Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2018

Pai, já cá canta!

2018-01-08 Pai já cá canta.jpg

O problema do nepotismo no exercício do poder em democracia não reside apenas na violação evidente da ética republicana que constitui ao criar uma classe social nova, a da família, dos amigos, da família dos amigos e dos amigos da família do detentor circunstancial, e numa democracia republicana todos os poderes são exercidos circunstancialmente pelos seus detentores circunstanciais, do poder.

Reside no facto de a concentração do exercício do poder num grupo de gente muito mais restrito do que numa democracia sem nepotismo, uma famiglia alargada, fazer do mundo visto pelos que lá estão dentro muito mais homogéneo do que o mundo visto pelos que cá estão fora. 

O que limita irremediavelmente dois factores determinantes para a socialização, seja de crianças em idade de jardim-escola, seja de governantes, a diversidade de role-models disponíveis para inspirar as atitudes e comportamentos de cada um no seu processo de crescimento, formação e integração, e a diversidade de valores dos membros do grupo no seu papel de se fiscalizarem mutuamente.

Um bocado na linha do que acontece nas redes sociais, onde parece haver evidências estatísticas suficientemente significativas para sustentar a tese de as redes de cada um tenderem dinamicamente a perder diversidade e a tornar-se mais homogéneas ao longo do tempo, por cada um tender a manter contactos mais frequentes com aqueles que mostram valores e opiniões mais próximos dos seus, e por isso cada um vai construindo dinamicamente um mundo onde os seus valores e opiniões parecem prevalecer e ser representativos do mundo alargado, e a deixarem-se enganar por essa ilusão de óptica, dentro de um governo muito homogéneo todos podem cair na tentação de acreditar que os valores do mundo homogéneo onde vivem são representativos dos do mundo cá de fora, de onde vivem crescentemente isolados pela homogeneidade do grupo.

Se numa aldeia recôndita de África onde nunca entrou um homem branco, se é que ainda as há, algumas crianças opinarem que os brancos são racistas, as que não têm opinião formada sobre o assunto e nunca viram um branco não têm razões ponderosas para duvidar da plausibilidade da asserção, e é natural acreditarem nela. Se numa aldeia mais isolada do interior, se é que ainda as há, os frequentadores do café opinarem que os muçulmanos vêm para a Europa para nos violarem as mulheres, os outros que nunca privaram com um muçulmano não têm motivos para desconfiar da plausibilidade da asserção, e é natural acreditarem nela. Ou os participantes de grupos do Facebook onde circulam notícias da alt-right a assegurar que os países do Centro e do Norte da Europa estão em estado de sítio com territórios já ocupados por extremistas islâmicos e explicam uns aos outros que os mainstream media só não dão essas notícias para as esconder.

Ou se os governantes de um governo de família e amigos disserem uns aos outros que é normal aceitarem bilhetes para a bola e que, se não lhos oferecerem, os devem pedir para não ficarem a chuchar no dedo enquanto os outros vão ao estádio à borla, os outros não têm razão para desconfiar da virtude do conselho e colocar a hipótese de, no mundo cá de fora, o pedido poder ser visto como censurável e desencadear suspeitas de troca de favores. Ou um duplex na Avenida da Liberdade ou nas Avenidas Novas. Ou mesmo no Chiado ou nos Champs Élysées.

Portanto, um dos riscos do nepotismo é a tendência para os membros do grupo instalado no poder se imitarem mutuamente, resultante da falta de referências éticas baseadas nos valores preponderantes na sociedade de que vivem isolados pela homogeneidade no seio do grupo, e também da pressão do grupo sobre o indivíduo para não ser otário e aceitar as oportunidades que a vida lhe coloca à disposição, e até de fazer por elas se elas não lhe baterem à porta espontaneamente. Se necessário, retribuindo os favores com pequenas atenções, que de qualquer modo não lhe saem do bolso a ele, mas a nós.

No domínio da pedagogia estes riscos são conhecidos e determinam a tendência para aumentar a diversidade na escola, juntando nos mesmos grupos crianças de origens sociais, culturais e étnicas diferentes.

No da governação no regime socialista actual, em que o governo é formado por um número reduzido de famílias, amigos, famílias de amigos e amigos da família, e o resto do Estado colonizado pelos que não couberam no governo, não.

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:19
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu acho evidente que, com os dados que temos, esta...
Sou adepto do Belenenses e da nossa Seleção!PONTO ...
Fernão de Magalhães: «A Igreja diz que a terra é p...
Aqui aplica-se o adágio..."Quando o cão é grande, ...
ph, muito obrigado pela sugestão. Entretanto os me...

Arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

sondagens

syriza

tabaco

tap

tempo novo

tribunal constitucional

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds