Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2018

O SNS é bom, mas principalmente para quem está bem de saúde

2018-01-03 Perigo de morte.jpg

Por razões que não vêm ao caso, tivemos cá em casa necessidade de recorrer a um tratamento continuado que não era comparticipado, nem pelo seguro de saúde que nos abrangia a todos, nem pela ADSE que abrangia alguns de nós, mas era pelo Serviço Nacional de Saúde, e tivemos que nos tornar, e fomos durante alguns anos, utentes regulares do Centro de Saúde da Reboleira.

O centro de saúde funcionava num prédio de apartamentos de dois andares sem elevador onde tinham retirado as portas de entrada das fracções, a recepção era no R/C, as vacinas e alguns gabinetes no primeiro andar, e o resto dos gabinetes no segundo, e eramos suficientemente jovens para, mesmo quando íamos de carrinho de bebé, subirmos e descermos as escadas com garbo e elegância. Ainda somos.

E tínhamos médico de família.

Para quem não é utente, o médico de família é o passaporte para um utente poder marcar consultas e ter uma probabilidade razoável de ser consultado na data e hora marcada. Não ter condena-o a não poder marcar consultas a não ser de urgência, daquelas para que os utentes formam fila à porta do Centro de Saúde a partir da hora que entenderem, para às oito da manhã o segurança abrir a porta e distribuir aos primeiros da fila um número de senhas igual ao número de consultas de urgência disponíveis para esse dia, e aos outros dizer-lhes que já acabaram as senhas e que podem voltar a tentar a sorte no dia seguinte, talvez chegando mais cedo, concedendo aos detentores de senha o direito de esperarem pelas nove horas, quando abre o expediente, serem atendidos a partir daí pela ordem das senhas, e marcarem a hora da consulta de urgência para o próprio dia, podendo então voltar a casa para regressarem à hora marcada para a consulta. Parece complicado? É complicado, mas apenas para quem necessita, quem tem alternativas safa-se no privado sem estas desventuras.

Tínhamos mas, já não me consigo lembrar se por gravidez, se por passagem à reforma, se por transferência para outros emprego, deixámos de ter, e passámos à condição de utente sem médico de família atribuído, ou seja, f. Apenas os que necessitam, como já expliquei acima. Os pobres. E os remediados que precisavam das guias para o tal tratamento que não era comparticipado pelo seguro de saúde nem pela ADSE, lembram-se? lembro-me eu. Isto quando ainda nos governava o actual Secretário-Geral da ONU, de sua graça António Guterres, ainda no milénio passado.

E pronto, enquanto a necessidade durou lá nos adaptámos, porque tivémos que adaptar, a este procedimento, que também tem uma curva de aprendizagem em que os utentes vão gradualmente aprendendo alguns caminhos de pedras que lhes permitem chegar ao destino minorando parcialmente os incómodos. Conseguimos sobreviver.

Até que o Ministério da Saúde encerrou o Centro da Saúde da Reboleira e transferiu administrativamente os Utentes, entre os quais o meu agregado familiar, para o Centro de Saúde da Amadora. Ainda mais longe de ter médico de família atribuído do que antes, está de ver. E, com a transferência, a curva de aprendizagem voltou à estaca zero e o processo descrito antes, das filas formadas a partir da madrugada para conseguir obter a ambicionada senha que dá direito a marcar a ambicionada consulta, ou "tenha lá paciência e volte amanhã, pode ser que tenha mais sorte", voltou a vigorar. Mas a necessidade que fazia de nós utentes forçados do SNS também se foi desvanecendo com o tempo, e os nosso incómodos como utentes do SNS também.

Mesmo assim, quando era necessário, e passou a sê-lo quando os funcionários públicos, um dos quais faz parte do meu agregado familiar, deixaram de poder meter baixa com um atestado passado por qualquer médico e passaram a necessitar de um atestado passado por um médico de um centro de saúde, a cena de ir para a fila de madrugada era incontornável.

Até que chegou o governo do Pedro Passos Coelho e, com ele, a austeridade. A coisa só podia piorar.

Mas, surpresa! um dia, lá para entre 2012 e 2013, recebemos uma carta a explicar que tinhamos sido colocados como utentes na Unidade de Saúde Familiar Alma Mater, uma espécie de extensão, a poucos metros de distância, do Centro de Saúde da Amadora, e que nos tinha sido atribuído médico de família. Foi um dia de grande felicidade, é bem capaz de ter havido lágrimas a rolar pelas nossas faces. Não tinhamos médico de família desde o tempo do Guterres e eatávamos a voltar a tê-lo em plena austeridade neoliberal.

Nunca consegui perceber a verdadeira razão desta reviravolta. Provavelmente o governo Passos - Portas atribuiu-nos um médico de família apenas para nos distrair das velhacarias que andava a fazer para demolir o SNS a mando da troika, dos mercados de capitais e da senhora Merkel? Talvez... Mas a verdade é que nos adaptámos muito bem a este logro demagógico. Passámos a poder marcar consultas para quando nos fosse conveniente e a, em caso de necessidade, dar lá um pulinho a meio da manhã para marcar uma consulta de urgência que, tipicamente, conseguíamos que fosse perto da hora de almoço. Para nos enganar ainda mais, as funcionárias do atendimento são solícitas, simpáticas e com a melhor eficácia que se pode esperar de quem se move dentro do sistema da burocracia pública. A troika esmagou-nos com mimos.

Até que o Passos Coelho se foi embora e, com ele, a austeridade. A coisa só podia melhorar.

E melhorou. Aqui recuado, por me ter lembrado que tinha feito 60 anos, foi procurar na internet até quando devia renovar a carta de condução, descansado com a ilusão que deveria ter que ser até ao dia 31 de Dezembro, e descobri que a devia ter renovado até ao dia do meu aniversário, que já tinha sido há alguns meses. Andava com uma Carta de Condução caducada, falha mais grave do que ter um aquário clandestino em casa ou um isqueiro sem licença. E como da renovação da carta aos 60 anos faz parte a necessidade de um atestado médico, lá fui eu ao centro de saúde esperando ter um serviço de lorde e ver o meu problema resolvido sem demoras.

Basicamente foi, como já dei conta aqui. Do que não dei na altura, porque cuidei que era um detalhe sem importância para explicar o que tinha a explicar, é que a minha médica de família estava de licença por motivo que não vem ao caso, a médica que me consultou estava a fazer o internato da especialidade e, apesar de não me ter dado sinais de achar o meu estado de saúde preocupante tendo em conta os meus 60 anos, aproveitou a oportunidade para me receitar todos os exames e análises de que se lembrou que podiam ser úteis para avaliar o estado de saúde de um velho como eu. Também não vos disse, mas digo agora, porque é relevante para o que vos estou a revelar a seguir, a consulta foi no dia 31 de Agosto de 2017.

As análises fi-las logo no dia 1 de Setembro, no laboratório ali perto onde, no próprio dia da consulta, tinha passado e me tinha munido de todo o equipamento necessário para fazer as respectivas colheitas em casa. Mais três ou quatro dias para me darem os resultados e estaria pronto para voltar a mostrá-los à simpática e prudente médica que mos tinha receitado. Quase, porque também tinha que fazer uma ecografia, e essa não a consegui marcar para aqueles dias. E como a curiosidade era mais dela do que minha não passei à frente da fila fazendo a ecografia com urgência e a minhas expensas num estabelecimento privado, e decidi fazê-la num estabelecimento com acordo com o SNS, e ao custo da respectiva taxa moderadora. Consegui uma marcação para o dia 6 de Dezembro.

Nesse dia mesmo, saído do hospital onde tinha acabado de fazer a ecografia, voltei ao centro de saúde para marcar uma consulta e finalmente lhe mostrar à jovem médica os resultados das análises e exames que me tinha recomendado. Uma breve consulta da recepcionista no computador e informou-me que me conseguia arranjar consulta para a minha médica de família, entretanto regressada ao activo, para o dia 23 de Fevereiro de 2018. E eu disse "está bem".

Só que não está bem, está mal.

Se em vez de ser um jovem que fez as análises e exames, mais por cavalheirismo com a médica que se deu ao trabalho de os receitar numa consulta que tinha uma finalidade meramente administrativa e não tinha origem em problemas de saúde do utente, do que por necessidade, eu fosse um velho de 60 anos aflito disto e daquilo a ir ao centro de saúde para procurar alívio ou tratamento para as minhas aflições, entre a primeira consulta em que a médica receitou os exames e análises, e a próxima consulta em que vai olhar para os resultados vão-se passar 6 meses.

A mim não me custam nada a passar, que vou lá mais por deferência com quem teve o cuidado de se assegurar através dos meios de diagnóstico disponíveis que o meu estado de saúde estava tão bem como a mim me parecia e lhe dera conta. Mas a um utente que estivesse mesmo doente, e desde o dia 31 de Outubro de 2017 já vi morrer amigos com idades não muito diferentes da minha, podem significar a diferença entre um diagnóstico e tratamento atempados e com boa probabilidade de serem eficazes e o agravamento da doença ou mesmo a morte.

[E nem vou, para não correr o risco de me darem arritmias ou crises de maus fígados, relembrar aqui casos como o do meu amigo de 63 anos que tinha Parkinson e foi internado num hospital do SNS com problemas na coluna devido a uma queda e saiu de lá morto por uma pneumonia derivada de uma infecção hospitalar, ou do pai de outro amigo que também foi internado devido a uma pequena queda e também morreu de pneumonia devida a outra infecção hospitalar, ou das vítimas da doença do legionário que apanharam noutro hospital do SNS onde tinham ido por problemas menores e até, parece, administrativos, mas não tinham o sistema imunitário suficientemente forte para resistirem às infecções que circulam livremente dentro dos hospitais.]

O Serviço Nacional de Saúde é bom para quem não precisa dele. Mas para as pessoas doentes e velhas é um perigo.

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 23:17
link do post | comentar
4 comentários:
De José Domingos a 4 de Janeiro de 2018 às 00:29
Como eu o percebo, se temos alguma urgência, e no caso de termos alguma maleita que não se compadece da espera, temos que pagar do nosso bolso e não é barato.
É óbvio que o estado, está-se nas tintas para o zé pagante, a preocupação é quanto é que vai gastar com ele, é que o circo cresceu muito, e tem de haver dinheiro para pagar aos serventes.
Enfim, um estado de direito.
De Terry Malloy a 5 de Janeiro de 2018 às 15:07
Ou não fosse uma das grandes conquistas de Abril...


Parece que os reaças tentaram, durante alguns anos, permitir que os utentes - talvez para não terem de morrer com infecções hospitalares - fossem progressivamente tendo serviços prestados por entidades (de saúde) privadas, mas felizmente a União de Esquerdas está decidida a esmagar essa deriva liberalizante...


Abril está vivo.
De Manuel Vilarinho Pires a 5 de Janeiro de 2018 às 18:24
Os prestadores de serviços de saúde privados são terríveis, porque habituam os utentes a ciclos consulta-análises-consulta de menos de 6 meses, insinuando-lhes a ilusão que os serviços públicos não prestam. Ou não infectando os doentes internados com infecções hospitalares que os matam, por pura demagogia anti-SNS.
Abril está vivo, e as mortes por infecções hospitalares são um custo irrisório para o manterms vivo.
De pitosga a 6 de Janeiro de 2018 às 14:06
Quase tudo tem sido feito para acabar com o exercício de Medicina Livre, exercício privado.
Apareceu a ERS que nada faz de jeito, excepto cobrar dinheiro. É mais um coi de tachos.
Quem não for empregado do estado pode passar receitas; mas estas não dão direito a comparticipações (descontos).
O ministro começou a ganhar algum, como gestor, na Médis. Vala a pena ver o texto da sua dissertação de doutoramento.
Mesmo a ordem dos médicos diz que só deve haver médicos especialistas. Em quê?
Quem passou dos 50 anos, e para sobreviver, passa a ter como patrão uma clínica 'privada'. Alí tem de cumprir objectivos ('metas') económicas.
Eu, despedido do SNS ao chegar aos 70 anos, não posso passar um certificado (para guiar, de óbito, de doença, etc.) que legalmente seja aceite.
Os raros médicos que ainda são livres, ouvem, vêem (observam) as pessoas. Desconfiai de qualquer licenciado em Medicina que pede 20 ou 30 análises, ecografias e TACs. Pedem a ver se acertam. Não colocam uma mão na pessoa. Ou, ainda pior, com uma luva...
Quatro quintos (80%) dos médicos do SNS estão lá para ganhar dinheiro.
O Sistema (do estado ou dos computadores) é quem manda.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu é que agradeço a chamada de atenção pertinente....
Obrigado pela a atenção dispensada ao meu comentár...
Sou um visitante diário do vosso blog,mas há quase...
Ai que saudades do saudoso Almeida Santos, mas ent...
Eu percebi aonde queria chegar, mas não me parece ...

Arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds