Domingo, 30 de Setembro de 2018

As inimigas de Kavanaugh

O objectivo deste trabalho é tentar demonstrar que a intervenção do direito penal, a partir de determinada altura, é inócua e não visa cumprir nenhum dos fins a que se propõe e que, no fundo, constituem os fundamentos da sua intervenção legitimadora. A partir desse “tempo”, que pode ou não coincidir com os prazos de prescrição consagrados pelo legislador ordinário, a intervenção do direito penal pode ser violadora dos princípios fundamentais que o legitimam.

 

No direito português, seja civil, penal ou fiscal, existe o instituto da prescrição. E no ponto 4.1 do estudo para que remete o link acima elencam-se as várias teorias que fundamentam a necessidade da sua existência (teorias que, a meu ver, são complementares e não alternativas).

 

O texto, que encontrei na internet por acaso, é prolixo e com frequência desnecessariamente obscuro. Mas são os senhores professores, e ainda bem, que redigem os códigos – um dos problemas que tem a diarreia legislativa avulsa sob a qual vivemos há décadas é que quem a emana tem com frequência formação jurídica deficiente, conhecendo mal o universo jurídico, mesmo quando calha estar na posse de alguns rudimentos de gramática.

 

Os códigos penais reflectem a história do nosso país no âmbito criminal, a sua tradição, as suas longínquas raízes no direito romano, e são tributários das várias doutrinas que foram sucessivamente influenciando as nossas elites no poder, na política e na academia.

 

É possível que haja alguma distância entre o que acham hoje os penalistas e o que acha a multidão; e há um crescente mal-estar entre uma opinião pública cujas chamas de indignação são em permanência reavivadas por uma comunicação social histérica e sensacionalista e as decisões dos tribunais, cujos agentes aplicam leis que a maioria não conhece, não seria capaz de interpretar correctamente, e cujos fins não são, no âmbito criminal, o olho-por-olho de Hamurabi que parte da populaça julga dever ser a Justiça.

 

Apesar de tudo, das doutrinas vai passando alguma coisa para a consciência social; e no nosso modo de ser, como no de outros povos latinos, o puritanismo, felizmente, não medrou, como não medrou a obsessão com o crime e castigo. Temos outras taras mas essas não – são coisas, entre todos, de americanos.

 

É por isso que quando, por causa de uns amassos com uma estagiária na Sala Oval, o presidente Clinton passou as passas do Algarve para não ver o seu mandato cassado, todo o episódio deu uma grande vontade de rir à Europa e América do Sul católicas. Tecnicamente, os amassos não foram o problema, foi ter o presidente mentido a respeito deles; mas, nas nossas velhas sociedades saudavelmente hipócritas, há perguntas que não se devem fazer mas às quais, se forem feitas, só se pode razoavelmente responder com aldrabices.

 

Temos agora um outro episódio lúbrico, que é o do candidato a juiz do Supremo Tribunal Kavanaugh, que terá molestado sexualmente uma rapariga de 15 anos quando tinha 17, em 1982.

 

A ser verdade o que li, isto é, que foi um dos juízes que interrogaram Clinton, e que lhe terá perguntado se se veio na boca de Monica Lewinski, haverá nesta trapalhada uma justiça poética.

 

Fora a poesia, porém, e fora a guerrilha política que fez com que Clinton fosse crucificado por ser democrata (isto é, modernamente, a versão americana de um socialista) e faz com que Kavanaugh o esteja a ser por ser republicano (isto é, de direita), o caso está a ser tratado também aqui não pelo seu lado cómico, não por ser a americanice grotesca que é, mas como mais um episódio da gloriosa luta pela igualdade entre os sexos.

 

O episódio: uma mulher, que durante 36 anos não disse nada, declara, ao tomar conhecimento de que Kavanaugh era candidato ao Supremo, que quando era uma miúda de 15 aquele a molestou sexualmente numa festa. Ouvida no Senado, foi convincente na sua sinceridade quanto descreveu o incidente, e omissa no que toca a provas – circunstanciais, testemunhais ou outras quaisquer. O denunciado nega tudo, em termos igualmente convincentes ainda que, em certo passo, com incontida ou fingida comoção.

 

Que deve pensar uma pessoa com a cabeça em cima dos ombros?

  1. A patente sinceridade de um queixoso é insuficiente para condenar seja quem for seja ao que for. Não apenas não há crimes sem provas como não tem havido falta, desde que a ciência forense incorporou no seu arsenal as provas de DNA, de absolvições de condenados que o foram com testemunhos absolutamente seguros de testemunhas visuais que se vieram a revelar objectivamente falsos;
  2. Trata-se de um julgamento, mesmo que finjam que o não é. Quando homens podem ver prejudicada a sua carreira, e a sua reputação, por causa da acusação da prática de ilícitos graves, estamos a falar de penas. E portanto tudo o que seja menos do que a exigência normal em estados de direito para o processo penal é insuficiente;
  3. Quem é vítima de um crime deve queixar-se. Se não se queixa por achar que a queixa é inútil, ou lhe pode acarretar maiores prejuízos do que o silêncio, não é ainda assim aceitável que, mudadas as circunstâncias, se conserve calada por décadas até ao momento em que a revelação lhe pode trazer vantagens. Sensata era a pergunta que dantes os oficiantes faziam aos convidados na cerimónia do casamento: Quem tiver motivo… que fale agora ou se cale para sempre;
  4. Kavanaugh deve ser nomeado. Se o não for, está encontrada a maneira de impedir, num país em que boa parte do aparelho do poder executivo, judicial e mesmo policial resulta de eleição ou homologação por eleitos, a selecção democrática – basta arranjar queixosas.

Toda esta história nada deveria ter a ver connosco. Mas tem porque as modas americanas chegam cá, e cada vez mais depressa. Ora, a ideia de que a queixa de uma mulher, se for contra o comportamento sexual de um homem, não precisa de mais provas do que as que oferecia um cidadão temente a Deus quando se queixava à Inquisição de um cristão-novo, é uma intolerável deriva dos costumes e um retrocesso civilizacional.

 

É assim que devem ser vistas boa parte das feministas contemporâneas – Torquemadas de saias, em cruzada pela nova pureza de sangre. Mesmo que as não usem, mesmo que reivindiquem às vezes coisas razoáveis, e mesmo que muitos de nós calem o dissenso porque esperamos que a moda passe, porque todos somos filhos de uma mulher e maridos ou amantes de outras, e finalmente porque sem elas o mundo acaba.

 

Mesmo que não acabasse, não teria qualquer interesse. Conviria porém que não o infernizassem.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 21:15
link do post | comentar
2 comentários:
De Miguel Madeira a 30 de Setembro de 2018 às 22:20
"Quem é vítima de um crime deve queixar-se. Se não se queixa por achar que a queixa é inútil, ou lhe pode acarretar maiores prejuízos do que o silêncio, não é ainda assim aceitável que, mudadas as circunstâncias, se conserve calada por décadas até ao momento em que a revelação lhe pode trazer vantagens. Sensata era a pergunta que dantes os oficiantes faziam aos convidados na cerimónia do casamento: Quem tiver motivo… que fale agora ou se cale para sempre;"

Mas no fundo não foi exatamente isso que aconteceu? No momento decisivo (quando a pessoa que a senhora julga que a tentou violar em 1982 está à beira de ser nomeada para - provavelmente durante décadas - o que se calhar é o orgão mais importante do governo dos EUA) ela falou.

Vamos lá ver - que grande razão haveria para ela ter falado durante estes anos? Ela provavelmente já nem saberia o que ea feito dele, iria ter chatisses, muito provavelmente nem ia dar em nada (ela diz, ele diz...). Mas agora que ele vai ser nomeada para um cargo super-importante (e se calhar quando ela voltou a ouvir falar dele....) faz sentido (seja por vingança - "agora é que vais ver!" - ou por espírito cívico - "um violador não pode ir para o Supremo Tribunal") que ela o denuncie.

Um aparte - há dias li uma teoria sobre o caso que deve ser o mais provável: provavelmente foi uma partida para a assustar e gozar com ela (daquelas parvoíces de adolescente que os prepertadores provavelmente já nem se lembram), e ela passou estes anos todos julgando que era a sério , que escapou por pouco e que ia mesmo ser violada
De José Meireles Graça a 30 de Setembro de 2018 às 22:41
Não explorei nem a personalidade nem as declarações nem as inconsistências nem as motivações nem o passado da senhora porque nada disso me parece particularmente relevante. O crime inexiste legalmente e, mesmo que tivesse existido, o que é impossível de provar, prescreveu. A prescrição não existe na tão admirada common law, e daí a maluqueira oportunista do partido Democrático a ver se consegue evitar a nomeação. Pena-me que isto, em vez de merecer sorrisos cínicos, esteja a ser usado para uma mais do que dispensável guerra dos sexos.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Só um reparo. Eu não estou surpreendido com o fact...
Eu nao sou Brasileiro assim que me importa pouco o...
Caro Daniel Marques, eu não sou jornalista nem pro...
Por outro lado tambem nao vi nenhum medium portugu...
É louvável o seu esforço para proteger a reputação...

Arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds