Sexta-feira, 15 de Junho de 2018

Cecília Meireles

Na última sexta feira entrei, novamente, numa sede partidária para tomar partido numa disputa interna. Não o fazia há anos. Porventura, demasiados anos, mas a vida é assim mesmo e há um tempo para tudo. E ontem – que foi já na sexta-feira – foi dia de voltar a tomar partido, dizer presente e não deixar pela inação que o melhor seja preterido pelo sofrível.

 

Poucos, talvez não mais do que os dedos de uma mão, seriam os dirigentes do CDS que me fariam perder uma noite familiar para voltar às sedes partidárias. Mas é a Cecília que vai a votos e não poderia deixar de o fazer. Naturalmente, o meu apoio de pouco vale: não mobilizo qualquer sindicato de voto e nem o meu próprio voto lhe poderei deixar, porque ainda militante em Aveiro. Mas fica a certeza que estive do lado certo num momento importante. E, nesta disputa, estar do lado certo é estar do lado da Cecília que representa o melhor que existe na política; precisamente o contrário, há que não ter medo de o dizer, do seu adversário.

 

E quem tem estado na vida civil sabe bem como a Cecília Meireles é querida e apreciada externamente. Apreciada pelas suas qualidades. Querida por ser a prova que é possível ter políticos dedicados, competentes, verdadeiros representantes do seu eleitorado.

 

E a Cecília não deixou desiludiu: um extraordinário discurso, mobilizador, com ideias, mas também com um conhecimento profundo do Partido. Um equilíbrio que dificilmente algum outro candidato algum dia poderá ter.

 

Por isso, a pergunta que cada um deverá fazer é se está, verdadeiramente, preparado para prescindir de um quadro com provas dadas, por qualquer teoria de contabilidade interna.

 

É verdade que ouço muitas teorias sobre a necessidade de romper com o passado, de reequilibrar forças, de dar uma lição. O que ainda não consegui ouvir, porque, verdade seja dita, não é possível fazer o argumento, é que a Cecília não seja a candidata mais bem preparada.

 

Ora, esse tem sempre de ser o critério: o mérito. E quanto ao mérito estamos falados, não há sequer qualquer comparação.

 

Não sei se a Cecília ganhará, mas sei que se perder o CDS estará a passar um atestado ao seu valor maior, ao seu valor fundacional e que animou sucessivas gerações de militantes: os melhores, os mais preparados, os mais trabalhadores devem singrar e não os que têm mais amigos ou mobilizam mais.

 

Não sei se a Cecília ganhará, mas sei que se perder o nosso eleitorado não perdoará não termos sabido escolher quem ele mais aprecia.

 

Não sei se a Cecília ganhará,  mas sei quem é que, fora das sedes, poderá fazer a diferença.

 

Num momento de viragem em que o CDS tão desesperadamente necessita de intervenção pública, credibilidade e estar em sintonia com o seu eleitorado, a Cecília é, obviamente, a única escolha possível.

publicado por Diogo Duarte Campos às 00:47
link do post | comentar
1 comentário:
De Ricardo Sebastião a 15 de Junho de 2018 às 11:08
Depois do PPC, a minha favorita na AR, bem melhor que a A. Cristas, diga-se!

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu é que agradeço a chamada de atenção pertinente....
Obrigado pela a atenção dispensada ao meu comentár...
Sou um visitante diário do vosso blog,mas há quase...
Ai que saudades do saudoso Almeida Santos, mas ent...
Eu percebi aonde queria chegar, mas não me parece ...

Arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds