Sábado, 6 de Janeiro de 2018

Farinha do mesmo saco

Nunca fui aluno da escola do elogio mútuo, organização que tem em Portugal múltiplos estabelecimentos, tradições arreigadas, sócios prestigiados e estatuto inamovível.

 

No tempo do governo da troica isto era um problema: a reforma do Estado (isto é, extinção de serviços, despedimentos de pessoal, revogação de legislação atropelando a liberdade económica e a dos indivíduos, em suma, a diminuição da presença na vida das empresas e das pessoas), bem como a baixa dos impostos, nunca se materializaram. Ao contrário: o governo, injustamente tachado “de direita”, não tocou seriamente no Estado, nem sempre curou, com as privatizações, de assegurar a concorrência e não apenas a transferência de monopólios, nem muito menos se subtraiu ao vento das modas estúpidas do fascismo sanitário e do combate à desigualdade e à evasão fiscal.

 

Problema para mim porque não era razoável que um sócio, anónimo embora na sua quota de 1/10.000.000, acabrunhasse de críticas o administrador da massa falida quando este se esforçava seriamente, e no essencial com mérito, por tirar a empresa do atoleiro, e isto quando havia accionistas inimputáveis que desejavam a falência, uns, e se imaginavam mais competentes, outros, todos aguerridos na sua inconsciência.

 

Havia porém dois elementos do governo que, personificando parte do que nele estava errado, e sendo ao mesmo tempo política e pessoalmente insignificantes, davam um flanco jeitoso a quem, como eu, não queria ser confundido com a turba acéfala dos anti-austeritários mas não via com bons olhos personagens que se dizem de direita mas não defendem, por ignorância ou má-fé, senão soluções de esquerda.

 

Um deles era o secretário de Estado da inquisição fiscal, Núncio; e o outro o seu colega para assuntos da burocracia da saúde pública, Leal da Costa.

 

O primeiro tem estado calado, razão pela qual não pode ser acusado de acrescentar ao ar espesso do asneirol; mas o outro não cessa de se aliviar das suas opiniões, de mais a mais no Observador. Este jornal, originariamente pensado como pretendendo dar voz a correntes de direita, tem vindo a ceder espaço a socialistas como Aguiar-Conraria e Trigo Pereira, por darem ambos a impressão de não ser completamente geringôncicos; e a bem, supõe-se, do Centrão e da modernidade pateta, acolhe também este Savonarola da saúde.

 

Que diz então Leal? Goza com o  Despacho 11391/2017 de 19 de dezembro, não porque este seja, como é, uma intolerável intromissão do Estado nos hábitos de consumo dos frequentadores dos hospitais e na liberdade dos concessionários das cafetarias mas porque na grotesca lista que consigna  faltam o toucinho do céu, o pudim abade de priscos, o salame de chocolate e – aqui Leal todo se escancara num riso alvar - o salpicão.

 

“É com palermices como a deste Despacho, que fará história, que se matam boas ideias para a melhoria da saúde pública”, diz com suficiência.

 

Sucede que, salvo no que toca à preocupação pueril do Despacho de descer à minúcia de fazer o elenco de todos os artigos de cafetaria que o legislador acha que devem ser vedados a quem entre num hospital público, não há qualquer diferença essencial entre o abuso do fascista Fernando Araújo e os do seu antecessor Leal.

 

Diz este último: “Por muito menos, numa outra vida que já tive, chamaram-me de higieno-fascista por defender medidas, eficazes e de impacto provado, no combate ao tabagismo”.

 

Foi, Nandinho? Chamaram-te isso, credo? Olha, fui um deles e aliás ainda te chamei coisa pior.

 

O tabagismo faz mal à saúde. Mas a doçaria também, e boa parte do que consta da famigerada lista. Se, com o dedinho em riste do frade justo, não hesitaste em atropelar os direitos dos viciados em tabaco, entrando por estabelecimentos privados dentro e indo muito além do pretexto inicial de defender a saúde dos não-fumadores, por que razão é que o teu colega, que faz parte de um governo que poderias perfeitamente integrar se não calhasse teres filiação noutro clube, não pode entrar em estabelecimentos públicos?

 

“Conheces e aprecias” Fernando Araújo. Compreendo: ser farinha do mesmo saco é em si uma base sólida para o respeito mútuo.

 

Saco que, a bem da liberdade daquela minoria que não reconhece ao Estado o direito de lhe dizer o que pode ou não comer, e que vícios são toleráveis, bem podia ser atirado ao mar.

publicado por José Meireles Graça às 13:58
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

desde que me conheço os EUA em nome de se defender...
Depois do PPC, a minha favorita na AR, bem melhor ...
300 contos mensais de bolsa nos anos 90 para "subs...
Há matéria neste artigo a aproveitar pelos explora...

Arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds