Sexta-feira, 12 de Julho de 2019

Os novos mártires

2019-07-11 São Sebastião.jpg

A direita não tem, graças aos bons préstimos do comunismo, falta de mártires, exactamente como a esquerda não a tem graças aos bons préstimos do fascismo, ou dos regimes autoritários de direita, para não melindrar os que por falta de rigor técnico ou por defesa da reputação própria não gostam que se designe genericamente de fascismo qualquer regime autoritário de direita, mesmo se o termo, mesmo que possa estar ferido de alguma inexatidão teórica, seja adequado para designar aqueles que designa por ser perfeitamente claro que são eles, e não outros, os nomeados.

Mas hoje em dia há uma direita que não se satisfaz com os mártires do comunismo, que no entanto ainda continua a produzir mártires, nem se revê mais no combate da direita clássica ao comunismo em defesa da democracia liberal com economia de mercado, até prova em contrário a organização de sistema político e de sociedade mais livre e próspera de todas quantas foram experimentadas ao longo da história da humanidade, mas se reclama vítima de outros totalitarismos que encontra exactamente nas democracias liberais com economia de mercado do mundo ocidental em que vive e que se dedica a combater. A direita clássica combatia em defesa deste sistema, esta nova direita combate-o. O mais denunciado de entre eles é o totalitarismo do politicamente correcto.

Infelizmente para quem quer à viva força encontrar mártires, e felizmente para os mártires propriamente ditos, o politicamente correcto não dispõe dos instrumentos clássicos do comunismo e do fascismo para os produzir. Não prende nem tortura nem assassina as suas vítimas, não lhes arranca unhas nem olhos nem lhes parte ossos para lhes arrancar confissões ou declarações de arrependimento ou de conversão, não as obriga sequer a passar horas ou dias de pé em torturas de sono, não as condena a trabalhos forçados em regiões inóspitas onde a probabilidade de sobreviver ao cumprimento da pena é quase nula nem a internamentos em instituições psiquiátricas de onde se sai doido ou morto. A ofensa mais frequente com que o politicamente correcto os martiriza é do domínio do name calling: chama-lhes racistas, xenófobos, homofóbicos, misóginos, ou mesmo fascistas quando os quer injuriar genericamente sem se dar ao trabalho de procurar a injúria mais adequadas a cada circunstância específica.

É verdade que os vigilantes do politicamente correcto se eriçam e exigem punições exemplares para os que, por descuido ou com dolo, dizem coisas que lhes violam a exigência de um discurso bactereologicamente puro de focos de racismo, xenofobia, homofobia, misoginia ou outras fobias que combatem, por vezes formando grupos de linchamento verbal, mas apenas verbal, é verdade que os governos formam Comissões para satisfazer as exigências destes grupos preenchidas por gente que pensa do mesmo modo que eles, é verdade que as campanhas mediáticas de sensibilização para essas desigualdades estimulam as queixas e fazem aumentar o seu volume de ano para ano, mas também é verdade que quando chegam a tribunal a esmagadora maioria das punições aplicadas por essas comissões são neutralizadas. São mais as vozes do que as nozes.

Podemo-nos queixar de eles serem irritantes, podemo-nos queixar de lhes ser dada mais trela do que merecem, podemo-nos queixar da evidência de que se pudessem e dispusessem dos meios de repressão apropriados nos infernizariam a vida, e se viessem a conquistar o poder o fariam, mas dificilmente nos podemos queixar de vivermos martirizados por eles. Até porque não têm esse poder.

E portanto, sentindo necessidade de apresentar mártires e à falta de vítimas de ossos partidos ou olhos arrancados, ou escondidas em valas comuns, ou desaparecidas no oceano depois de terem sido lançadas de helicópteros, esta direita que combate o sistema tem de recorrer à criatividade para criar os mártires do politicamente correcto. E o melhor que tem arranjado é um inglês que se tornou conhecido como Tommy Robinson.

E quem é Tommy Robinson?

É um activista político inglês da classe operária, de 36 anos, de nome verdadeiro Stephen Yaxley-Lennon, que fez parte em tempos da English Defence League, um movimento de protesto da extrema-direita com historial de activismo violento contra o Islamismo militante, que significa mais ou menos um grupo de jovens que dedicam o seu tempo a andar à porrada na rua com grupos de jovens muçulmanos. Tem cadastro com condenações por diversos tipos de crimes, da violência em recintos desportivos, ou hooliganismo puro e duro, à fraude hipotecária, passando por uma tentativa de entrar nos EUA com um passaporte falso para contornar a impossibilidade de obter visto para o seu passaporte com o cadastro criminal que conseguiu acumular. Em suma, não é flor que se cheire, nem ninguém que se ambicionasse para genro. Mas tem, para a extrema-direita populista, e eu chamo-lhe assim sem preocupações de grande rigor taxonómico mas porque identifica bem aqueles de quem estou a falar, a vantagem de personificar a virtude das origens humildes que combatem os pecados das elites, e o curriculum vitæ de denúncia persistente do islamismo reforçada com doses industriais de cacetada em muçulmanos.

E de que é vítima Tommy Robinson?

De limitações da sua liberdade de expressão, uma forma de os seus defensores designarem uma série de desobediências a ordens de tribunais, por exemplo por ter organizado uma manifestação à porta de um tribunal onde eram julgados muçulmanos por crimes de pedofilia que o tribunal proibiu por assumir que poderia ser aproveitada pela defesa para pedir a anulação do julgamento por pressão ilegítima sobre o juri, ou por ter sido apanhado em sessões de um julgamento de gangs violentos a filmá-lo e transmiti-lo online, ordens que eles consideram serem motivadas para calar as suas denúncias dos crimes dos muçulmanos e da protecção que o sistema lhes proporciona.

Ora nas ordens jurídicas das democracias liberais ocidentais, e exceptuando as sentenças dos tribunais cíveis a ordenar o pagamento de dívidas que não são automaticamente assimiladas a ordens do tribunal para as pagar mas apenas a um pretexto necessário para os credores instaurarem novos processos de execução com mais custas judiciais e de patrocínio, e estas são a aberração e não a virtude, a desobediência a ordens de tribunais é tratada com mais dureza do que o conceito que parece relativamente inócuo de desobediência sugere, com penas de prisão. E o Tommy Robinson, com a acumulação de desobediências a ordens de tribunais, acabou por ser mesmo condenado a uma pena de prisão nesta nova vida de activista político. Correndo, defendem os seus defensores, risco de vida por ficar internado em estabelecimentos prisionais onde também estão internados os seus arqui-inimigos, os muçulmanos, como se ele fosse uma flor de estufa frágil e não um calmeirão que passou boa parte da vida a rachar cabeças a golpes de matraca, e até já as veio rachar a Guimarães.

Acresce que ele recebeu convites de activistas da alt-right americana para visitar os EUA que não lhe foi possível satisfazer por estar impedido de entrar nos EUA, por causa de ter sido apanhado a tentar entrar com passaporte falsificado como se devem lembrar. O que junta às limitações à liberdade de expressão e ao encarceramento com risco de vida as limitações à liberdade de circulação.

E ficou instituído o mártir desta direita, censurado, encarcerado em risco de vida, impedido de voar para o mundo livre, como se estivesse num Gulag.

Só que não está.

Ser objecto de name calling pelos vigilantes do politicamente correcto, mesmo sabendo que eles, se pudessem, lhe limpavam o sebo, não faz de ninguém mártir, tal como ser olhado de lado por declarar homofobia não faz de ninguém vítima de heterofobia, tal como ser condenado em tribunal por crimes cometidos não faz do réu mártir, mesmo sabendo-se que as prisões estão cheias de criminosos, alguns deles violentos, mas apenas um criminoso aos olhos do tribunal que o condenou.

E se esta direita a que eu chamo por economia de palavras a extrema-direita populista anda à procura de mártires entre quem não é realmente martirizado como tantos foram ao longo da história por razões religiosas, políticas, raciais ou mesmo sexuais, e alguns ainda são, mostra uma pieguice insuportável. E se os procura entre hooligans anda mesmo aos caídos.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 10:20
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Como lhe escrevi em 5 de Agosto passado, o 'site' ...
Não sei que lhe diga, Gato, excepto que decidi pas...
O blog fechou? Aconteceu alguma fatalidade? Digam ...
Como me fiei em endereços do seu perfil, recebi a ...
Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds