Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

Maquineta avariada

A maquineta custou para cima de dois milhões de euros, era à época o último grito, os dois tipos que receberam formação para trabalhar com ela ficaram impressionados com a sofisticação do equipamento, os horários finlandeses e a merda da comida local.

 

Prudentemente, fizemos um seguro contra avarias. E, embora destas houvesse muitas, e a assistência se revelasse caríssima, abstivemo-nos de as reportar por caberem dentro da utilização e desgaste normais.

 

Até que, em 2013, catrapum, um badagaio total.

 

Veio o especialista e deu um veredicto, e um orçamento, desagradáveis: a coisa ficaria bem acima de 40.000 euros, mas só desmontando é que se podia apurar a extensão dos estragos, e tal operação implicava a deslocação de técnicos estrangeiros durante xis dias, a tanto por cabeça e dia, mais viagens.

 

Inteirada destes tristes sucessos, a companhia de seguros ligou o complicador: papeladas, relatórios, trocas de e-mails. E, após peritagem por um técnico que nomeou, informou que era necessário desmontar a máquina para apurar o custo real da reparação, que ao técnico em questão, que do assunto sabia sobretudo que tinha de agradar a quem o contratou, “parecia” estar orçamentado com manifesto exagero.

 

Informámos que a desmontagem custaria em si um montante elevado, constante aliás do orçamento que havíamos apresentado, e que entendíamos dever ser a seguradora a suportar tal custo; que não víamos nenhum inconveniente em que ela escolhesse outra firma, e não o representante da marca, para efectuar a reparação, desde que garantisse o resultado; e que o arrastar de pés que toda a indecisão nos estava a provocar ocasionava um prejuízo para o qual não deixaríamos de exigir indemnização.

 

Seguiu-se a troca da correspondência em língua de pau em que as companhias – as que conhecemos – estão especializadas. E em 2014 foi interposta a competente acção judicial, da qual não ouvimos mais falar até aí há pouco menos de um ano, quando o tribunal exigiu concretização dos prejuízos (tarefa aliás quase impossível, por razões que aqui não cabem).

 

Um dia chegou a notificação para toda a gente comparecer no passado dia 10 de Maio no tribunal. E lá se pediu às testemunhas, das quais a principal era um ex-trabalhador colocado na Itália, o sacrifício.

 

Da companhia veio um advogado simpático; ao nosso foram dadas instruções para aceitar, se lhe fosse proposto um acordo extrajudicial, um mínimo de determinado montante; e após rapidíssimas negociações foi acordada uma indemnização de 34.000,00 euros.

 

A juíza homologou o acordo, no qual a seguradora se comprometia a enviar “no prazo de 30 dias” um cheque daquele valor para “o escritório do “ilustre mandatário da autora”; o representante da empresa, que era este vosso criado, apôs a sua conceituada assinatura; a juíza sorriu: e todos, menos a senhora, fomos ao snack ali perto, debaixo de um sol radioso.

 

Fez-se justiça? A juíza achará decerto que sim, acaso não foram as partes que desistiram do conflito? O advogado da companhia achará decerto que sim, então a companhia não acabou por pagar muitíssimo menos do que teria pago se aceitasse a reclamação de há cinco anos, e os prejuízos, fora o que poupou em juros? O advogado da empresa achará decerto que sim, então não conseguiu uma indemnização de valor superior àquela que o cliente o havia autorizado a aceitar?

 

Eu acho que não, que não se fez justiça. Os juízes sobrecarregados apreciam acordos, que não dão trabalho, em lugar de sentenças, que dão; os advogados, que não querem desagradar aos juízes, porque não ganham nada com isso, também os preferem, se puderem evitar julgamentos; as companhias de seguros, cientes destes factos, especializaram-se em deixar seguir ao menor pretexto as coisas para tribunal, certas de que não correm quaisquer riscos reais, e só podem ganhar com tais práticas; e as empresas, como os cidadãos, sabem que um mau acordo é preferível a um julgamento de resultado incerto, e que os meios de que dispõe uma companhia de seguros, especializada nestas mascaradas, excedem quase sempre aqueles dos que as demandam.

 

Ao trigésimo dia chegou, não o prometido cheque, mas um recibo: só assinando recibos declarando que se recebeu o que não se recebeu, portanto emitindo um documento falso, é que as companhias pagam. E não pagam logo, é preciso levar o recibo a um sítio qualquer e esperar que façam uma transferência.

 

É claro que eu, se fosse juiz e pudesse deixar de o fazer, não homologaria um acordo que junta a prepotência ao abuso, e no mínimo informaria os senhores advogados que não eram precisos 30 dias, nem recibos falsos, nem assinaturas, nem chatices.

 

E é claro que existe uma entidade de supervisão das seguradoras à qual pode recorrer quem quer que, por ingenuidade, imagine que as entidades de supervisão supervisionam alguma coisa em Portugal. Mas a mesma experiência que leva os cidadãos prudentes a aceitar acordos injustos também aconselha a que não se perca tempo e recursos com entidades que existem para fingir que servem a celebrada defesa do consumidor.

publicado por José Meireles Graça às 16:27
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Só um reparo. Eu não estou surpreendido com o fact...
Eu nao sou Brasileiro assim que me importa pouco o...
Caro Daniel Marques, eu não sou jornalista nem pro...
Por outro lado tambem nao vi nenhum medium portugu...
É louvável o seu esforço para proteger a reputação...

Arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds