Terça-feira, 4 de Dezembro de 2018

#MeToo, as vítimas finais

2018-12-04 Fearless girl.jpg

Não tenhamos dúvidas que na raiz do movimento #MeToo estão situações de violência reais que não foram denunciadas em devido tempo por a denúncia acarretar para as vítimas um custo demasiado elevado para a reparação que lhes poderia ter proporcionado.

Mas as exigências de prova que a metodologia de denunciar um abuso sexual sem testemunhas ocorrido há tempo suficiente para eliminar qualquer possibilidade de ser investigado de modo a esclarecer se a denúncia é verdadeira ou falsa, que são nenhumas, só poderiam conduzir aonde conduziram: uma situação em que qualquer mulher mal intencionada pode denunciar qualquer homem que, pelo menos, tenha estado a sós com ela nalguma ocasião no passado de a ter assediado ou cometido um abuso sexual sobre ela, quer tenham tido qualquer tipo de contacto físico, quer não, quer qualquer eventual contacto físico tenha sido consentido, quer não, mesmo que a não ter sido consentido tivesse sido ele, e não ela, a vítima do abuso.

Isto não é um problema específico dos abusos sexuais, é um problema genérico de todos os crimes que são cometidos na intimidade e que só podem ser avaliados com base em provas testemunhais, que podem ser fantasiadas, quer por parte de quem acusa, quer pela de quem se defende. Não é um problema simples de resolver, e eu não sei como deveria ser resolvido, mas é um problema real.

E isto é um risco real que correm todos os homens que ficam a sós com uma mulher em qualquer circunstância, em qualquer lugar, do elevador do prédio ao gabinete de trabalho ou sala de reuniões. Se a mulher for desonesta e o quiser fazer, pode inventar uma denúncia de assédio ou mesmo de abuso sexual que ela poderá não conseguir provar mas que ele muito dificilmente terá possibilidade de provar ser falsa. No máximo poderá ser condenado em tribunal por abuso sexual com base no testemunho da queixosa, no mínimo a reputação do acusado é condenada à morte.

E a generalização de queixas de antigos atentados atentados à autodeterminação sexual das vítimas que constitui hoje em dia o movimento #MeToo é uma chacina de reputações, algumas que certamente mereciam se expostas, outras que não, outras que pelo contrário.

Wall Street é, apesar de albergar o que há quem pense serem os facínoras mais gananciosos do mundo, ou se calhar por isso mesmo, um local onde tem sido feito algum esforço por promover a ascensão de mais mulheres aos mais altos cargos de gestão das empresas cotadas, o que só demonstra inteligência da parte dos investidores que preferem mais mulheres a gerir as empresas onde arriscam as suas poupanças porque julgam que mais mulheres trarão melhor gestão às empresas e maior valorização dos seus investimentos. A ideologia de Wall Street não é o marxismo cultural, seja lá o que este termo possa designar, é a cultura da maximização do retorno do investimento.

Há fundos de investimento compostos exclusivamente por acções de empresas que têm mais mulheres nos Conselhos de Administração, e em 2017 foi mesmo eregida uma estátua com uma carga simbólica evidente de uma pequena mulher tão frágil quanto poderosa, a "Fearless Girl", a enfrentar o poder dos mercados, o "Charging Bull", que será brevemente mudada para junto da New York Stock Exchange.

Não por razões de ideologia do género, mas porque mais mulheres nos mercados financeiros potenciam melhor gestão e melhores retornos. Até agora.

Agora, para responder aos riscos incontroláveis em situações específicas colocados pelo movimento #MeToo que está "...creating a sense of walking on eggshells...", os Wall Street boys andam a adoptar informalmente regras de prudência como "No more dinners with female colleagues. Don’t sit next to them on flights. Book hotel rooms on different floors. Avoid one-on-one meetings", ou mesmo evitar recrutar mulheres por recrutar alguma se poder transformar num "unknown risk". Ou seja, a segregar as mulheres, tanto no trabalho do dia-a-dia e nos contactos profissionais como até nas oportunidades de emprego.

Por razões muito atendíveis. Por mais propensos ao risco que sejam habitualmente os Wall Street boys, é pior ter um prémio de gestão mais ambicioso por ter mulheres ao lado a contribuirem para melhorar os resultados das empresas mas poder acabar na cadeia do que ter um prémio de gestão mais modesto mas poder gastá-lo em liberdade.

Quem são então as vítimas finais do modo como se desenvolveu o movimento #MeToo? As mulheres. Podem agradecer a quem fez dele aquilo em que ele se tornou.

 

  • O autor escreve de acordo com a ortografia pré Acordo Ortográfico e nos termos do preconceito ideológico que considera que os abusos sexuais são cometidos por homens sobre mulheres e não o inverso.
publicado por Manuel Vilarinho Pires às 14:48
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Apesar de se esconder por trás do anonimato reconh...
Os amigos que o Manuel Vilarinho Pires protege vol...
Não é controlo no sentido de corrigir comportament...
... e também, quanto ao primeiro ponto ("O primeir...
Mais um artigo interessante. Contudo, quanto ao te...

Arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds