Sexta-feira, 18 de Maio de 2018

Mata-bicho

Já anteriormente tinha visitado o programa Mata-bicho, que passa nos diversos canais radiofónicos da RTP, com a eventual excepção da Antena 2, onde nunca o ouvi passar.

O programa tem a locução do humorista Bruno Nogueira e a autoria do guionista João Quadros, respectivamente o alto e o baixo na figura.

2018-05-18 Bruno Nogueira João Quadros.jpg

Na altura consegui fazer uma análise ao conteúdo do programa, porque era essencialmente um programa falado, e cheguei à conclusão que o sentido de humor era sofrível, as piadas muito básicas, a temática fútil, a orientação política evidente, e o estilo um bocado ordinário a pender para a misoginia.

Em resumo, e porque o humor é aparentemente uma disciplina cuja qualidade é determinada pela qualidade percebida por cada espectador e, portanto, dependente de critérios subjectivos, e portanto o que eu acho merdoso pode ser considerado genial por outros espectadores, ficaria encantado se eles passassem o programa como espectáculo de humor numa sala com entradas pagas por quem os quisesse ouvir e vivessem da receita de bilheteira, mas não fico nada encantado por serem contratados pela RTP que vive de taxas pagas por todos, e também por mim, quer queiram, quer não, como é o meu caso, quer gostem do programa, quer não, como é o meu caso.

E que aos humoristas devem ser tolerados, em nome da liberdade criativa, excessos de liberdade de expressão que, noutras circunstâncias, poderiam resultar no espancamento de quem recorre a ela por quem se ressente de ser alvo de quem recorre a ela. Por exemplo, se a referência à antiga deputada Zita Seabra feita no programa que ouvi fosse feita numa mesa de café e o marido dela estivesse na mesa ao lado não seria descabido o marido levantar-se e esmurrar a tromba do autor da piadola, mas num programa de humor a piadola deve ser tolerada e até encorajada.

E que o facto de terem uma orientação política marcada, tanto no programa humorístico em questão, como noutros, como nas opiniões que exprimem noutros meios de comunicação, por exemplo nas redes sociais ou em colunas de opinião em jornais, é, não apenas tolerável, como desejável como mostra de uma consciência cívica assumida sem medos nem vergonha.

E que os comportamentos que parecem indiciar doenças mentais evidenciados pelos autores noutros meios e noutras circunstâncias não devem ser usados como arma de arremesso para tentar insinuar que não lhes deveria ser oferecido palco na estação pública, até porque de génio e de louco todos temos um pouco, o que não significa, mas com algum esforço podemos fingir que significa, que de génios do humor é esperado que sejam também um bocado loucos, de modo que se queremos usufruir do humor deles também temos que lhes tolerar a loucura. E, mesmo que não queiramos, também temos.

Tudo junto, eles são avençados da RTP, que é sustentada com o nosso dinheiro, mas devemos comer a calar.

Ontem calhou de novo conduzir com o auto-rádio ligado à hora a que passou o programa na Antena 1, e ouvi mais uma edição do programa, esta chamada de "A arte do som". Desta edição é impossível descrever o conteúdo sem recorrer a onomatopeias, e eu não sou muito forte em onomatopeias, pelo que, pedindo antecipadamente desculpa aos leitores por abusar do tempo deles, proponho a audição integral da peça.

Conseguiram ouvir? Honestamente? Mesmo até ao fim?

Então estão habilitados a responder à pergunta que trago:

  • O humorista Bruno Nogueira e o guionista João Quadros são avençados da RTP para produzirem programas merdosos como este, ou como recompensa por injuriarem políticos de direita e respectivas famílias nas redes sociais e nos espaços de comentariado que lhes são proporcionados por outros orgãos de comunicação social?

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 14:38
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu é que agradeço a chamada de atenção pertinente....
Obrigado pela a atenção dispensada ao meu comentár...
Sou um visitante diário do vosso blog,mas há quase...
Ai que saudades do saudoso Almeida Santos, mas ent...
Eu percebi aonde queria chegar, mas não me parece ...

Arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds