Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

Uma espécie de disciplinas

 

 

O Miguel Noronha estava atento, graças a Deus. Que eu não tinha dado por nada. Mas tenho sobre este assunto uma perspectiva diferente.

 

Os "milhares de regulamentos, taxas, autorizações e licenciamentos" servem, em primeiro lugar, para criar e manter empregos na administração pública. Em segundo lugar, servem para favorecer alguns negócios - certificados energéticos, sistemas de ventilação, aparelhos de ar condicionado, turbinas eólicas, literatura de cordel, etc. - em detrimento de outros e, de preferência, sem passar pela humilhação da livre concorrência. Os obstáculos que levantam, e os recursos que retiram às empresas, são o seu resultado mais directo.

 

Acredito noutro plano educativo. Seguindo as recomendações do dr. Pires de Lima, a filosofia e a habilidade política do dr. Nuno Crato, e o superior interesse pela excelência das nossas escolas, o ensino em Portugal não devia dispersar-se em matérias claramente fúteis (como a Matemática, o Português, a História, a Geografia, a Física, a Biologia, ou o Inglês). Tudo o que as nossas crianças precisam de estudar é Meio Ambiente, Expressão Artística, Cidadania, e (sem dúvida nenhuma) Empreendedorismo.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:32
link do post | comentar
Domingo, 30 de Setembro de 2012

O vil metal

Há uns bons anos, Cavaco aconselhou os empresários portugueses a virarem-se para Espanha. E para sustentar o conselho chamou com sagacidade a atenção para a circunstância de a Espanha ter um mercado muito maior, com um muito maior poder de compra, e ficar mesmo aqui ao lado. Isto foi para muitos quase uma epifania, dado que até à revelação nunca se tinham apercebido daqueles factos. Não obstante, com a característica curteza de vistas do empresariado nacional, não houve uma corrida para Espanha. Pior, dos que já lá estavam, e dos poucos que para lá foram, boa parte começou recentemente a dar à sola: lá como cá o que neste momento está a progredir é o retrocesso.

 

Quando algum Chefe de Estado, ou Primeiro-Ministro, vai ao Brasil, faz parte da tradição querer incentivar muito, incentivar intensamente, incentivar convulsivamente, as trocas bilaterais e o investimento. As trocas e o investimento em questão revelam-se teimosamente impermeáveis a incentivos por via de discursos, mas nem por isso os políticos de consequência desistem de tentar puxar a carroça do empreendedorismo.

 

O empresariado é que não acompanha.

 

Sem dúvida para remediar esta congénita deficiência, o actual Governo conta com um Secretário de Estado do Empreendedorismo. A tarefa deste político é ciclópica: tem que vencer o atávico atraso e falta de formação do empresariado português, constituído na sua esmagadora maioria por broncos quase irrecuperáveis, e isto baseando-se em pouco mais do que a pregação do Evangelho da Gestão Fortemente Lúcida, dado que dinheiro para distribuir não há - o tempo de torrar arame do contribuinte nas Qimondas da vida já lá vai. Nem dinheiro nem gestores, visto que as fornadas de técnicos altamente qualificados que as Faculdades de Economia e Gestão despejam anualmente no mercado vão trabalhar para o Estado, a Banca, e, mais recentemente, o estrangeiro. Agora, empresas é que não fazem, possivelmente por não quererem ombrear com o empreendedor tradicional, com vergonha da companhia.

 

Não há, graças a Deus, dinheiro para distribuir, mas também não há para emprestar. E aqui revela-se em todo o seu esplendor a utilidade de um Secretário de Estado do Empreendedorismo: não é preciso haver dinheiro para emprestar, informa o próprio, em pessoa ele mesmo. Em sendo preciso financiamento, reforçam-se os capitais próprios e pronto. Fallait y penser, a coisa é luminosamente simples.

 

Quer dizer que se alguém quer investir - reforça os capitais próprios; tem encomendas com pagamentos a prazo mais longo do que o que pode obter junto de fornecedores, a somar a um ciclo de produção também longo - reforça os capitais próprios; quer inovar, expandir, procurar novos mercados - reforça os capitais próprios; o Estado não restitui o IVA nos prazos, na mesma altura em que há um incumprimento de um cliente - reforça os capitais próprios; arderam-lhe as instalações, e a companhia de seguros arrasta os pés, porque a Lei e a supervisão o permitem - reforça os capitais próprios; e sucedem-lhe os mil e um imponderáveis da vida das empresas, o tempo penoso do início, a infelicidade imprevisível à qual é possível sobreviver, a oportunidade inesperada que é preciso agarrar - reforça os capitais próprios.

 

Este Secretário de Estado é um grande estadista. Mas Sancho Pança - era maior.*

 

* Frase de fecho pilhada de um clássico português, quem não conhecer tem a minha autorização para googlar.

publicado por José Meireles Graça às 02:49
link do post | comentar
Terça-feira, 1 de Maio de 2012

15 de Fevereiro

(Originalmente publicado no Senatus, em 15 de Fevereiro 2012)

 

No rescaldo do "Dia de São Valentim", deixo este registo de esperança a todas as bardajonas encalhadas da blogosfera, com votos de etc. etc..

 

 

Não hesite: com a nossa ajuda, faça do seu organismo uma mulher bem resolvida, e de bem com a vida.
 
Para mais informações, consulte os nossos especialistas através do número oitocentos e oito, tarzentos e não sei quê*.
 
Ao contactar telefonicamente os nossos serviços, está a contribuir com 1 € para uma merda qualquer. 
 
______________________
 
 
Nota: Projecto subsidiado pela Iniciativa para o Empreendedorismo, Criatividade e Inovação.
 
*(tarifa regional).
 
 
publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:57
link do post | comentar

O empresário pró-activo

(Originalmente publicado no Senatus, em 21 de Janeiro 2012)

 

 

De há uns anos a esta parte, e cada vez com mais intensidade, não há dia nenhum em que me livre de ouvir um bitaite sobre as pequenas e médias empresas. De um lado está a necessidade de "apostar" nas PMEs, porque é nas PMEs que está "o futuro" da economia, e porque é nas PMEs que está "a solução" para os níveis incomportáveis de desemprego, e porque cada um pode fazer a sua, desde que devidamente imbuido de algum "dinamismo" e "espírito empreendedor", e mais uma quantidade de convicções que não faltam a nenhum fórum de antena aberta com que, geralmente, me entretenho no trânsito.

 

A expansão desta consciência aumenta na proporção directa da contracção da procura. E por qualquer razão que ainda não agarrei, por ser necessário reduzir as importações e aumentar as exportações, num país sem indústria e sem comida, parece que estas PMEs devem "direcionar-se" para "a ciência", "a tecnologia" e "as comunicações" (excepção feita a um ou outro produto de pastelaria).

 

De tal ordem é o fenómeno que as "iniciativas" se multiplicaram, desde os cursos condensados em horário pós-laboral às licenciaturas, ministradas por uma fartura de académicos no assunto e patentes nos depoimentos de todos os jovens que apanham uma câmara de televisão a jeito. O Ministro da Economia, homem moderno e prudente, muniu-se do respectivo "Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação", uma cara pouco conhecida dos portugueses mas que, por essa razão, aproveito a oportunidade para divulgar. De acordo com o Portal do Governo, existe. E chama-se Carlos Nuno Oliveira.

 

Há uns dias juntou-se uma gente, supostamente credenciada para o efeito, e chegou-se a um "acordo histórico". Entre outras decisões, negociadas com muitos mexericos que não são para aqui chamados, alterou-se a lei laboral. E a nova lei laboral torna as contratações menos pesadas, porque facilita os despedimentos, flexibiliza os horários de trabalho, e permite aos patrões e aos contratados mais uma série de liberdades que, no fundo, toda a gente tinha por oportunas. Menos o PCP e o Bloco, mas é para isso que eles cá estão.

 

Depois de ter visto uma série de reportagens a mostrar aos portugueses como era penosa a vida das PMEs, lideradas por gente que se desunhava para manter os seus negócios a funcionar, com uma quantidade de famílias a cargo, que eles conheciam e pelas quais se sentiam responsáveis, pensei que a história ficava por aqui e se passava para outro aspecto da nossa tragédia. Mas, como é frequente, enganei-me.

 

Agora, a fazer fé no que dizem os comentadores, os politólogos, os gestores e restantes "opinion makers", é preciso remover esses brutos e substitui-los por gente mais "pró-activa". Depois deste "acordo histórico", os empresários portugueses "já não têm desculpa", e "temos um défice de bons empresários", porque estes "fazem questão de ser chamados doutores", mas são "pouco preparados e pouco inovadores", e "não têm formação" para "enfrentar os desafios empresariais da gestão moderna e competitiva". E também ouvi por aí que "é preciso que fique bem claro que, se a economia portuguesa está como está, a culpa não é muitas vezes dos trabalhadores, mas dos erros e das falhas dos nossos empresários".

 

Estava capaz de jurar que vi ontem o dr. Pires de Lima dizer coisas destas na televisão, mas deve ser impressão minha. Que estes programas passam muito tarde e eu, com o sono, fico muito baralhada.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 13:52
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

Como me fiei em endereços do seu perfil, recebi a ...
Perceber da Vida é o melhor, gato. Obrigado.
Muito bom post, no seu estilo. Mordaz, q.b.E que e...
Extintores (https://www.comprarextintoresbaratos.e...
Além de concordar, acho graça ao seu estilo de red...

Arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds