Sábado, 22 de Junho de 2019

Guerra perdida

Compareci no hospital à hora marcada, em jejum, para o efeito de me enfiarem pelo rabo acima um gadanho para inquirir in loco dos desmandos de uma víscera indisciplinada. Como uma desgraça nunca vem só, a maré foi julgada oportuna para estadear dentro de um tubo, imóvel, ao som de várias escaramuças de metralhadora, por espaço de mais de meia hora, com o propósito de apurar o estado de uma outra, usualmente discreta, mas que em exame anterior havia dado de si indicações ominosas.

 

É bom de ver que o estado de espírito não era excessivamente bem-disposto. E a ausência da ração de três cafés com que há muito tempo começo um novo dia recomendava, para quem me conhece, a precaução de me passar ao largo.

 

A menina na recepção, após um pequeno tempo de espera, disse:

 

 ꟷ Prontos, Sr. José, é sempre em frente, na sala tal, serviço tal.

 

Logo ali, signifiquei carrancudo à funcionária que Sr. José era o meu jardineiro. E na tal sala outra recepcionista, igualmente novinha, simpática e ignorante, foi objecto do mesmo esclarecimento e da desnecessária informação de que o meu sobrenome figurava no papel que tinha na mão.

 

O médico, jovenzinho (há uns anos uma profusão de profissionais me começaram a parecer jovenzinhos) era surpreendentemente da mesma escola, mas prudentemente abstive-me de lhe dar a formação, antes do exame, em normas de trato de que carecia; guardei-a para depois.

 

Os resultados dos exames vieram e, como esperava (pratos ruins não caem abaixo do louceiro), não havia nada além da patine e das mazelas comuns para a idade e estilo de vida.

 

Fui mostrá-los ao meu médico, amigo antigo e anormalmente (para a profissão) sensato, na clínica que dirige.

 

Actualizou o meu cadastro, inquiriu, como habitualmente, se já tinha deixado de fumar e, como habitualmente, foi inteirado de que sim, há cerca de dez minutos, preencheu requisições para análises lá para Setembro, e como na recepção da clínica já tivesse havido o ritual do “Sr. José” para a frente e “Sr. Graça” para trás, contei-lhe a história – da clínica dele e do hospital privado onde torturam as pessoas a requisição médica e, sem requisição, se lhes dirigem como se pertencêssemos todos à geração mais bem formada de sempre.

 

Disse-me que era uma guerra perdida ꟷ a malta nova era incapaz de aprender fórmulas correctas de trato. Mas que, se eu julgava que a coisa era fácil de explicar, lhe mandasse um texto simples. Claro que o que ele queria era fechar-me a matraca, mas o expediente escolhido não era o mais indicado para mim, que tendo a ser incontinente verbal, e pior ainda por escrito.

 

O texto que lhe enviei, sumário e simples, figura abaixo.

 

Convenções sociais são as normas, geralmente não escritas, e que evoluem lentamente, pelas quais se regem os cidadãos nas suas relações com os outros. É em nome delas que ninguém em seu juízo comparece a um velório de pijama ou vai a um casamento em fato de banho; e é em nome da evolução dos costumes que já ninguém é tratado por “Vossa Mercê”.

 

Variam com o tempo e têm vindo há muito a mudar de mais para menos formais. Não cabe porém aos funcionários deste estabelecimento ou qualquer outro serem inovadores em matéria de trato social, mas antes respeitarem as normas comummente aceites, o que se verifica frequentemente não acontecer.

 

Razões por que abaixo se dão, em termos práticos, orientações sobre as fórmulas de trato que devem ser seguidas quando os funcionários se dirijam a utentes desta Casa de Saúde.

 

Em relação a utentes do sexo feminino

 

Quando exista e se conheça o grau académico, as senhoras devem ser tratadas por esse grau, por exemplo: Sra. Dra., Sra. Engenheira, Sra. Arquitecta, etc. Deste modo, e NUNCA simplesmente por Dra., Engenheira, Arquitecta, etc.

 

Se porém o funcionário não se estiver a dirigir directamente à pessoa mas a chamá-la de entre um grupo (o caso mais vulgar é a sala de espera) deverá, além do Sra. [grau académico] acrescentar o primeiro e o último nome, por exemplo: Sra. Dra. Maria Alves, Sra. Engenheira Antónia Ferreira, Sra. Arquitecta Francisca Silva, etc.

 

Quando não exista ou não se conheça o grau académico, as senhoras devem ser tratadas pelo nome próprio, precedido de Sra. Dona. Por exemplo, Sra. D. Maria, Sra. D. Antónia, Sra. D. Francisca, etc. É preferível, porém, se a pessoa tiver dois nomes próprios, usar os dois, como segue: Sra. D. Maria da Glória, Sra. D. Antónia Maria, Sra. D. Francisca da Anunciação, etc. NUNCA Sra. Maria, Sra. Antónia, Sra. Francisca, etc.

 

Se porém o funcionário não se estiver a dirigir directamente à pessoa mas a chamá-la de entre um grupo (por exemplo, na sala e espera) deverá, além do Sra. D. [nome ou nomes próprios], acrescentar o último sobrenome, tal como: Sra. D. Maria Alves, Sra. D. Antónia Ferreira, Sra. D. Francisca Silva, etc.

 

Em relação a utentes do sexo masculino

 

Quando exista e se conheça o grau académico, os senhores devem ser tratados por esse grau, por exemplo: Sr. Dr., Sr. Engenheiro, Sr. Arquitecto, etc. Deste modo, e NUNCA simplesmente por Dr., Engenheiro, Arquitecto, etc.

 

Se porém o funcionário não se estiver a dirigir directamente à pessoa mas a chamá-la de entre um grupo (por exemplo, na sala de espera) deverá, além do Sr. [grau académico] acrescentar o primeiro e o último nome, a saber: Sr. Dr. Mário Alves, Sr. Engenheiro António Ferreira, Sr. Arquitecto Francisco Silva, etc.

 

Quando não exista ou não se conheça o grau académico, os senhores devem ser tratados pelo nome próprio e último sobrenome, precedido de Senhor, quer os funcionários se lhes estejam a dirigir directamente quer estejam a ser chamados, por exemplo na sala de espera. Quer dizer, no caso, Sr. Mário Alves, Sr. António Ferreira, Sr. Francisco Silva, etc. Ou, alternativamente, apenas por Senhor seguido do último sobrenome, por exemplo Sr. Alves, Sr. Ferreira, Sr. Silva, etc., mas neste último caso apenas quando o funcionário se esteja a dirigir directamente ao utente.

 

A razão de ser desta distinção é que quando se chama uma pessoa na sala de espera devem ser limitadas ao máximo as probabilidades de confusão, para além de ser útil significar publicamente, pelo formalismo do trato, o respeito que à instituição merecem todos os clientes.

Em relação a crianças e adolescentes

 

Crianças podem ser tratadas pelo nome próprio e por tu, se muito novinhas, mas se chamadas, por exemplo na sala de espera, deve preceder-se o nome próprio e sobrenome de “menino” ou “menina”, por exemplo menino Mário Alves, menino António Ferreira, menina Francisca Silva, etc.

 

Com adolescentes, se ainda novos, pode suprimir-se o “senhor” e “senhora”, mas não se deve utilizar o “tu”.

 

É em nome do respeito devido a todos os clientes desta casa que se recomenda a atenção às normas de trato vigentes, cuja ignorância pode ofender, cujo atropelo não tem quaisquer vantagens e cuja memorização não apresenta particulares dificuldades.

publicado por José Meireles Graça às 16:28
link do post | comentar
5 comentários:
De Daniel Marques a 22 de Junho de 2019 às 19:39
O Sr. Dr. esqueceu-se das excecoes: se for jardineiro, operario do vale do Ave ou outra pessoa inferior, os senhores podem ser tratados pelo nome proprio precedido por Senhor. Como por exemplo, Sr. José.

Para evitar uma possivel morte social de uma pessoa de nivel superior que nao foi dividamente identificada como Sr. Dr. o ideal seria fazer tatuar a profissao de cada pessoa na testa.

Despeco-me com os melhores cumprimentos desejando encarecidamente que o texto seja ironico e pedindo desculpa pela falta de acentos: sou imigrante e provavelmente um pouco ignorante.
De José Meireles Graça a 22 de Junho de 2019 às 19:56
Tatuar na testa? Não dá: quando se mudasse de profissão ia ser um problema. Além de que há profissões cuja designação é demasiado extensa, por exemplo operador de máquinas de ressonância. Para caber, teria de ser um tipo de letra muito pequeno e aí haveria problemas de legibilidade. Além de que há dúvidas sobre certas profissões. Por exemplo, o nosso presidente da República deveria ser designado como Presidente ou como Treteiro? Grande dúvida. Não, o melhor mesmo é, quando se lida com público, memorizar umas regras simples. Como as que estão acima. Retribuo os cumprimentos.
De Daniel Marques a 23 de Junho de 2019 às 07:13
Entendo os problemas de logista. Ha que voltar a adoptar os nomes de profissoes tradicionais. Um tecnico de espacos verdes tem de voltar a ser jardineiro e uma empregada de limpeza a ser criada.

Ter todo o curriculum tatuado na testa ajuda a criar pequenas distincoes bastantes vantajosas evitando possiveis "melindres". Um licenciado que por forca da crise trabalhe como jardineiro perderia o apelido mas nao o titulo passando de Sr. Dr. Jose Fontes para Sr. Dr. Jose.

Esperando que estas sugestoes sejam do seu agrado, despeco-me com os melhores cumprimentos.
De gato a 22 de Junho de 2019 às 22:12
Para mim não há guerras perdidas. Haverá batalhas perdidas que nos ensinam a ganhar a guerra. Assim, subscrevo Ferdinand Foch, Maréchal de France: "Accepter l'idée d'une défaite, c'est être vaincu".
Ainda explico à pessoa que, se não aprendeu, se não lhe ensinaram, vai sempre a tempo.
Eu creio que no mundo dito «ocidental» os homens são chamados pelo apelido — Mr John tanto poderia ser Wayne como Kennedy e Sr António tanto poderia ser Guterres como Salazar.
As mulheres devem ser chamadas pelo seu nome — neste país, em geral, Maria N — a que se junta o apelido que preferem.
Nada custa perguntar a uma pessoa como gosta de ser chamada. E escreve-se na 'ficha'. Os títulos profissionais devem ser usados para evitar melindres; só são para omitir por opção do próprio.

Cumprimentando,
o eao
De José Meireles Graça a 22 de Junho de 2019 às 22:52
Subscrevo, claro.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.
Muito bom post, no seu estilo. Mordaz, q.b.E que e...
Extintores (https://www.comprarextintoresbaratos.e...
Além de concordar, acho graça ao seu estilo de red...
«Porque os sistemas, a monitorização, as certifica...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds