Domingo, 12 de Maio de 2019

Eutanásia

2019-05-13 Zurique.jpg

A Rosa entrou pela porta num pranto.

- O que é que aconteceu?

- A Zurique foi atropelada.

[A Zurique não é nenhum dos gatos cá de casa, é a gata da prima dela, mais ou menos contemporânea da nossa Laranjinha, mas ela tem uma ligação muito próxima com a prima, que viveu cá em casa quando veio fazer o estágio de advocacia em Lisboa e ela ainda era bebé de fraldas, e também com a Zurique, que a prima levou para casa quando nós já tínhamos uma experiência acumulada bastante apreciável de acolhimento de gatos em casa e portanto ela apoiou com know-how e logística, e afectividade.]

- Morreu?

- Não, está viva, mas está mal.

- Como foi?

- Ontem à noite ela chegou a casa com os miúdos e a Zurique não estava em casa, tinham deixado uma janela mal fechada e ela tinha mais uma vez saído [há uns meses a Zurique tinha andada desaparecida uma semana e só foi encontrada a alguns quilómetros de casa graças a aníncios colocados nas redes sociais], e quando foram à procura dela deram com ela atropelada na rua. Ela levou-a uma clínica veterinária perto de casa, onde a observaram e lhe fizeram uma radiografia, onde viram que tem o esterno partido mas não lhe detectaram lesões internas graves, e a medicaram com analgésicos, mas a Zurique passou a noite a gemer em sofrimento. E ela hoje de manhã tem um compromisso profissional a que é impossível faltar e deixou-a em casa para ir trabalhar, e pediu-me para ir lá a casa ver como ela está e levá-la à nossa veterinária, em cuja avaliação confiamos mais.

[E, chegados aqui, a gata atropelada em sofrimento apesar de medicada para as dores, alguma incógnita sobre se é recuperável ou não, fiz a pergunta]

- E ela está preparada para ser confrontada com tomar uma decisão sobre eutanásia, se a veterinária recomendar?

[Os gatos não são pessoas.

Mas há pessoas que desenvolvem com os gatos relações afectivas suficientemente intensas para lhes ser muito penoso sabê-los a sofrer, mesmo se os gatos exteriorizam muito pouco a dor, para sentir por eles compaixão semelhante à que sentiriam por um humano próximo delas. E ninguém é obrigado a sentir compaixão por gatos, de facto ninguém é sequer obrigado a sentir compaixão por humanos, mas quem tem capacidade de a sentir, por uns e/ou por outros, também não é obrigado a solidarizar-se com a falta de compaixão de quem não a tem, ou sequer de a considerar dentro do domínio da decência humana. Resumindo, há quem sinta compaixão pelo sofrimento dos gatos.

Em todo o caso, o que me fez fazer a pergunta foi um raciocínio muitos simples. Eu gostava muito que a Zurique sobrevivesse e recuperasse das lesões e ficasse boa, mas se a veterinária avaliasse que não conseguiria resistir às lesões e comulativamente estivesse em sofrimento preferia que fosse eutanasiada e cessasse rapidamente o sofrimento a que tivesse uma agonia dolorosa, como parecia estar a ter.

Faria o mesmo raciocínio se em vez de uma gata fosse um humano, nomeadamente um humano com quem eu tivesse uma relação afectiva? Não sei, e respondo assim mais por nunca ter sido confrontado com uma decisão desta natureza do que por ter grande dúvida sobre o que decidiria se fosse.

Mas suponho que já convivi com uma decisão desta natureza, mesmo sem, por pudor, a ter tentado clarificar. A minha mãe morreu nos cuidados intensivos de um hospital depois de ter estado vários dias inconsciente e mantida viva através de ventilação mecânica e outros meios químicos de que também não me procurei inteirar em pormenor, ligada à máquina como se costuma dizer. Visitava-a diariamente, falava com ela, mais porque nos filmes se diz que as pessoas naquela situação conseguem ouvir e compreender, e a ser verdade cada palavra que lhes dizemos merecer ser dita e ser uma oportunidade que não devemos perder, do que por me parecer que de facto ela estivesse a ouvir e compreender, porque me parecia que não. E uma hora de jantar, algumas horas depois de lá ter estado, o médico telefonou-me a comunicar o falecimento, que aceitei com o conformismo de quem estava à espera da notícia sem nenhuma esperança de receber uma diferente.

Nem durante o período em que foi mantida viva artificialmente, nem quando me comunicou o falecimento, confrontei o médico com o que estava a ser feito, se era o melhor para ela, se haveria alternativas mais eficazes, se teria sido possível prolongar-lhe mais a vida. Confiei no juízo dele, não quis interferir, e respeitei-lhe as decisões. Mesmo estando convencido que a última decisão dele terá sido desligar voluntariamente a máquina por ter avaliado que já não havia nada a fazer para a trazer de volta e portanto não valia a pena continuar a prolongar-lhe uma vida que já não era bem vida, mesmo acreditando que ela não estaria a sofrer. Desligar a máquina deve ser uma decisão suficientemente pesada para um médico não necessitar de ter os familiares dos doentes a moer o juízo a quem a toma com dúvidas e recriminações. E eu não lho quis moer.

E para dizer que, resumindo, estou convencido que não foi Deus que decidiu terminar-lhe a vida naquela hora mas o médico num processo de decisão grave mas respeitável e que eu respeitei, e que estou convencido que todos os dias muitos médicos se vêem confrontados com a decisão de desligar máquinas podendo-as manter ligadas, e que são decisões nobres, mesmo se a alternativa de manter os doentes vivos e eles virem a recuperar fosse infinitamente mais apelativa para todos. Se fosse possível.

E falei de casos em que se põe termo à vida de um doente sem o envolver na decisão por cessar a esperança de a recuperar, seja para lhe pôr fim a um sofrimento atroz, seja pela razão ainda menos premente de não ter sentido manter artificialmente uma vida sem viabilidade, nem sequer entrei por casos em que é o próprio doente a, com as expectativas que tem, decidir que não quer continuar a viver e pedir ajuda para morrer condignamente e sem sofrimento.

E não vi nenhum crime nos factos que descrevi nestas linhas, vi apenas afecto, compaixão e responsabilidade.]

- Está, se for essa a opinião da veterinária.

Enquanto ela se preparou e não preparou para sair o tempo foi avançando, quando passou pelo trabalho da prima para ir buscar as chaves de casa a prima já estava despachada do compromisso inadiável e foram as duas, e quando chegaram a casa a Zurique já descansava em paz. Sepultaram-na sem ter que tomar uma decisão sobre eutanásia.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:58
link do post | comentar
1 comentário:
De Tita Vicente a 14 de Maio de 2019 às 10:02
Desde que comecei a morar sozinha que arranjei um gato, o meu kiko. Um ano depois tenho a certeza que foi a melhor decisão da minha vida porque o amor e carinho que recebo todos os dias melhora sempre o meu dia. Não imagino a dor que deve ter sido para essa rapariga perder a sua companheira, ainda para mais da forma que foi. Mas concordo consigo sobre a eutanásia, acho que apesar de ser uma decisão muito dura e difícil, é também um ato de compaixão para quem está a sofrer.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Entendo os problemas de logista. Ha que voltar a a...
Caro senhor Bernardo Silva,Tenho uma boa notícia p...
Caro senhor Bernardo Silva,O seu mal não é câncer,...
Subscrevo, claro.
Para mim não há guerras perdidas. Haverá batalhas ...

Arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds