Quarta-feira, 6 de Junho de 2018

Sucedâneo

Laurence J. Peter não estava, mas poderia estar, a pensar em Rui Rio quando inventou o princípio que leva o seu nome.

 

Rio foi um excepcional presidente de câmara, muito melhor do que quem o precedeu, quem veio a seguir e qualquer das nódoas que têm ocupado a mesma cadeira na capital, incluindo os dois velhacos que por lá passaram em estágio para a presidência da república um e para a chefia do PS e do governo, o outro.

 

Saneou as contas do município; hostilizou os bonzos da cultura, tratando com desprezo e arrogância a parasitagem dos subsídios; e pôs o capo local do futebol no lugar que a ele, e aos seus colegas dos outros dois grandes, naturalmente compete.

 

Fez isso ganhando eleições, com o que provou que não é preciso lisonjear nem a gente da cultura nem a do futebol nem a da comunicação social para o conseguir, desde que o eleitor acredite na seriedade de propósitos e na capacidade de os realizar. Convém ainda, para conseguir o primeiro mandato, que o antecessor não tenha caído no goto do munícipe, como era o caso no Porto de 2002.

 

Mas isso é nas eleições concelhias, nas nacionais outro galo canta: a quase totalidade dos eleitores depende, directa ou indirectamente, do Estado, para que este os sustente, lhes arredonde o fim do mês, ou lhes crave mais ou menos bandarilhas no lombo sofrido de contribuinte; e qualquer ignoto secretário de Estado tem mais poder no dedo mindinho para beneficiar ou prejudicar um grupo de cidadãos no país do que o senhor presidente da câmara, com o corpo todo, para fazer o mesmo num município.

 

No tempo já decorrido desde que Rio tomou conta do PSD quem tinha ilusões perdeu-as: o homem tem como ambição atrelar o PSD ao PS, com o meritório propósito de afastar da governação os pés comunista e demente do tripé geringôncico; e conta com os seus quadros, e a sua reputação de seriedade e de apreciador de contas à moda do Porto, para fazer um segundo lugar honroso numa coligação centrista, e ganhar créditos para um primeiro nas eleições seguintes.

 

É pelo menos o que diz gente subtil. Sucede que mesmo que o PSD não fosse, como sempre foi, um saco de gatos dos quais uma parte, a melhor, tem anticorpos anti-PS; mesmo que na giga-joga da baixa política Costa não fosse um cinturão negro, contrastando com a alvura do de Rio: o país não pode ter esperança de romper com a situação deprimente da sua dependência dos juros artificiais que o BCE garante, da sua dívida pública que resiste tenazmente a qualquer redução sustentada, do seu Estado que não se reforma e faz a economia crescer poucochinho, não obstante o bodo dos fundos europeus e a sorte grande do turismo, enquanto o PS, e o resto da esquerda, não fizerem um estágio na oposição de pelo menos dois mandatos, e idealmente uma geração. 

 

Resumamos: o PS é parte do problema, não da solução. E portanto é errada qualquer estratégia de contemporização, Rio é um líder a prazo, e quem não for socialista de raiz, ou não comprar o paleio demagógico do virar a página da austeridade e o resto da propaganda com que o PS pinta de cor de rosa a dança do país à beira do abismo pode fazer melhor do que abster-se, e votar no CDS.

 

Entretanto, não vem mal ao mundo se Rio se lembrar de acertar uma, e foi esse o caso com o estudo “Uma política para a infância”. O texto não chega a 90 páginas e o palavreado escusava de ser em oficialês, mas tem gráficos que o aligeiram e não escamoteia mas pelo contrário ilustra convincentemente a bomba-relógio demográfica em que nos deixamos acantonar.

 

Tencionava comentar o documento medida a medida e abalancei-me, Deus me perdoe, a ir lá atrás ver o abono de família, o digno avô dos apoios aos pais com filhos – convém ter uma perspectiva histórica para tudo. E encontrei um precioso estudo, de 2009, de um Gabinete de História Económica e Social, que se lê bem e desfaz algumas ideias feitas sobre o assunto, a começar pela data do primeiro  abono – 1942. Mas entretanto calhou ler nesta notícia do Eco que “o financiamento deste projeto acontecerá por via de ganhos de eficiência no sistema de educação até porque ‘as crianças que têm um bom início têm uma menor probabilidade de repetir o ano”; e pouco depois, nesta notícia do Observador, o próprio Rio esclarece que não faz a menor ideia de onde vai buscar os 500 ou 600 milhões de euros que a coisa custa por ano.

 

E perdi a vontade de sequer pensar muito no assunto. Porque o problema do inverno demográfico é grave e merece estudo e medidas. Mas o do endividamento do país ainda é mais e prometer às pessoas resolver seja que problema for sem o casar com os constrangimentos da dívida é transformar as eleições em leilões de bens emprestados.

 

De resto, como os prometidos apoios são até aos 18 anos de idade, conviria ter a certeza de que o país não vai falir pela quarta vez nesse período, porque das anteriores o Estado não hesitou em cortar no que se estimava adquirido, via inflação nas duas primeiras e via cortes propriamente ditos na última.

 

Ora, para fazer leilões de bens furtados, como é o caso quando se prometem coisas a uns e se agravam impostos a outros; e para acrescentar à moscambilha bens a crédito, suposto que haja quem o conceda, já temos o PS, que é o artigo genuíno. Não precisamos de um sucedâneo.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 19:27
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu é que agradeço a chamada de atenção pertinente....
Obrigado pela a atenção dispensada ao meu comentár...
Sou um visitante diário do vosso blog,mas há quase...
Ai que saudades do saudoso Almeida Santos, mas ent...
Eu percebi aonde queria chegar, mas não me parece ...

Arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds