% que minora o seu custo final, pelo menos para os contribuintes os escalões mais altos das tabelas do imposto.

Para as empresas e organismos públicos também há uma boa razão para apresentarem números muito menos expressivos, mostrarem aos utentes, e aos eleitores, que conseguem gerir bem a situação e defender bem os seus direitos.

De modo que o público fica sempre sem saber se as greves tiveram uma adesão quase total ou apenas marginal.

Mas no entanto é muito fácil apurar o número exacto de grevistas em todas as greves, e com a precisão da unidade: basta pedir aos recursos humanos das empresas, ou, o que pode ser ainda mais fácil por serem públicos, dos organismos públicos, o número de faltas por greve que apuram quando processam os vencimentos no final do mês. Não é número que esteja disponível para abrir os noticiários da manhã nos dias de greve, naqueles em que os sindicatos conseguem informar a comunicação social das adesões de noventas por cento para cima mesmo antes da hora de os trabalhadores chegarem ao serviço e os grevistas não, e as empresas de faltas menos expressivas, mas é número que pode ser obtido poucas semanas depois e poderá ser útil para calibrar as estimativas do momento pela observação de tendências estatísticas nas diferenças entre os números divulgados pelos sindicatos e pelas empresas ou organismos públicos e os reais e, por essa via, motivar os sindicatos e entidades a fazerem estimativas mais realistas no momento para não cairem posteriormente no ridículo.

Os jornalistas só não informam o número exacto de grevistas em todas as greves apenas porque são incompetentes. Ou isso, ou então porque gostam de participar como figurantes na encenação montada pelos sindicatos de que as greves são sempre um grande sucesso e eles são actores determinantes na vida da sociedade, mesmo quando não passam disso mesmo, de actores?

Senhres jornalistas, se querem continuar a ser úteis à sociedade mexam-se e trabalhem, informem.

Tags: ,
publicado por Manuel Vilarinho Pires às 13:01
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 27 de Dezembro de 2017 às 19:39
Canalha sindicalista só se interessam no seu umbigo. Que mal vêm de tão barrigudos que são!
Andam ao mando do Jerónimo a favor do PCP. Vai ser esta canalha que vai acabar com a Autoeuropa em Portugal, só por causa duns tostões e de andarem ressabiados por terem levado porrada nas autárquicas!

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Apesar de se esconder por trás do anonimato reconh...
Os amigos que o Manuel Vilarinho Pires protege vol...
Não é controlo no sentido de corrigir comportament...
... e também, quanto ao primeiro ponto ("O primeir...
Mais um artigo interessante. Contudo, quanto ao te...

Arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds