Domingo, 19 de Junho de 2016

Não somos sequer parecidos

 

NYC-Vago-640.jpg 

A direita "dos negócios" deixou cair Ricardo Salgado e o grupo Espírito Santo. A esquerda da "transparência" limpou o BANIF com dinheiros públicos e tratou de o entregar ao Santander.

 

A direita "trauliteira" quer saber como e quem estoirou a Caixa Geral de Depósitos. A esquerda "unida" levanta obstáculos à comissão de inquérito, em nome da "estabilidade" do sistema financeiro e da "reputação" do banco do Estado. E assim mesmo, às escuras, subiu para 19 o número de administradores, aumentou-lhes os ordenados, e prepara-se para lá meter mais 4 mil milhões dos nossos euros.

 

A direita "determinista" quer que as crianças pobres tenham escolas com qualidade. A esquerda "das pessoas" quer ter os seus filhos nos colégios privados e atirar com os pobres para a bagunça do sistema público. E argumenta: “a liberdade existe", quem quer melhor "que pague do seu bolso".

 

A direita "autoritária" quer dar às famílias pobres o direito a escolher o ensino dos filhos, laico ou religioso, público ou privado, comunista, clássico ou experimental. A esquerda da “diversidade” quer as crianças pobres “protegidas” da Igreja e do “lado errado da história”, impondo a FENPROF, o sr. Nogueira, o Plano Nacional de Leitura (uma lista de livros “certos”), e as matérias politicamente correctas escritas com os pés. Explicando que a liberdade de ensino deve ser distribuída com precaução, reservada aos esclarecidos, uma vez que nem todos estão “filosoficamente preparados”.

 

Curiosamente a Igreja, que devia ter neste assunto uma posição oficial, pede licença para vir aos jornais gemer baixinho a sua perda de influência.

 

A esquerda chega ao poder aos encontrões e faz o que quer, com uma cartilha infantil. A direita espera quieta pelo resultado. Ou apresenta a sua cordura, a sua “moderação”, sem perceber que escolhe o caminho mais curto para se diminuir; a “moderação” não é um plano nem uma identidade, é uma maneira secundarizada de reconhecer a virtude da esquerda.

 

A natureza de uns e outros é hoje visível, talvez mais do que alguma vez foi nos últimos 40 anos. Quando a direita apanhar os restos da sua decepção tem de interpretar o país, descrever o arranjo que está a mandar nisto, explicar os riscos, fabricar uma proposta clara e construir uma retórica para se definir. Não existe “centro” (nem “moderação”) quando as pessoas estão aflitas e precisam de escolher a quem entregar os seus sacrifícios.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:51
link do post | comentar
Segunda-feira, 16 de Abril de 2012

O abuso da cafeína

Ele há por aí, dentro do que se designa por Direita, gente que:


- Tem uma insondável admiração pelos E.U.A., as liberdades americanas, o capitalismo americano e os Pais Fundadores.

- Detesta o cidadão americano médio, que nem sequer sabe usar em simultâneo o garfo e a faca, julga que o centro do Mundo fica no Minnesota, e que a História começou em 1776 e os E.U.A. têm uma missão civilizadora.

- Apoia a "construção europeia", designação consagrada para a gravidez dos futuros Estados Unidos da Europa.

- Abomina a dissolução do que resta da independência nacional num estado federal onde Portugal teria, apesar de muita treta, a liberdade de fazer o que lhe mandam, com a mesma influência que tem o Arkansas na América.

- É a favor da despenalização do consumo, produção e compra e venda de drogas, mesmo duras, em nome do realismo no combate ao crime e da liberdade individual.

- Entende que o combate ao tráfico e consumo de drogas deve prosseguir, por a desistência do Estado ter um efeito dissolvente na sociedade e representar uma inadmissível neutralidade.

 - Considera a desigualdade económica entre os cidadãos algo que o Estado deve activamente combater, via redistribuição fiscal.

- Acha que a redistribuição fiscal, se acentuada, tem um efeito de distorção no funcionamento do mercado, e é por isso inerentemente penalizadora do investimento e por consequência do progresso material.

- É a favor, ou contra, o abortamento, as proibições higieno-fascistas, a adopção por casais gays, o laicismo do Estado e ainda quase tudo e o seu contrário.


Bem, tudo tudo não: não há na Direita, pelo menos em teoria e apenas como exemplos que não são exaustivos, adeptos do crescimento do Estado e da despesa pública, da economia vudu e do Estado compreensivo para o criminoso e suspeitoso do homem bem-sucedido; e há uma prevalência de valores conservadores, de pessimismo sobre a inerente bondade da natureza humana, e de crença na realização do bem comum através da mão invisível do mercado.


Uma grande complicação, em suma - nada que quem está de fora verdadeiramente entenda. Ou queira entender.


E porque me lembrei de, ao correr da pena, expectorar estas profundas considerações, alinhadas entre o terceiro café e a hora do almoço, não divulgo.

publicado por José Meireles Graça às 17:36
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

Não sei precisar o valor total porque foi suportad...
Estou numa situação terrível e adiaram-me a consul...
URGE TRABALHAR PARA O SEPARATISMO-50-50: O PLANETA...
E a que título é que os filhos dos imigrantes são ...
Este texto é apenas fruto de ignorância ou é supos...

Arquivos

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds