Terça-feira, 1 de Janeiro de 2019

Fim de ano e de semana

Este ano fui para fora cá dentro. E, para encher os dias, fui ver o tesouro da Sé, que é mais tesouro do que imaginava; o castelo de S. Jorge, cuja porta não franqueei porque havia uma gigantesca fila de turistas à espera do privilégio de entrar para poderem dizer que lá tinham estado; ao palácio nacional de Queluz, onde contemplei a decadência e sujidade que com esplendor lá se guardam; aos Jerónimos, que continham mais visitantes a tirar selfies, a atrapalhar a circulação e a consultar com empenho os telemóveis do que alguma vez, no passado, monges – um Cristo moderno bem podia expulsar aquele lúmpen moderno de compralhões no templo, ao menos com o expediente de os fazer pagar bilhete; ao palácio Fronteira, fechado “para férias”, mas cujo aspecto exterior não me deixou uma irreprimível vontade de o ver por dentro; e ao “palácio” de Monserrate, por duas vezes, a primeira para bater com o nariz na porta por o concelho de Sintra, aparentemente, ter mais problemas de circulação automóvel que a cidade de Nova Iorque, o que me fez chegar tarde. Os jardins merecem a visita que o “palácio” não merece: não é um palácio, para começar, é uma folly em ponto grande; a decoração, de inspiração mourisca, é um exemplo daquela mania romântica de recrear espaços de civilizações perdidas, góticas, árabes ou orientais, e haverá decerto textos contemporâneos (que infelizmente não conheço) a classificar o exercício de um industrial inglês com a mania das grandezas por aquilo que era – uma piroseira, como são quase sempre os pastiches. De resto, o senhor D. Luís deu ao homem o título de visconde, e fez muito bem, porque Cook, que não deve ter sido meigo a explorar os miseráveis nas suas fábricas inglesas, no auge da Revolução Industrial, veio aliviar a sorte dos outros miseráveis que por aquele tempo habitavam aquelas serranias.

 

O “palácio” está despido de quase tudo o que continha, porque tudo foi leiloado nos anos 40, salvo erro, e parece que quem o administra tem a intenção de recomprar algumas coisas. Faz bem, é claro, como é claro que falhará: aqui como em todos os outros lados, nota-se uma terrível falta de dinheiro.

 

Ora isto é extraordinário. Portugal é um país pobre de monumentos, apesar dos seus 900 anos de história, mas precisamente por isso deveria estimar os que tem. E aqui, como em Mafra, ou nos castelos, conventos e igrejas espalhados pela província, o que salta à vista é uma confrangedora pelintrice.

 

O país é pobre, não pode? Tretas: de passagem, vi no Terreiro do Paço um cone com ar de chupa-chupa gigante, que me disseram ser uma árvore de Natal, e o resto do espaço estava obstruído com palcos, decerto para uns piolhosos irem para lá ganir umas musiquetas. É o mesmo, à escala, nos mais de 300 concelhos do país: subsídios à cultura da chupice, do espectáculo, do berreiro, dos artistas e das clientelas. E em todas estas coisas circula dinheiro público, o mesmo dinheiro que nunca há para conservar o património.

 

Talvez faça sentido: afinal a gente que vi nos Jerónimos, sem o menor vestígio de respeito pelo lugar, que ainda é de culto, ou de atenção pela arquitectura, que impressiona, é a que vota nos Marcelos ou Medinas desta vida.

publicado por José Meireles Graça às 22:16
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

O blog fechou? Aconteceu alguma fatalidade? Digam ...
Como me fiei em endereços do seu perfil, recebi a ...
Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.
Muito bom post, no seu estilo. Mordaz, q.b.E que e...
Extintores (https://www.comprarextintoresbaratos.e...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds