Quinta-feira, 28 de Novembro de 2013

Quem avisa amigo é

Francisco (não o de Assis, o de Roma) declarou à comunicação social portuguesa, por inspiração do dr. Mário Soares:

 

1) A dívida pública deve ser renegociada para um prazo mínimo de cinquenta anos, a uma taxa de juro não superior àquela a que se financiar o Estado Alemão, e com reembolsos de capital indexados ao comportamento das exportações;

 

2) Deve ser suspenso o plano de privatizações e substituído por um plano de nacionalizações, nomeadamente daquelas empresas privadas que se verifica terem uma posição dominante no respectivo ramo, das que se encontrem em situação de oligopólio ou de outras sobre as quais seja legítimo suspeitar que venham a encontrar-se naquelas situações; as nacionalizações deverão obedecer ao princípio de que ao valor de mercado se devem abater os dividendos e prémios distribuídos aos actuais e pretéritos accionistas, nos últimos 20 anos, e de que as indemnizações serão pagas em títulos de dívida pública, a vencer dentro do prazo referido em 1);

 

3) Devem ser suspensos todos os cortes de salários, pensões, subsídios e benefícios sociais, e reposta a situação ex ante;

 

4) O salário mínimo deverá ser aumentado para 550 Euros e todos os anos revisto em percentagem superior à da inflação, a acordar com os parceiros sociais;

 

5) Os contratos no âmbito das PPPs, e os remanescentes no âmbito dos SWAPs, deverão ser renegociados à luz dos seguintes princípios; a) O lucro líquido originado por tais contratos deverá ser taxado em, pelo menos, 70%; b) As partes estabelecerão um plano de taxação retroactiva, de modo a garantir que os ganhos até agora obtidos sejam objecto de igual contribuição; a denúncia, quando o Estado por ela opte, não confere direito a qualquer indemnização;

 

6) É fixado um salário máximo, de montante igual a doze vezes o valor do mínimo;

 

7) É criado um imposto extraordinário de 70%, incidente sobre grandes fortunas, entendendo-se como tal as daqueles agregados familiares cujos activos sejam superiores a 500.000 Euros;

 

8) A reforma do Estado deve prosseguir, à luz dos seguintes princípios: a) Não poderá haver despedimentos, nem mobilidade, sem o acordo do trabalhador; b) Não poderão extinguir-se serviços, salvo se as respectivas competências e pessoal forem afectos a outros serviços, e sem prejuízo da necessidade da aceitação dos trabalhadores, em caso de deslocação;

 

9) Fica proibida a evasão de capitais;

 

10) As empresas cujo capital seja maioritariamente detido por nacionais, ou que realizem em território nacional a maior parte do seu volume de negócios, deverão ter a sua sede em território nacional;

 

11) Pelo menos 1% do Orçamento deverá ser sempre afecto à Cultura:

 

12) O Presidente da República, ouvido o Conselho de Estado, deverá dar instruções ao BCE para financiar directamente o Estado Português, e ao mercado internacional para adquirir dívida pública no mercado secundário, a taxas não superiores às referidas em 1);

 

13) Após a diligência referida no ponto 12) deverá o Presidente dissolver a Assembleia e convocar eleições, às quais só poderão concorrer partidos que subscrevam sãos princípios de defesa da Constituição e do povo trabalhador. Apurado o resultado, instalada a nova Assembleia e conferida posse ao novo governo, o Presidente demitir-se-á, marcando eleições para a presidência da República nos termos constitucionais.

 

Se por algum imponderável isto não se fizer, o nosso País, filho dilecto da Igreja, será palco das maiores violências. Pelo menos é o que, com grande senso e não menor verosimilhança, se diz aqui

publicado por José Meireles Graça às 21:37
link do post | comentar
Domingo, 6 de Outubro de 2013

Vergonha para quem?

 

 

Junto à costa de Lampedusa, o naufrágio de um barco carregado com cerca de 500 imigrantes ilegais resultou, até agora, na morte de mais de 140. O Papa Francisco declarou que era "uma vergonha" e alertou para a "globalização da indiferença". As vozes europeias do "humanismo" aplaudiram e o facebook partilhou estas palavras com abundância.

 

Poucos jornais se interessaram em investigar (e informar os seus fregueses) de que países vinham aquelas pessoas. Apurei sem surpresa que a maior parte vinha da Somália e da Eritreia.

 

Tenho sentido relutância em comentar os numerosos espectáculos com que este Papa generosamente entretém os fiéis. Na realidade, confesso que não o consigo perceber. Gostei da bonomia com que furou o balão do pecado homossexual, decepcionando os activistas menos atentos aos assuntos de caridade por viverem obcecados com os assuntos de cama. Apreciei os adjectivos que usou para caracterizar a Cúria, chamando "narcisistas" e "bajuladores" aos seus cardeais, e definindo "a corte" como "a lepra do papado" - mas isto são os meus afectos linguísticos.

 

Os problemas começam quando Francisco resolve apontar que "os males mais graves que afligem o mundo" são "o desemprego dos jovens e a solidão em que são deixadas as pessoas idosas", ou avisar que o "liberalismo selvagem" tem como resultado "tornar os fortes mais fortes, os fracos mais fracos, e os excluídos mais excluídos". Não vejo que o desemprego dos velhos e dos cidadãos de meia idade seja menos grave, e considero que a fome é um mal mais aflitivo do que o desemprego. Por outro lado, não sei o que o Papa entende por liberalismo (palavra largamente abusada), que vejo pouco na Europa e menos ainda em Portugal. De resto, toda a doutrina selvagem me repugna e não lhe consigo encontrar nenhuma virtude (nem conheço quem a encontre, a não ser no Islão).

 

Espera-se de um Papa que dê orientações sobre moral e matérias de fé. Francisco tem liberdade para falar sobre todos os assuntos que, no seu bendito entendimento, lhe parecerem oportunos. Pessoalmente, para ouvir perorar sobre geo-política e teorias macro-económicas cedo à tentação de procurar outro tipo de peritos.

 

Vem a propósito a distinção entre clericalismo e cristianismo que o Papa também fez, e aqui se concentra outra boa parte das minhas dúvidas: presumo que a soube explicar (eu não vi a explicação), mas duvido que a tenha sabido entender. Se o clericalismo for a doutrina que usa a religião como instrumento para obter um fim político, o Papa anda a escorregar para o lado menos recomendável.

 

A Somália, a Eritreia, a Líbia, e os países de onde partem estas pessoas são regimes primitivos, que quando não matam os seus cidadãos à facada ou a tiro deixam que eles morram à fome. Que espécie de moralidade têm os "humanistas" que andaram a louvar o "multiculturalismo", os "amanhãs que cantam", as "primaveras árabes", e toda a classe de regimes (esses sim) efectivamente selvagens, e agora gemem prosas pungentes quando os desgraçados fogem destes países para se afogar na costa de Lampedusa a tentar sobreviver?

 

Quando o Papa Francisco aproveita a tragédia de Lampedusa para comunicar ao mundo que "a única palavra que lhe vem à cabeça" é "vergonha" sabe que, pelo papel que tem e por aquilo que representa, está a fazer uma crítica à política de imigração italiana. E sabe também que está a dar aos "humanistas" argumentos morais para a defesa leviana da sua inacreditável irresponsabilidade. Convinha que esclarecesse exactamente, caso saiba, a quem deve aplicar-se a palavra "vergonha".

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 16 de Março de 2013

Retrato do fim-de-semana

 

 

 

É com uma pontinha de perplexidade que saliento dois factos:

 

1.) Por junto, entre jornais, blogs, televisão, e páginas de facebook, há ainda três ou quatro comentaristas que não disseram, entre ontem e hoje e com grande perspicácia, que "o Ministro das Finanças falhou", seja na variante "redondamente", "cubicamente", ou "em toda a linha";

 

2.) Já começaram a aparecer ensaios e reflexões sobre o que o Papa Francisco pensa, presumo que com os botões da sua sotaina nova, sobre Teoria Económica.

 

Aos primeiros aconselho que se apressem, porque o sábado está quase a fechar.

 

Aos segundos aconselho que se apressem, não vá aparecer alguém com um assunto mais irrelevante.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 23:42
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

2 comentários

Últimos comentários

Marxismo Cultural o tanas:-» BOYS E GIRLS DE SOROS...
E prontos...Manuel Vilarinho Pires gastou algum do...
Que a Igreja é humana, faz parte da definição. Uma...
No vosso 'post' «Um passeio primaveril» escrevi al...
José Meireles Graça, o seu apontamento é bom, expl...

Arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds