Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2018

Autoridade e Obediência

Podia vir aqui opinar sobre a recomendação ontem divulgada do cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, aos católicos recasados de viverem em continência, e especular sobre quantos se terão conformado a obedecer a esta recomendação que nem anacrónica chega a ser por simplesmente anti-natural, mas a entrevista ao padre Feytor Pinto, sacerdote igualmente respeitável, ainda antes do cair do dia a autorizar-lhes a fornicação desfez as condições para se fazer um teste à obediência à autoridade deste grupo de católicos, e vou opinar sobre a odebiência à autoridade noutros meios.

Eu, tinha 17 anos acabados de fazer quando aconteceu o 25 de Abril de 1974, cresci num mundo onde o conformismo e a obediência à autoridade eram valores da direita, e, com a informação disponível, o inconformismo e o desafio à autoridade da esquerda. Poucas semanas de revolução foram suficientes para perceber que a última parte estava redondamente errada, mesmo sem atender aos casos extremos e patológicos de autoridade que já tinha havido, incluindo genocídios, e continuava a haver mas eu ainda não conhecia, e os ainda mais extremos que ocorreram depois, incluindo genocídios. Pelo que é um local bom para se procurarem casos ilustrativos da autoridade e da obediência.

Um dos episódios mais ricos para ilustrar o conformismo e a obediência genéticos da esquerda foi a substituição, a 31 de Agosto de 2013, da deputada Ana Drago, essa mesma que no parlamento tinha gestos de aparente inconformismo, como dar palmadas na mesa quando não estava de acordo com o orador, pela então assessora do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda e co-autora com o professor Francisco Louçã de livros sobre a necessidade de repudiar a dívida, Mariana Mortágua.

2018-02-09 Mariana Louçã Marcelo.jpg

O Estatuto do Deputado determina que quando um deputado eleito renuncia é substituído pelo primeiro candidato não eleito da mesma lista no círculo que o elegeu. Em caso de impedimento temporário deste, e apenas enquanto durar o impedimento, o lugar é ocupado pelo candidato seguinte, e por aí adiante, até esgotar a lista de candidatos.

Em 2011, o BE tinha conseguido eleger três deputados no círculo de Lisboa. Quando Francisco Louçã renunciou, foi substituído pela 4º candidata, Helena Pinto, como determina o estatuto.

Já quando a deputada Ana Drago renunciou ao seu mandato, a primeira candidata não eleita da lista de candidatos eleita pelo BE no círculo de Lisboa, a 5ª da lista, Rita Maria Oliveira Calvário, engenheira agrónoma, 33, declarou um impedimento temporário para assumir o cargo, que foi aceite pela direcção do grupo parlamentar, determinando a subida do candidato seguinte, o 6º, Francisco Alves da Silva Ramos, escriturário, 55. Que também declarou um impedimento temporário. Tal como o 7º, Bruno Reinhold de Moraes Cabral, cineasta, 30, a 8ª, Beatriz Gebalina Pereira Gomes, professora, 40, a 9ª, Heloísa Maria Pereira Perista, socióloga, 48, o 10º, André Aurélio Marona Beja, enfermeiro, 33, a 11ª, Maria Deolinda Marques Dias Martin, 54, a 12ª, Maria José Vitorino Gonçalves, professora bibliotecária, 55, e o 13º, José Manuel Marques Casimiro, rectificador, 53. Até chegar à 14ª candidata, Mariana Rodrigues Mortágua, economista, 24 (em 2011, 27 na altura da ocorrência), a primeira da lista que aceitou o fardo de servir a Nação como deputada. Ou deu àquela lista de candidatos uma coisa má e contagiosa e tiveram todos impedimentos ao mesmo tempo, ou montaram uma grande aldrabice para contornar a lista votada pelos eleitores e eleger antes o candidato escolhido pela direcção do partido. Mas pronto, a colaboradora do Francisco Louçã lá trepou pela lista acima até chegar a deputada, como tinha sido determinado pela direcção coordenação do partido e foi respeitosamente obedecido pelos nove deputados eleitos conformistas que renunciaram ao lugar de deputado ainda antes de chegar a tomar posse.

O esquema da fraude eleitoral em pirâmide é mais simples de explicar e de fazer do que o esquema da fraude fiscal em pirâmide. E tem outras qualidades. Não é criminalizado. Não desencadeia a indignação dos pastores das redes sociais, e muito menos, a dos seus fiéis seguidores. E permite dar a volta ao voto do povo e promover os amigos. E, a melhor das suas qualidades, não exige mais do que uma equipa conformista e disciplinada pronta a deturpar o resultado das eleições e a sacrificar a possibilidade de tomar posse como deputada eleita para obedecer às ordens da autoridade partidária.

Mas, por mais que os bloquistas se esforcem por, debaixo de uma capa pública de inconformismo, dar provas de obediência cega à autoridade dos chefes coordenadores, está para nascer quem ultrapasse o Partido Comunista Português em obediência cega à autoridade.

E na Assembleia Municipal do Porto desta semana a CDU acabou de bater o recorde nacional de substituição de deputados municipais ao fazer ascender o 30º membro da lista de candidatos eleita ao grupo de três deputados municipais que têm lugar na Assembleia Municipal, através, não de nove, mas de vinte e sete substituições.

Por mais que o BE se esforce, e o BE pode estar na eminência de ocupar responsabilidades governativas no próximo ano se o António Costa não conseguir nas eleições uma maioria absoluta e não se interessar pelo apoio do PSD para sustentar uma solução governativa, tem muito que aprender no domínio da disciplina e da obediência com o PCP, que exibiu nesta substituição o triplo do conformismo que o BE tinha exibido na outra.

E a direita? A direita que em tempos assumia o mote Deus, Pátria, Autoridade?

Em obediencia à autoridade a direita anda pelas ruas da amargura. O melhor que se pode arranjar por estes dias é o Pacheco Pereira a denunciar e lamentar "o sector que emergiu à volta de Passos e Relvas e depois ganhou outros mentores, que se comporta como dono do aparelho, e que fará tudo para não o perder" que em vez de "fazer críticas ou discutir orientações" pretende "organizar grupos e frações para manter o poder interno". Fracote, nem parece coisa do militante comunista (no sentido estrito de militante e lato de comunista, que não meramente o de obediência à URSS) que mesmo com o 25 de Abril de 1974 não saiu da clandestinidade porque não estava seguro de ter sido mais do que uma revolução burguesa, e só saiu da clandestinidade depois do 11 de Março de 1975, quando finalmente sentiu a tranquilidade de viver em democracia popular liderada inequivocamente pelos comunistas.

A direita, em matéria de Autoridade e Obediência, tem tudo para aprender. Se quiser ser igual à esquerda.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:23
link do post | comentar
Domingo, 21 de Agosto de 2016

Sobre ser irreverente

Na última entrevista que tive para o meu primeiro emprego a sério, numa multinacional americana de informática, até aí, nos últimos dois anos do curso do Técnico, estava a trabalhar como bolseiro de investigação por convite de um professor no laboratório público onde ele trabalhava além de dar aulas, fui entrevistado pelo então director-geral de vendas da multinacional, percebi mais tarde que o homem com mais poder de facto dentro da companhia, apesar de, hierarquicamente reportar ao administrador-delegado.

A entrevista foi numa tarde em que, por um problema técnico qualquer, o edifício estava sem energia, e tive que subir pelas escadas até ao nono andar. Ao contrário das entrevistas anteriores, em que tinha estado claramente a ser avaliado pelos entrevistadores, esta, que já era mais uma formalidade para o ingresso que uma etapa na selecção, foi uma conversa bastante informal com ele. Ele era, vim a saber mais tarde, um self-made man que tinha chegado ao Canadá vinte anos mais cedo, não tenho a certeza se com o quinto ou o sétimo ano do liceu? o que na época era uma diferença de monta, e 50 US$ no bolso, tinha arranjado emprego numa companhia aérea e começado a trabalhar no arranque da informática dessa companhia, onde fez carreira e, quando regressou a Portugal, ingressou na multinacional para vender e ajudar a montar o sistema informático da companhia aérea nacional, que era nessa época o maior cliente de qualquer empresa de informática, e chegou rapidamente ao topo da hierarquia da empresa. E durante a conversa, em que nem estava particularmente sorridente, disse uma daquelas frases que levamos, e eu trouxe, pela vida fora, algo como, já não me lembro exactamente a propósito de que contexto, "as gerações conformistas geram filhos irreverentes, e as gerações irreverentes geram filhos conformistas". Disse também que nem toda a gente se esforçava do mesmo modo na companhia, e exemplificou mesmo que havia pessoas que se dedicavam mais a actividades como o teatro amador do que ao trabalho pela companhia, mas havia lugar para todos e a companhia seguia em frente mesmo sem essa dedicação desses. O que levei da entrevista, e confirmei pala vida fora, é que era um tipo muitíssimo vivo e inteligente e extraordinariamente irreverente.

O que me deixou algo tranquilizado. Estavamos em 1983, em pleno auge da última guerra fria entre os EUA e a URSS, Reagan de um lado e Brejnev do outro, eu era o aluno com melhor média do meu curso mas era considerado pelos colegas de curso, uma geração bastante conservadora onde a AD tinha passado a prevalecer sobre a esquerda folclórica que tinha dominado o Técnico anteriormente e havia, nomeadamente, muitos alunos vindos do S. João de Brito, muito irreverente, e quando lhes anunciei que tinha concorrido a esse emprego não se pouparam em avisos sobre a minha irreverência numa multinacional americana onde, avisavam eles, o inconformismo não era nada apreciado e os "comunas são todos corridos". Depois da conversa com ele, não parecia.

E não era. Além de a cultura da empresa privilegiar sempre a autonomia e a criatividade e nunca o conformismo, e todos os funcionários terem uma placa para colocarem em cima da secretária com o seu nome na face frontal e, na face traseira virada para eles, a palavra "Think", na companhia havia comunistas que não eram remetidos à clandestinidade nem escondiam a militância no PCP, nem eram corridos, nem eram prejudicados profissionalmente. Eu fui parar a uma sala onde tinha à minha frente o presidente repetidamente eleito da comissão de trabalhadores, que era militante do PCP, de onde veio a sair anos mais tarde, tinha sido preso pela Pide, e era também irreverente, um comunista com quem era, e ainda é, um prazer discutir. Esta foi a minha primeira lição de luta de classes tal e qual ela é no mundo real das multinacionais globais, um bocadinho diferentes das empresas imaginárias fascizantes e repressivas efabuladas pela esquerda a promover golpes de estado militares pelo mundo fora. Curiosamente, se os militantes do PCP não escondiam da companhia a sua filiação e exerciam mesmo activismo laboral na comissão de trabalhadores e na comissão sindical, muitos colegas que, depois de reformados e desligados da companhia, reencontrei no Facebook, onde se assumem como activistas anti-capitalismo e anti-sistema, anti-neoriberalismo como se diz agora, na altura não denotavam este radicalismo nem qualquer espécie de orientação política, nem sequer moderada, nem sequer da área do PS. Sobra-lhes em radicalismo agora, que lhes sai de graça, o que lhes faltava quando receavam que podiam colocar a carreira em jogo, frase actual roubada ao meu colega de frente comuna naquele primeiro ano na companhia. Reverências.

Isto tudo vem a propósito de duas entrevistas com actrizes que foram hoje publicadas em jornais, uma com uma actriz notável, e o qualificativo é meu e pode ser discutível, que se tornou actriz "a fricalhar" e a dar desgostos aos pais de classe operária, e outra com uma actriz ridiculamente medíocre, o que é mais pacífico, que se conformou exactamente, até na opção por uma profissão "cultural", ao molde em que foi vertida "...num ambiente familiar ... em que o normal era as pessoas organizarem-se, em associações, cooperativas. Para mim, sempre foi natural organizar-me com as pessoas com quem estava. E sempre tive uma educação, um ambiente, que me permitiu crescer com uma sensibilidade grande para a injustiça...".

Como dizia o Luís, chamava-se Luís, que não tinha grandes estudos mas sabia mais de olhos fechados do que uma multidão com eles bem abertos, "as gerações conformistas geram filhos irreverentes, e as gerações irreverentes geram filhos conformistas". Saudoso Luís.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:16
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

O blog fechou? Aconteceu alguma fatalidade? Digam ...
Como me fiei em endereços do seu perfil, recebi a ...
Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.
Muito bom post, no seu estilo. Mordaz, q.b.E que e...
Extintores (https://www.comprarextintoresbaratos.e...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds