Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Casadas e felizes

 

 

Ligo a televisão e caio no Prós & Prós. No indispensável arrazoado soez, uns cavalheiros protestam o desprezo dos jornalistas pelas associações "cívicas". Dizem que não lhes dão acesso à imprensa e às televisões, ao contrário do que fazem com os partidos políticos.

 

Fátima não concorda: "tanto é que os senhores estão aqui". E ilustra, pivoteando a palavra para uma senhora da plateia que apresenta como "reformada da Função Pública". Alexandra Gonçalves levanta-se e despeja a indignação "dos portugueses", que observa "nas ruas, nos mercados, e nos centros comerciais", e "lamenta" que "só tenham invadido quatro ministérios".

 

Conheço bem esta "reformada". Era vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, no período em que João Soares se entendeu com os comunistas para governar a geringonça - de resto, com arroubos poéticos de educado requinte.

 

Foi nos últimos anos do mandato e Alexandra Gonçalves, do PCP, tinha os pelouros da Higiene Urbana, do Saneamento, do Turismo, e da Intervenção Local. Aparentemente, agora representa o PCP numa qualquer "plataforma" apropriada à mais casta intervenção "cívica", e tem os pelouros da Observação, da Listagem, do Lamento, e da Invasão de Edifícios Públicos - especialidades em que o partido comunista sempre se distingiu com reputados pergaminhos.

 

O interesse destas memórias não é, desta vez, apontar as aldrabices que a RTP nos serve diariamente. Nem é mostrar que a "cidadania" está infectada de elementos oriundos dos partidos políticos, onde exercem as suas pressões de maneira dissimulada e traiçoeira. A moral desta história é concluir que as duas princesas têm tudo o que é preciso para se manterem casadas e serem felizes.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 19:59
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Constituir família?

 

 

Raquel Baptista Varela é marida de um cidadão que também é mentalmente excepcional. À luz da legislação portuguesa, está visto que podem co-adoptar pareceres. Poderão adoptar crianças? Deixo esta pergunta no ar.

 

Estará o país preparado? Até certo ponto. Mesmo no Arrastão, instituto onde se observam e defendem excepções de todo o tipo, há dois cidadãos que, escurecidos de preconceito, não vêm a coisa com bons olhos. Naquela linguagem "cavernícola" (obrigada, Galamba), de quem convive mal com o "direito à diferença" e pactua, pela "passividade bovina", com certos "retrocessos civilizacionais", dizem da doce Raquel que ela é "alienada", que "usa a ideologia" como um "pronto a vestir", e que lhe falta "bom senso". Palavras fortes, que não levo a mal: são decisões difíceis, que inflamam os ânimos e necessitam de muita ponderação.

 

Enquanto pensamos fica um excerto, uma síntese do pensamento do filósofo, que se chama António Paço:

 

"Os grandes agradecimentos que a apresentadora Fátima Campos Ferreira fez à Raquel no final do programa só se explicam, aliás, por ser óbvio que a Raquel lhe «salvara» o programa."

 

Vai à atenção de André Azevedo Alves, este meu subsídio para o dorido trabalho de investigação que está a partilhar com o estimável público, biografando a "académica" Raquel, a nível d' O Insurgente.

 

__________

 

Leitura complementar: Doce Raquel e o horário "nobre"

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 20:26
link do post | comentar
Terça-feira, 21 de Maio de 2013

Doce Raquel e o horário "nobre"

 

 

Vejo as "redes sociais" muito agitadas com um tal Martim, jovem bastante mais potável que o risível Miguel Gonçalves, na sequência de uma troca de impressões no Prós & Prós de ontem. Não acompanho os aplausos, muito menos os "agradecimentos" por ter, aparentemente, posto uma senhora "no seu lugar".

 

Martim tem "um negócio de moda", "a preços acessíveis", que lhe corre bem. Mesmo porque "foi bem aceite a nível das pessoas" que se davam com ele. Fátima "calcula" que seja "confortável", "desportiva", "muito jovem", "muito aliciante", "muito atractiva", e a "preços bem mais baratos" (sic) do que se fosse "roupa de marca". Raquel interrompe-o para lhe perguntar se as roupas são fabricadas na China, "com os trabalhadores a ganharem 2 dólares por dia" e "a comer uma tijela de arroz". Martim diz que não, que são feitas numa fábrica portuguesa. Raquel pergunta se ele sabe "nessa empresa portuguesa, quanto é que ganham os trabalhadores", porque "maioritariamente nas empresas têxteis os trabalhadores ganham o ordenado mínimo", o que "não é suficiente para viver". Martim responde-lhe que, "pelo menos", esses trabalhadores "não estão no desemprego". A plateia vem abaixo com as palmas.

 

Que a suposta "doutora" Raquel Varela seja (digamos) mentalmente excepcional, é um facto da vida, indesmentível, inevitável, e que não me diz respeito. Que a nossa "academia" lhe dê "graus", é exemplar. Diz mais da nossa "academia", e do que em 30 anos fomos colectivamente permitindo que se fizesse dela, do que diz da "académica" Raquel. Que a televisão pública dê palco às varelices, é uma consequência directa do ponto anterior.

 

Nada disto faz de Martim um fenómeno. Qualquer mamífero com instrução suficiente para atravessar a própria rua percebe o mundo melhor do que a doce Raquel.

 

Se Martim responde a Raquel, mostra que é educado. Se Martim responde a Raquel contrariando-a (assim, em directo e em horário "nobre"), fico na dúvida. Bem sei que Martim só tem 16 anos. E que não foi ele que a convidou. Se os "jornalistas" soubessem o que é caridade, nunca mais entrevistavam Raquel.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 18:42
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Últimos comentários

Além de concordar, acho graça ao seu estilo de red...
«Porque os sistemas, a monitorização, as certifica...
Obrigado. Terá talvez faltado relembrar que em tem...
O último parágrafo vale tudo.
Em 1960 estive na Suécia com a Família. Em férias....

Arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cds

censura

cgd

cgtp

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desigualdade

dívida

educação

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

populismo

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vital moreira

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds