Domingo, 6 de Maio de 2018

O cartaz

Irene-02.jpg

 

O cartaz criou uma tal comoção que durante quase dois dias milhares de pessoas o viram nas redes sociais; nas caixas de comentários dos jornais que o reproduziram uma quantidade de leitores insultou a moça com excesso de maiúsculas, pontos de exclamação e vernáculo, e défice de gramática, enquanto outros a defendiam com arreganho e as mesmas armas; e, consagração suprema, Pacheco Pereira requisitou a papeleta para a acrescentar, supõe-se que em lugar de destaque, ao depósito onde mistura algumas coisas úteis com quantidades prodigiosas de lixo, na biblioteca de Alexandria das irrelevâncias que designa como Ephemera.

 

Os dizeres, que mereceriam ser vertidos em bronze numa qualquer escultura pós-moderna instalada numa rotunda de um concelho progressista, eram os seguintes: “Farta até a cona de gerar a mais-valia dos homens. Trabalho reprodutivo sustenta o capital.”

 

Isto é forte, mas infelizmente não se percebe: até à cona porquê? Não deveria ser até à ponta dos cabelos, como está consagrado para significar que se quer ir de um extremo a outro? Porquê parar a meio, como se estivesse com as pernas fresquíssimas mas a cabeça, o tronco e os braços moídos, ou estes em estado de grande vigor mas as pernas num molho?

 

Leitores incautos como eu imaginaram que a azougada e simpática gorduchinha estivesse a falar de prostituição, e a identificasse com a mais-valia da satisfação sexual egoísta dos homens, aparecendo a reprodução e o capital no texto porque realmente não se pode negar que as putas não trabalham de graça, nem que, sem conas, não há partos e por conseguinte reprodução.

 

Raciocínio retorcido e altamente insatisfatório, decerto. Mas, que diabo, são vinte e dois aninhos de idade, é a geração mais bem formada de sempre, e no contexto do 1º de Maio e daquela boa gente festiva e demente do Bloco, querer senso e ideias escorreitas seria uma exigência despropositada.

 

Engano meu. Que, tropeçando por acaso nesta entrevista, fiquei a saber que as amigas da rapariga, que é espanhola, a ajudaram a traduzir os dizeres; que, ignorantezinhas como são, imaginaram que nestas praias onde a modernidade chega com atraso toda a gente soubesse que trabalho reprodutivo significa, no dialecto da seita, maternidade; e que há mercado para a ideia de que deve haver um salário para a reprodução biológica, mas também outras actividades como “cuidar das crianças, de quem está doente, limpar, lavar, cozinhar”. “Tudo isso é trabalho necessário para que sejamos indivíduos produtivos social e economicamente”. É por isso, conclui a activista, que este tipo de encargos “sustenta o capital”.

 

Temos então que os capitalistas, investindo, criam riqueza apenas para si, donde a sua existência é meramente parasitária; que os maridos, ou pais, não contribuem suficientemente para a educação e sustento da prole, mesmo que sejam trabalhadores por conta de outrem, razão pela qual se têm de ir buscar recursos a outro lado, e esse é o do capital; e que os capitalistas, a somar às suas outras perversões, têm a de esperar pela calada e traiçoeiramente que as mulheres tenham filhos com o inconfessado propósito de, logo que bem nutridos e tratados, os explorarem impiedosamente.

 

Donde virá o salário que as mulheres com filhos devem auferir Irene não diz, e o jornalista esqueceu-se de esclarecer esse detalhe, assim como ficamos sem saber qual o montante justo de semelhante retribuição, se será proporcional ao número de filhos, se não haverá diferenciação consoante a qualidade reprodutiva das futuras mães, e outros pormenores do maior relevo. Mas o assunto haverá de entrar na ordem do dia, visto que há em Lisboa uma organização, a Assembleia Feminista daquela localidade, que se encarrega de promover esta e outras causas femininas e sociais; assim como existe inclusive um organismo europeu, o Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE) que esclarece as massas sobre o que se deve entender por trabalho reprodutivo.

 

Sempre a aprender. Se bem que a activista Irene diga que “isso a que chamam amor é trabalho não pago”. Julgava, ingenuamente, que trabalho de amor pago era o das, com licença, putas.

 

E só não me junto ao coro dos indignados que assim a trataram porque não tive, mas podia ter tido, uma filha assim voluntariosa, gordinha, blocazinha e patetinha. E, se a tivesse tido, veria estes dislates com a mesma ternura que suponho aos pais dos moços do Maio de 68, que se anda a celebrar: não lhes cortaram a mesada; sorriram às proclamações, aos desacatos, aos paralelepípedos levantados das ruas, e às abundantes libações. Sabendo que, um mês volvido, tudo ficaria na mesma, logo que os calceteiros consertassem os pavimentos e os lixeiros removessem as garrafas vazias.

publicado por José Meireles Graça às 17:51
link do post | comentar
5 comentários:
De gato a 11 de Maio de 2018 às 16:35
Muito boa e hilariante prosa. Vexa, desta vez, foi simples e directo. Felicito-o
De José Meireles Graça a 11 de Maio de 2018 às 17:06
Obrigado.
De Anónimo a 18 de Maio de 2018 às 14:10
Há matéria neste artigo a aproveitar pelos exploradores. Não falo dos capitalistas, mas do fisco. É só considerar essas tarefas domésticas como um trabalho valorizado em euros, que logo se verá o longo braço do fisco a regular e taxar.
De Anónimo a 19 de Julho de 2018 às 18:31
Depois de ler o post apenas posso concluir que és lentinho de raciocínio não é gordalhufo.... Pública lá isto
De Anónimo a 19 de Julho de 2018 às 18:34
Depois de ler o post apenas posso concluir que és lentinho de raciocínio não é gordalhufo....tontinho

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Só um reparo. Eu não estou surpreendido com o fact...
Eu nao sou Brasileiro assim que me importa pouco o...
Caro Daniel Marques, eu não sou jornalista nem pro...
Por outro lado tambem nao vi nenhum medium portugu...
É louvável o seu esforço para proteger a reputação...

Arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds