Quarta-feira, 9 de Março de 2016

O discurso do Rei

Foi bom o discurso de Marcelo: nele não figuravam recados, não lançava farpas (senão a referência à “mão invisível”, possivelmente uma velada crítica ao suposto liberalismo da defunta coligação, pecha da qual a pobre nunca sofreu), não apontava o dedo, não continha frases jesuíticas (como os de Eanes, para simular a profundidade que não tinha), não atacava enviesadamente os partidos que não o apoiaram (como Soares, Sampaio e Cavaco fizeram), não foi revanchista (como Cavaco, no segundo discurso de tomada de posse), não estava redigido no abominável economês cheio de lugares-comuns com que Cavaco entediava a Nação, nem no palavreado supostamente culto e progressista com que Sampaio se imaginava líder de causas, nem na prosa chula de Soares, cultivando cuidadosamente a função de contrapoder, ao serviço dos verdadeiros valores de Abril dos quais cria ser fiel depositário.

 

Se quisesse escabichar defeitos, a expressão "... para cada Portuguesa e para cada Português que vai o meu primeiro e decisivo pensamento..." concede demais ao politicamente correcto da igualdade entre os sexos; e um "arquipélago com três vértices – Continente, Açores e Madeira" não parece uma imagem excessivamente feliz - os arquipélagos têm uma tendência muito marcada para terem vértices apenas na pintura cubista.

 

Mas, depois de Cavaco, qualquer texto parece saído da pena inspirada do Padre António Vieira; e o inegável à-vontade de Marcelo a navegar com mestria no mar das cerimónias públicas terá por certo agradado à legião imensa, e para já crescente, dos seus eleitores.

 

A única nota negativa deram-na o PCP e o BE, ao não se levantarem para aplaudir o discurso. E as opiniões divergem: uns dizem que o fizeram para aproveitar qualquer pretexto que não tenha consequências para marcarem diferenças em relação ao PS; e outros que aquela gente não tem sentido das proporções, nem respeito pelos rituais da democracia, nem simples boa educação - sou um dos que isto acha.

 

Rebrilhando de gordura e satisfação, o PM Costa declarou (cito de memória) que foi um discurso em que todos os portugueses se podem rever.

 

Pois foi - como deve ser o discurso de um rei constitucional.

 

Sucede todavia que a recente campanha foi para eleições presidenciais, não para um referendo à restauração da monarquia.

 

O Presidente da República tem competências políticas que excedem em muito as de um rei constitucional, e será chamado a exercê-las. Ao fazê-lo, não pode agradar a todos os portugueses, porque estes, em todas as matérias de relevo, têm o hábito detestável de terem opiniões várias, e até opostas. Na campanha, Marcelo disse que sim, não, e antes pelo contrário - disse, em resumo, não me comprometam, e com isso ganhou.

 

Ganhou para fazer o quê? Não sabemos.

 

Por mim, que não sou deputado, e não estou portanto em circunstâncias de ter que fazer o que a boa educação manda, guardo o meu aplauso para quando o Presidente o mereça. Suspeito que vai ganhar bolor.

publicado por José Meireles Graça às 23:38
link do post | comentar | ver comentários (5)

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

5 comentários

Últimos comentários

Entendo os problemas de logista. Ha que voltar a a...
Caro senhor Bernardo Silva,Tenho uma boa notícia p...
Caro senhor Bernardo Silva,O seu mal não é câncer,...
Subscrevo, claro.
Para mim não há guerras perdidas. Haverá batalhas ...

Arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds