Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018

...ainda bem que não pisei.

2018-01-17 Fezes do cão.jpg

Esta é a história que me contaram, real ou imaginária, ou mesmo complexa, como os matemáticos chamam ao que junta um bocadinho de real a um bocadinho de imaginário, se bem que a história seja até simples, de um transeunte que um dia andava a passear e viu no passeio o que parecia ter sido deixado por um cão daqueles cujos proprietários não são adeptos do saquinho.

  • Parece m.,

disse ele com os seus botões. Mas este transeunte não era daqueles que se satisfazem com as primeiras impressões para tirar conclusões, era exigente com elas, e dotado do grau de curiosidade característico dos gatos, das pessoas inteligentes, e dos homens de quem as mulheres não se costumam arrepender por lhes ter tolerado em vez de repudiado a colocação de uma mão no joelho. De modo que passou à fase de investigação. Agachou-se, passou os dedos pelo que estava no passeio, cheirou e apreciou:

  • Cheira a m..

Mas ainda não era suficiente para formular a conclusão definitiva. Pôs os dedos na boca e disse:

  • Sabe a m.,

e só então se sentiu suficientemente bem informado para formular uma conclusão definitiva:

  • É mesmo m., ainda bem que não pisei.

E a que propósito é que eu me recordei agora desta história de um transeunte que, à força de não se deixar levar pelas primeiras impressões, era um bocado lento de compreensão e continuava a não perceber nas segundas, que me contaram há décadas?

 

O meu companheiro de partido Rui Rio que acabou de ganhar as eleições directas e será nomeado presidente do partido no congresso de Fevereiro disse no primeiro debate da campanha eleitoral que ninguém pode dizer jamais a um governo de bloco central de coligação com os socialistas, por exemplo em circunstâncias excepcionais de emergência nacional, por exemplo, o pedido de resgate a que o percurso actual de aumentar despesa estrutural permanente impossível de reduzir, como a ampliação dos quadros da função pública ou o aumento dos salários e pensões, com base num pico de receita circunstancial proporcionado pelo ciclo económico que reverterá um dia, conduzirá inapelavelmente. Colocar a hipótese de co-habitar no governo com os socialistas actuais que impediram o PSD de governar depois de ter ganho as eleições, e é com os socialistas actuais liderados pelo António Costa que se pode colocar a hipótese de co-habitação, porque são os que há, é muito mau para quem se candidata à liderança de um partido que tem como objectivo maior regressar ao governo expulsando estes socialistas.

  • Parece m..

Mas toda a gente sabe que os debatentes e jornalistas mais experientes e maliciosos conseguem colocar na boca de debatentes menos experientes afirmações que, descontextualizadas e deformadas no sentido, parecem significar o que não era o seu significado original, de modo que o nosso transeunte não cedeu à tentação de tirar conclusões rápidas e, porventura, prematuras, desta afirmação talvez descuidada do Rui Rio. E o próprio Rui Rio esclareceu numa entrevista a jornalistas do Público e da Rádio Renascença poucos dias depois que admitia apoiar um governo minoritário do PS se o PS ganhasse as eleições de 2019. Governo minoritário do PS, leia-se, governo minoritário do António Costa, que não é previsível ser apeado do PS até às eleições de 2019. E justificou este apoio com uma questão de coerência: se o PSD acha que o PS do António Costa o devia ter deixado governar a seguir às eleições de 2015 que ganhou, também deverá deixar o PS do António Costa governar se ganhar as eleições de 2019. O argumento da corência é excelente no plano moral, mas de uma ingenuidade e de uma tonteria infinitas. Porque conduz ao resultado de, se o PS ganhar as eleições com maioria simples, conseguirá governar, se necessário for, com apoio do PSD. E se o PSD ganhar as eleições com maioria simples o PS também conseguirá governar, mas com o apoio dos partidos da esquerda radical. O que faz das eleições de 2019, não eleições para escolher quem governa, que fica já escolhido à partida, mas para escolher quem apoia o governo socialista, ou o PSD ou a esquerda radical.

  • Cheira a m..

Entretanto, e ainda antes das eleições, o próprio António Costa esclareceu que não está nada interessado em formar um governo com apoio do PSD, até porque não precisa, porque já tem o apoio da esquerda redical e está bem assim, aproveitando ainda para ridicularizar ambos os candidatos do PSD por andarem a discutir qual deles gosta mais dele, apesar de apenas um deles ser elegível para enfiar a carapuça da piadola, o que declarou estar disposto a deixá-lo governar sem maioria absoluta.

Mas o nosso transeunte ainda não estava suficientemente esclarecido, e foi a antiga presidente do PSD e apoiante mais notável do Rui Rio, Manuela Ferreira Leite, que veio definitivamente esclarecer o assunto já depois de conhecido o resultado das eleições: o PSD deve vender a alma ao diabo, leia-se, viabilizar um governo minoritário do António Costa, para pôr a esquerda na rua. Ou seja, não deve haver dúvidas que, a não ser que o PSD consiga uma maioria absoluta com o CDS nas eleições de 2019, será o PS do António Costa a governar, e o PSD deverá tentar convencê-lo de que o seu apoio será melhor do que o apoio do BE, ou do do BE e do PCP. O PSD deverá competir no campeonato da segunda divisão contra estes partidos menores. Esta boa intenção da Manuela Ferreira Leite, expressa com a sua conhecida capacidade de expressão, parece ignorar que pôr a esquerda na rua no contexto politico-partidário actual significa pôr o PS do António Costa na rua, que não se distingue em nada ideologicamente do BE nem do PCP, consoante os colaboradores mais próximos do António Costa que o controlam. O governo actual tem trabalhistas pró-CGTP, defensores da re-estruturação da dívida, e polícias dos costumes moralmente toleráveis. Não lhe fazem falta nem diferença bloquistas e comunistas encartados. Também não se percebe bem como é que o PSD pode ambicionar apoiar um governo do António Costa que não está interessado no seu apoio? Ou seja, regressando ao nosso transeunte,

  • Sabe a m..

O pior é que desta vez não tem por onde passar para evitar pisá-la, porque ela está por todo o lado. A não ser que lhe cresçam asas, vai chegar a casa com os sapatos a cheirar mal.

  • É mesmo m., que chatice vou sujar os sapatos..

E quem não percebeu à primeira pode continuar a fingir que não percebe, mas à força de acumular evidências continuar a não perceber passa por ser lento de compreensão.

Tags:
publicado por Manuel Vilarinho Pires às 09:44
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Só um reparo. Eu não estou surpreendido com o fact...
Eu nao sou Brasileiro assim que me importa pouco o...
Caro Daniel Marques, eu não sou jornalista nem pro...
Por outro lado tambem nao vi nenhum medium portugu...
É louvável o seu esforço para proteger a reputação...

Arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds