Sábado, 6 de Janeiro de 2018

O engano das sondagens

2017-01-06 Expresso voto obrigatório.jpg

As sondagens dão ao António Costa mais de 40% de intenções de voto, aos adversários internos, inimigos na terminologia sábia de Winston Churchill, da liderança do PSD nos últimos anos um argumento para a derrubar, e aos militantes que lhes vão na conversa um incentivo para acreditar neles. Dizem que o governo do António Costa é forte e a oposição de direita fraca.

São os mesmos mais de 40% que as sondagens lhe deram até poucas semanas antes das eleições de 2015, que ele acabou por perder com 32%. Resultado para que as sondagens convergiram correctamente nas últimas semanas da campanha eleitoral. Mas não vale a pena argumentar contra a fiabilidade delas com base na hipótese de, do sentido e da amplitude do erro verificado em 2015, se dever deduzir que, com sondagens muito semelhantes, o governo do António Costa está tão forte como a derrota que conseguiu em 2015 e a oposição de direita tão fraca como a vitória que conseguiu nessas eleições. Quem quer acreditar que o governo está forte e a oposição de direita fraca, ou fingir que acredita para efeitos de luta interna nos partidos da oposição, não se demoverá de arrumar esta hipótese como hipotética e especulativa. E eu já tenho idade suficiente para perceber que não vale a pena discutir assuntos de Fé com Crentes, e considerar mais eficaz, além de mais económica, a estratégia argumentativa de "depois falamos"

No entanto, elas falham...

Como eu não sou adepto de teorias da conspiração não vou pela justificação de as sondagens serem manipuladas para darem os resultados desejados por quem as encomenda. Esta explicação foi abundantemente usada, por exemplo, pelos adeptos do Donald Trump para apreciarem as sondagens que, até à última hora, previam uma vitória folgada da Hillary Clinton, com a acusação de serem tendenciosas com a intenção de enganarem o eleitorado e o levarem a votar nela. Este efeito de adesão dos eleitores ao que acreditam, nomeadamente pelos resultados das sondagens, ser a posição maioritária, que os académicos designam por bandwagon effect, que sustenta as suspeições sobre a honestidade das sondagens, está longe de estar provado. Eleições como as legislativas de 2015 em Portugal, em que as sondagens andaram com o António Costa ao colo desde que substituiu o António José Seguro como candidato socialista a primeiro-ministro, mas acabaram por resultar numa derrota do vencedor das sondagens não o confirmam. Mas o que interessa para a crítica das teorias da conspiração é que as sondagens encomendadas pela equipa de campanha do Trump faziam exactamente as mesmas previsões que as encomendadas pelos mainstream media, um neoinsulto na linha de neolibrais, que promoviam a adversária.

Não é, acredito eu, pela manipulação dos resultados que as sondagens falham.

Mas esta notícia da capa do Expresso, e perdoem-me os leitores se me fico pelos títulos gordos da capa, mas os honorários que recebo como blogger não pagam a estopada de ler integralmente todos os artigos de jornal que cito, tem uma pista que ajuda a compreender onde falham as sondagens.

Não é na parte de 41% dos portugueses pretenderem o voto obrigatório mesmo para os que, em consciência ou fora dela, mas em liberdade de escolha, escolhem a abstenção. Faz tanto sentido pensar que tornar o voto obrigatório aumenta a adesão dos cidadãos à democracia, como pensar que obrigar os casais a uma frequência mínima de rituais de acasalamento, seja diária, semanal, mensal ou anual, aumenta a natalidade. São apenas idiotas que gostam de interferir na liberdade dos outros. Adiante, para não dizerem que tenho mau feitio, e para não converter o resto da conversa para o dialecto minhoto, ao qual décadas de experiência me deram um domínio razoável.

É na de 84% garantirem ser votantes habituais.

É que nas eleições no mundo real o número de votantes não chega a 60%. O que significa que as sondagens são realizadas sobre amostras que não são representativas do universo eleitoral. Na amostra desta sondagem 84% dos respondentes dizem que votam habitualmente, mas nas eleições votam apenas cerca de 55%. Ou, 84% dos respondentes fazem parte dos 55% que votam, e apenas 16% dos respondentes representam os 45% que não votam.

Isto pode resultar de um erro de amostragem, como seria num exemplo extremo realizar os inquéritos à porta da sede do PS no Largo do Rato, e se fosse erro de amostragem significaria falta de profissionalismo ou de honestidade das empresas que realizam as sondagens.

Mas tem provavelmente uma razão diferente que não pode ser compensada com maior profissionalismo: as pessoas que votam têm mais propensão a aceitar responder a sondagens do que as pessoas que não votam. Ou, nas sondagems sobre intenções de voto, as pessoas que votam no PS têm mais propensão a aceitar responder a sondagens do que as que votam nos partidos da direita. Ou, à medida que se aproximam as eleições, pessoas que anteriormente não estavam dispostas a responder a sondagens começam a aceitar responder, o que faz o resultado das sondagens convergir gradualmente para o das eleições.

Tudo isto podem ser hipóteses realistas ou especulativas. Mas a verdade é que não há 84% de eleitores que votem habitualmente. Nem, digo eu, 40% que tencionem votar no António Costa nas legislativas de 2019.

Depois falamos.

Ah, já me esquecia de dizer uma coisa importante. Num contexto político em que a maioria de esquerda implodiu a possibilidade de governar com maiorias relativas, o que tem uma certa piada por esta possibilidade ter sido implodida pela mesma esquerda que sempre defendeu que as maiorias absolutas propiciavam a tentação do poder absoluto e eram um perigo para a democracia, talvez por até 2005 só ter havido maiorias absolutas da AD do Sá Carneiro e do PSD do Cavaco Silva, os partidos da direita que não vão regressar ao poder sem maioria absoluta, de um só ou dos dois em coligação, têm mais vantagem em colaborar para conseguirem em conjunto maiorias absolutas do que em competir para distribuirem entre si maiorias relativas que serão minorias absolutas.

 

Tags:
publicado por Manuel Vilarinho Pires às 14:34
link do post | comentar
1 comentário:
De Ricardo Sebastião a 15 de Janeiro de 2018 às 16:33
"É na de 84% garantirem ser votantes habituais."

Penso que a razão para este valor será outra:desses 84% que garantem ser votantes habituais, parte está a mentir porque realmente não são votantes habituais mas dizem que o são às empresas de sondagens...

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Só um reparo. Eu não estou surpreendido com o fact...
Eu nao sou Brasileiro assim que me importa pouco o...
Caro Daniel Marques, eu não sou jornalista nem pro...
Por outro lado tambem nao vi nenhum medium portugu...
É louvável o seu esforço para proteger a reputação...

Arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds