Sábado, 3 de Março de 2018

O Partido do Proletariado vai-se reorganizando como pode

2018-02-25 Elisa Ferreira Ana Gomes.jpg

A eurodeputada Ana Gomes ainda alimenta secretamente o sonho de juventude de reorganizar o Partido do Proletariado, agora a partir do Partido Socialista onde se infiltrou para desenvolver o seu combate político em condições de prosperidade material minimamente condignas, e manda o internacionalismo proletário que se combata Israel, a única democracia burguesa e capitalista do Médio Oriente, onde as mulheres têm direitos que agridem a cultura milenar de misoginia e fundamentalismo da região. Na Palestina sê palestino, como gosta de se dizer por cá quando se vê uma imigrante a agredir com o seu véu ou a sua burka a nossa cultura milenar de tolerância e democracia.

Agora decidiu convidar para uma conferência em Bruxelas, onde montou há anos a base da sua militância proletária, Omar Barghouti, o defensor dos direitos humanos e fundador do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), um dos movimentos com mais sucesso do proletariado mundial fundado para, através do Boicote a Israel e às empresas que mantêm relações comerciais com Israel, assim como a quem mantém relações desportivas, culturais ou académicas com o país, do Desinvestimento em empresas israelitas ou que mantenham relações comerciais com Israel, e das Sanções militares, de comércio e diplomáticas a Israel, isolar económica, social e diplomaticamente o Estado de Israel e projectá-lo na falência de modo a deixar de ter meios para se defender militarmente dos povos vizinhos que pretendem libertar a região desta democracia burguesa e capitalista que a oprime e conspurca.

Movimento onde militam figuras ilustres do proletariado mundial como o célebre cançonetista Roger Waters, o pedagogo que anunciou ao mundo que as crianças não precisam de educação e apelou aos professores para as deixarem em paz, no que é perfeitamente coerente com o seu combate contra o único Estado que na região mantém níveis de educação comparáveis com os dos países do primeiro mundo, que apela ao boicote aos concertos e à compra de discos de todos os cançonetistas que actuam em palcos israelitas com o nobre desígnio de evitar que um dia se tornem milionários como ele.

Protestaram contra o convite, debalde, os movimentos pró-Israel, sempre activos a tentar a limitar os direitos de reunião, associação e expressão dos proletários oprimidos de Bruxelas.

A proletária Ana Gomes saltou-lhes ao caminho e denunciou que o movimento que protestou "é extremista, não representa o povo de Israel e alimenta conotações racistas e intenções destruidoras a quem quer a paz com Israel, como Omar Barghouti", tendo-lhe deixado o aviso que "Essa gente está habituada a intimidar, mas a mim não me intimidam". Dá-lhes nas fuças, Ana!

 

PS: Bem, o Expresso do grande social-democrata genuíno Pinto Balsemão, a chamar "lóbi" ao judaico mas "movimento" ao anti-semita.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:52
link do post | comentar
Quarta-feira, 10 de Janeiro de 2018

X-Files. Ana Gomes substitui Dana Scully

2018-01-10 X Files the truth is out there.jpg

Agora que a Dana Scully anunciou vai abandonar* os X Files, todo o peso da denúncia das grandes conspirações mundiais feitas para nos tramar, dos voos da CIA aos submarinos do Paulo Portas, dos Estaleiros de Viana do Castelo ao terreno do embaixador de Cabo Verde na UE, vai cair sobre os ombros da eurodeputada Ana Gomes.

Como é óbvio, esta pesquisa incansável pela verdade escondida traz-lhe alguns dissabores e críticas de quem, ou não compreende a importância das conspirações obscuras como determinantes da evolução do mundo, ou tem mas pretende manter ocultas por ser parte interessada nelas.

A última denúncia, e o último dissabor, que ela se viu na obrigação de sacudir, têm a ver com uma aquisição de um terreno na Praia, em Cabo Verde, pelo antigo embaixador de Cabo Verde na União Europeia, que, além de ter comprado esse terreno em circunstâncias que eu não tive o cuidado nem interesse em apurar mas a eurodeputada considera suspeitas, ainda deixou em Cabo Verde a "...perce[p]ção** generalizada de que [o embaixador] foi instrumental na vitória do MpD (2016), com contribuições estratégicas e financeiras...". Ou seja, é um reaças, e estava mesmo a pedi-las. E ela sobre compras de terrenos até deve perceber umas coisas.

Quem a critica pela obsessão pela denúncia das conspirações, reais ou imaginárias, além de incompreender os nobres motivos da cruzada dela, ou de os compreender e de ser exactamente pela sua nobreza que os combate, comete com ela uma injustiça gritante.

É que, militando num partido onde o nepotismo familiar e partidário na escolha dos mais altos dirigentes da coisa pública, ou até dos mais modestos funcionários, a instrumentalização de grandes negócios públicos para proporcionarem benefícios privados aos seus participantes, ou até simples borlas na bola em Portugal ou no estrangeiro, são praticados à descarada e pela generalidade dos que estão em posição de os cometer, ela vive imersa num mundo partidário onde toda a gente é, na medida das capacidades e possibilidades de cada um, corrupta. Pelo que é mais do que razoável admitir que no mundo exterior a esse mundo partidário também aconteça a mesma coisa, e que vale a pena dedicar-se a denunciá-los, até imaginando-os se não os conseguir descobrir, porque certamente serão um dia descobertos.

Pelo que é injusto criticá-la pela obsessão na denúncia de conspirações.

E por isso deixo aqui, porque penso que alguns dos leitores serão militantes do CDS, um apelo a que apelem aos deputados do CDS para não a tratarem mal quanda a chamam ao parlamento para esclarecer com factos as suas denúncias de crimes imaginários, que são certamente mais próximos da verdade do que os factos que ainda não os sustentam. Para que não se repitam maldades como esta.

 

* Uma das discussões mais fascinantes do mundo actual é se se devem aceitar ou rejeitar as notícias veiculadas por fontes que os leitores consideram não-fidedignas, como é considerado pelas pessoas de instrucção elevada e superioridade moral o Correio da Manhã. Como citei esta notícia do The Sun, os leitores são livres de não acreditar. Mas que ela se vai embora, vai.

** O autor, para quem ainda não percebeu, escreve como aprendeu na escola, e até gosta de pronunciar, ainda que discretamente, as vogais mudas, pelo que as acrescenta quando cita textos onde elas foram amputadas.

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:18
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

Depois do PPC, a minha favorita na AR, bem melhor ...
300 contos mensais de bolsa nos anos 90 para "subs...
Há matéria neste artigo a aproveitar pelos explora...
Concordo em tudo com JSP (a 3 de Maio).Felicitaçõe...

Arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds